13/08/20
31º/15ºLONDRINA
PUBLICIDADE
BRB

Flamengo dobra patrocínio e projeta ações na Bolsa com banco público

O Flamengo planeja dobrar sua arrecadação com seu novo patrocinador máster, o banco estatal BRB, de Brasília. A parceria foi aprovada pelo conselho deliberativo do clube nesta terça-feira (30), e o anúncio oficial foi feito nesta quarta (1º). O contrato tem duração de três anos a partir deste mês de julho, com a possibilidade de ser prorrogado por mais dois. O valor mínimo que o Flamengo receberá anualmente será de R$ 32 milhões.

Instagram/@flamengo
Instagram/@flamengo


Essa quantia é igual à que o clube carioca recebeu da Caixa Econômica Federal em 2018, último ano de contrato entre as partes. O BS2, banco digital de Minas Gerais que o patrocinava até junho, pagava metade disso. O Flamengo foi quem teve a maior cota com a Caixa entre os vários clubes patrocinados por ela nos últimos anos. No início de 2019, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decretou que a estatal não firmaria novos contratos com nenhum time de futebol do país.

Sem ela, equipes como Athletico, Atlético-MG, Corinthians, Cruzeiro e Fortaleza fecharam parcerias com bancos privados.
O ingrediente exclusivo do acordo entre Flamengo e BRB, visto com ressalvas no mercado, é que clube e banco, durante os cinco anos de parceria, pretendem se associar e futuramente fazer emissões conjuntas de ações na bolsa de valores (IPO), algo inédito para um time de futebol brasileiro. O caminho para isso, no entanto, não será simples.

"É possível uma sociedade para essa finalidade mesmo com uma associação como acionista, com a transferência de recebíveis do Flamengo", diz Gustavo Flausino Coelho, advogado especializado em direito empresarial e professor do Ibmec. "Acontece que, dessa maneira, o mais importante é a transmissão de confiança, e o futebol remete à desconfiança, à desordem financeira por conta das suas regras instáveis."

Para o especialista em finanças Filipe Pires, também do Ibmec, cinco anos é um período curto para a abertura de capital. "IPO é o último estágio de uma empresa madura para capitalizar. A história mostra que esse tipo de negócio a médio prazo não se sustenta. O mercado também está muito receoso em termos de riscos", afirma. Durante o anúncio, nesta quarta, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, afirmou que a formatação do empreendimento conjunto deverá ocorrer somente com a evolução da parceria na venda de produtos do banco.

Com exceção do lançamento de ações, o plano de negócios é semelhante ao dos seus rivais patrocinados por bancos. A diferença está nos valores. Enquanto o Flamengo tem a garantia de R$ 32 milhões, Corinthians e Vasco, parceiros do BMG, recebem em média R$ 12 milhões e R$ 8 milhões, respectivamente.
O BRB deverá lançar ainda neste mês a operação de conta digital, com o objetivo de atrair clientes em todo o país. O banco e o Flamengo dividirão pela metade o lucro obtido com abertura de contas em nome do time, cartões de créditos e vendas de produtos como títulos de capitalização e seguros.
"Nesse começo de parceria, é difícil de falar, mas o Flamengo tem um mínimo de R$ 32 milhões e, pelo plano de negócio, podemos chegar a R$ 50 milhões por ano nesses três anos", disse Landim. O São Paulo foi o primeiro a fazer parceria com essas bases, com o banco Inter. "O Flamengo é uma marca forte em todo o Brasil, o importante dessa parceria é que ambos dividem também os riscos do negócio", disse Miguel José Ribeiro de Oliveira, da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

A perspectiva, segundo o BRB, é conquistar 1,5 milhão de correntistas flamenguistas. O banco, atualmente, possui uma carteira de 750 mil clientes e pouca relevância fora do Distrito Federal. "A parceria com o Flamengo, time com marca de força global, vai permitir ao BRB diversificar seus negócios, expandir sua base de clientes e ampliar a atuação nacional tanto na forma de presença física quanto digital", disse o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa.

Fundado em 1964, o banco tem como acionista majoritário o governo do Distrito Federal. Das 116 agências ativas, 101 estão situadas na capital do país. Segundo pesquisa feita pelo Datafolha e publicada em setembro do ano passado, os flamenguistas representam 28% da população do Centro-Oeste. Corinthians, com 18%, e São Paulo, com 6%, vêm na sequência. A pesquisa ouviu 2.878 pessoas, 320 delas no Centro-Oeste. A margem de erro nesse recorte é de seis pontos percentuais para mais ou para menos.
Carlos Petrocilo - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Tenista
Governo da Sérvia defende Djokovic após polêmica sobre Covid-19
Será que vai?
Em disputa com a Globo, Flamengo prepara transmissão pelas redes sociais
Futebol gaúcho
Grêmio muda treinos para Criciúma após novo veto do RS para treinos e jogos
Continue lendo
Na Vila
Santos aposta na velocidade de Marinho e Soteldo contra o Inter
13 AGO 2020 às 11h23
PSG
Como é a 'família linda' do PSG que embala Neymar na Champions League
13 AGO 2020 às 11h12
Polêmica
CBF adota 'regra dos dez dias' e libera atletas infectados para jogo
13 AGO 2020 às 11h11
Do outro lado
Rogério Ceni visita Morumbi como rival do São Paulo pela primeira vez
13 AGO 2020 às 10h45
Na Arena
Athletico vence o Goiás e permanece na liderança do Brasileirão
13 AGO 2020 às 10h36
Fragilidade
Atlético-GO surpreende o Flamengo e impõe segunda derrota de Torrent
13 AGO 2020 às 08h44
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados