22/01/21
PUBLICIDADE
Em outubro

Ministério da Saúde aprova plano da CBF para volta das torcidas

Pixabay
Pixabay


O Ministério da Saúde aprovou um estudo da Confederação Brasileiro de Futebol (CBF) para viabilizar a volta dos torcedores aos estádios de futebol em meio à pandemia do novo coronavírus.


Organizadora do Campeonato Brasileiro, a entidade recebeu o aval do órgão do governo federal nesta terça-feira (22), mas ainda analisa quando e como colocará o plano de retorno dos torcedores aos estádios brasileiros em ação. A ideia inicial é que isso aconteça a partir de outubro.

O estudo prevê, inicialmente, a liberação de no máximo 30% da capacidade dos estádios e apenas para torcedores do time mandante. Os torcedores dos times visitantes ficariam sem acesso às arenas.

Também será necessária a aprovação das autoridades sanitárias locais para liberação do acesso ao público, e os clubes mandantes deverão cumprir protocolos estabelecidos pelo governos de cada região.

"É importante ressaltar que a abertura, em um primeiro momento, deve ser para até 30% da capacidade dos estádios -podendo ser aumentado posteriormente-, conforme decisão do gestor local, que, dentre outros aspectos, levará em consideração a variação da curva epidemiológica, a taxa de ocupação de leitos clínicos e leitos de UTI e a capacidade de resposta da rede de atenção à saúde local e regional", diz trecho de comunicado do Ministério da Saúde.

No estado de São Paulo, o governo João Doria (PSDB) analisa a questão no Comitê da Saúde e deve anunciar uma definição nos próximos dias. O estado, porém, ainda não se pronunciou oficialmente sobre a liberação de jogos com público nos estádios paulistas.

Procurado pela reportagem, o governo do Rio de Janeiro não respondeu, bem como a prefeitura da capital paulista.

A prefeitura do Rio de Janeiro, por sua vez afirmou que se reuniu nesta terça-feira com representantes da Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) para discutir a volta do público aos estádios da cidade a partir de 4 de outubro, como já havia sido sugerido pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

"No encontro, ficou alinhado que serão necessárias mais reuniões para definir questões de transporte e segurança, entre outras. A autorização da volta de até 30% de público nos jogos, no entanto, ainda será avaliada pelo Comitê Científico da Prefeitura do Rio. Portanto, todas as reuniões são somente de avaliação e preparo para eventuais necessidades, caso haja o retorno do público," afirmou a gestão da capital fluminense.

A liberação de torcidas nos estádios cariocas já causou rusgas entre a prefeitura do Rio e o governo do estado.

Um dia depois de Crivella afirmar, no último dia 18, que queria colocar até 20 mil pessoas no Maracanã -cerca de 25% dos quase 80 mil que o estádio comporta- para a partida entre Flamengo e Athletico-PR, pelo Brasileiro, marcada para 4 de outubro, o governo fluminense, anunciou a prorrogação da proibição de presença de público em eventos esportivos no estado.

Em contato com a reportagem, especialistas não aprovaram a liberação dos estádios para o público em geral.

"A abertura de estádios é totalmente imprudente e desnecessária porque tem riscos no local e no transporte. Não há nenhum local no mundo que está aceitando a volta de torcidas [na proporção de 30%]. Com certeza, o estádio é um dos locais de maior espalhamento [do vírus], vide o exemplo do Atalanta jogando em Milão, o que motivou a epidemia mais forte na Itália, em Bérgamo", afirmou o epidemiologista Paulo Lotufo.

Com o aval do Ministério da Saúde, a CBF irá convocar dirigentes de clubes para uma reunião para definir a partir de quando e em quais condições será possível contar com a presença de público nos estádios de futebol.

O estudo da CBF foi encaminhado ao Ministério da Saúde pelo coordenador médico da confederação, Jorge Pagura. Procurado pela Folha, nesta terça-feira, ele confirmou que recebeu o aval para que a CBF execute o plano de volta do torcedor aos estádios, mas não quis conceder entrevista.

O Ministério da Saúde também não respondeu aos contatos da reportagem até a conclusão desta edição.

Desde março, quando os campeonatos estaduais e a Copa Libertadores foram paralisados como forma de mitigar a transmissão do novo coronavírus, os times de futebol amargam perda de receitas sem a arrecadação com ingressos e com o chamado "matchday" -ganhos com camarotes e cadeiras cativas, além da venda de alimentos e bebidas nos dias de jogos.

Segundo estudo da consultoria EY sobre os impactos da Covid-19 no esporte, divulgado em maio, haverá redução entre 55% e 65% com matchday caso não haja público nos estádios até o fim deste ano. Esta receita despencaria de R$ 952 milhões, obtidos em 2019, para R$ 415 milhões.

O relatório aponta que, com a pandemia, as 20 maiores agremiações brasileiras, que faturaram aproximadamente R$ 6 bilhões ao longo de todo o ano de 2019, terão uma retração de 22% (R$ 1,34 bilhão) a 32% (R$ 1,92 bilhão).

A EY analisou resultados financeiros dos 20 times mais bem colocados no ranking da CBF na ocasião: América-MG, Athletico, Atlético-GO, Atlético-MG, Bahia, Botafogo, Ceará, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport e Vasco.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Promessa latino-americana

Atleta de Londrina assina com um dos maiores clubes de beisebol dos EUA

21 JAN 2021 às 16h40
Sequência de tropeços

Pressionado por má fase do São Paulo, Diniz diz não temer perder emprego

21 JAN 2021 às 15h12
"Acidente de percurso"

Corinthians pega o Sport para esquecer derrota e seguir escalada rumo à Libertadores

21 JAN 2021 às 14h44
Confira o ranking

Palmeiras é o 2º melhor clube do mundo em 2020, atrás do Bayern

21 JAN 2021 às 09h29
Brasileirão

Flamengo e Palmeiras medem forças na parte de cima da tabela

21 JAN 2021 às 08h04
Brasileirão

Fortaleza e Santos mexem nas duas pontas da tabela em confronto no Castelão

21 JAN 2021 às 07h52
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados