31/05/20
25º/10ºLONDRINA
PUBLICIDADE
|
Veja o vídeo!

Justiça paraguaia libera Ronaldinho Gaúcho para prisão domiciliar

O juiz Gustavo Amarilla concedeu nesta terça-feira (7) a prisão domiciliar a Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis. Os dois ficarão em um hotel em Assunção e pagaram multa de US$ 1,6 milhão (R$ 8,35 milhões). A decisão encerra o período de 30 dias que ficaram presos de maneira preventiva e em regime fechado.

Reprodução/Instagram/@ronaldinho
Reprodução/Instagram/@ronaldinho


Ronaldinho e Assis estavam detidos em Assunção desde 4 de março, acusados de estar no país com passaportes falsos. Eles receberam os documentos na sala VIP do aeroporto internacional Silvio Petirossi, em Luque, cidade vizinha à capital. Nos documentos estavam as fotos e dados pessoais da dupla. Faltavam apenas as assinaturas. Os passaportes foram ponto de partida para uma investigação do Ministério Público e do Ministério da Tributação do Paraguai.

Até agora, no total, 15 pessoas já foram presas. Os promotores investigam esquema de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e impressão de documentos falsos. Dois deles foram entregues a Ronaldinho e Assis. Segundo o Ministério Público, cada passaporte falso custava cerca de R$ 30 mil. Ronaldinho, recebido no Paraguai como ídolo, e Assis estavam presos em um quartel da Polícia Nacional do Paraguai adaptado como prisão.

No período em que ficou no local, companheiros de cela do ex-jogador disseram que ele alternou momentos de bom humor aos de melancolia. Mas postou fotos sorridentes em redes sociais, gravou vídeos a pedido de outros presos e participou de jogo do campeonato interno dos detentos. Em depoimento ao Ministério Público, os dois brasileiros afirmaram terem recebido os documentos como presentes, sem saber que não eram verdadeiros.

A expectativa de seus advogados era que a pena fosse social, o que significaria doação em dinheiro ou algo semelhante a uma instituição filantrópica do Paraguai. Então seriam liberados a voltarem ao Brasil. Isso não aconteceu. Na primeira audiência do caso, o juiz determinou a prisão preventiva da dupla, sob a alegação de que eles poderiam fugir do Paraguai. Desde então, os advogados haviam tentado três recursos para liberá-los. Pediram prisão domiciliar e o anulamento do decreto de prisão preventiva. Todas as solicitações foram rejeitadas.

Em 21 de março, Ronaldinho completou 40 anos. A situação dos brasileiros foi complicada também pela pandemia de coronavírus, o que fez com que a Justiça do Paraguai passasse a trabalhar em um ritmo bem mais lento. Isso adiou também o resultado da perícia dos telefones celulares de Ronaldinho e Assis, visto como fundamental pela defesa para provar que eles não tinham conhecimento da falsificação.

A defesa de Ronaldinho e Assis aponta o empresário brasileiro Wilmondes Sousa Lira como responsável por entregar a eles os passaportes falsificados. Lira também teve a prisão preventiva decretada. Duas mulheres, María Isabel Galloso e Esperanza Apolônia Caballero, donas das cédulas de identidade usadas para a adulteração, foram denunciadas e estão em prisão domiciliar.

A mulher de Wilmondes, Paula Lira, é amiga da empresária Dalia Lopez, acusada de ter pago pelos passaportes falsos. Ronaldinho e Assis viajaram ao Paraguai a convite do casal Lira e de Dalia para participar do projeto de uma ONG que transformaria ônibus para atender crianças carentes no Paraguai. "Ronaldinho e seu irmão ingressaram no nosso país usando documentos de conteúdos falsos. Não dá para falar de inocência", declarou a promotora.

"Para Ronaldinho e seu irmão, essa [citar o envolvimento de Lira] é uma saída processual alternativa, porque os documentos que temos confirmam que esse outro brasileiro seria o responsável por entregar os documentos para eles", disse à reportagem a promotora Alicia Sapriza. Não é a primeira vez que o nome de Ronaldinho é ligado a problemas com seu passaporte.

Em novembro de 2018, ele e Assis chegaram a ter seus documentos brasileiros apreendidos após condenação por um crime ambiental no Rio Grande do Sul. Ele fora condenado a pagar mais de R$ 8,5 milhões pela construção de um píer em área de proteção ambiental no lago Guaíba, na capital gaúcha. Como não cumpriu a sentença, teve o passaporte retido.

Em setembro do ano passado, um acordo com o Ministério Público do Rio Grande do Sul permitiu que ele recuperasse o documento. Os termos da negociação não foram publicados à época. Pouco antes de fechar esse acordo, Ronaldinho havia sido nomeado embaixador do turismo brasileiro pela Embratur, instituto ligado ao Ministério do Turismo. A nomeação ocorrera mesmo sem o documento que permite viagens ao exterior.


Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Cumprido
Atleta sul-africana supera desafio de Cristiano Ronaldo e faz 176 abdominais em 45 segundos
Reflexões
Neymar diz que teve 'momentos de questionamento' durante lesões no PSG
De volta aos campos
Espanhol pode voltar no fim de maio ou início de junho, diz presidente
Continue lendo
Entenda
Clubes brasileiros devem perder R$ 2 bi na pandemia, indica estudo
30/05/2020 15:45
Tenista
Atleta mais bem pago pela 1ª vez, Federer supera Messi, Ronaldo e Neymar
29/05/2020 17:09
Automobilismo
Renault decide permanecer na F1 mesmo após anunciar corte bilionário
29/05/2020 16:00
Na Justiça
STJD marca julgamento que pode manter Londrina na Série B
29/05/2020 11:29
Sem público
Ligas inglesa e italiana aprovam data de retorno dos campeonatos
29/05/2020 08:34
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados