09/07/20
22º/10ºLONDRINA
Deu ruim

Ronaldinho vira réu em ação coletiva que pede R$ 300 milhões por pirâmide

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho virou réu em uma ação civil coletiva que pede R$ 300 milhões por danos morais e materiais por causa de sua ligação com a empresa 18kRonaldinho. Desde o ano passado, a firma tem bloqueado o dinheiro de clientes que investiram em suas atividades.

Reprodução/Instagram/Ronaldinho
Reprodução/Instagram/Ronaldinho


A ação coletiva está sendo movida pelo Ibedec (Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo) de Goiás, que diz ter identificado 150 pessoas lesadas pelo bloqueio das contas da 18k. De acordo com o Ibedec, as vítimas moram em vários estados brasileiros e em países como Estados Unidos, Portugal e Itália. O valor estipulado na ação foi calculado com base nos supostos prejuízos das vítimas, mas o pedido ainda será apreciado pela Justiça.

Além de Ronaldinho e da empresa que leva seu nome, aparecem como réus da ação os diretores e colaboradores Marcelo Lara Marcelino, Bruno Rodrigues Alcântara, Raphael Horácio Nunes de Oliveira e Athos Trajano da Silva, que costumavam arregimentar clientes em reuniões pelo Brasil. No ano passado, o UOL Esporte foi o primeiro veículo a noticiar as atividades da empresa, que dizia fazer marketing multinível e prometia rendimentos de até 2% ao dia, além de prêmios como um Porsche Panamera para quem comprasse pacotes que iam de US$ 30 a US$ 12 mil (aproximadamente, de R$ 130 a R$ 52 mil).

A promessa era auferir rendimento de operações na criptomoeda Bitcoin. Em outubro, após uma reportagem revelar que o Ministério Público Federal investigava a 18k por suspeita de ser uma pirâmide financeira, prática considerada crime contra a economia popular, Ronaldinho anunciou seu desligamento e passou a se dizer vítima da empresa. Logo depois, os clientes começaram a não conseguir mais retirar o dinheiro investido na plataforma online.

Uma das vítimas listadas na ação é o youtuber Johnny Helder, que tem um canal com dicas de investimento. Ele afirma ter investido cerca de R$ 200 mil. Quando publicou vídeo criticando as atividades da empresa, teve sua conta bloqueada. Outros clientes lesados também já entraram com ações individuais, como é o caso de uma investidora do interior do Paraná e do youtuber Lucas Marques, do Rio Grande do Sul.

O advogado Fernando Barbosa, do Ibedec goiano, incluiu Ronaldinho como réu da ação coletiva pela convicção de que ele foi mais do que apenas um garoto-propaganda do negócio. "Tem várias propagandas, vários vídeos na internet, anunciando o ex-jogador como sócio da empresa", afirmou ele.
Apesar do nome de Ronaldinho não estar vinculado formalmente à empresa batizada em sua homenagem, em uma reunião da 18k no ano passado presenciada pela reportagem, a firma apresentou Ronaldinho como sócio-proprietário. Em encontros com membros e em vídeos institucionais, o ex-atleta promovia a associação à empresa.

Procurado, o advogado Sergio Queiroz, que defende Ronaldinho, disse que não se manifestaria porque ainda não teria sido notificado oficialmente. Mas disse que o ex-jogador "é parte ilegítima para figurar em qualquer ação que envolva a empresa do Sr. Marcelo Lara."O advogado Gabriel Villarreal, que defende a 18k, também não quis se pronunciar, por ainda não ter sido notificado oficialmente. Ele afirmou não saber se o presidente e colaboradores da empresa iriam responder sobre o bloqueio das contas dos clientes.

Marcelo Lara Marcelino, que se apresenta como CEO da 18k e mora nos Estados Unidos, tem gravado vídeos distribuídos pelo WhatsApp, nos quais afirma que seu negócio foi vítima de uma fraude e que por isso teria bloqueado os saques de sua plataforma. Ele já prometeu devolver o valor investido em relógios e ações de outras empresas, mas os clientes dizem que, até agora, as promessas não se concretizaram. Firma também é investigada pelo Ministério Público

Além da ação civil, a 18kRonaldinho é alvo de uma investigação na esfera criminal, levada a cabo pelo Ministério Público de São Paulo. A promotoria já ouviu o ex-jogador. Na ocasião, ele afirmou ter tido o nome usado indevidamente em ações promocionais. Os promotores pretendem agora ouvir os sócios da empresa, que vivem no Rio de Janeiro, a respeito da denúncia
Adriano Wilkson - Folhapress
Continue lendo
Gustavo Maia
São Paulo deve receber R$ 6 milhões do Barcelona por jovem promessa
09 JUL 2020 às 10h41
Repeteco
Treinos da segunda etapa da F1 começam nesta sexta
09 JUL 2020 às 08h48
No Maracanã
Fluminense vence Flamengo nos pênaltis e conquista Taça Rio
09 JUL 2020 às 08h35
Ettihad Stadium
Gabriel Jesus desencanta, e City goleia no Inglês
08 JUL 2020 às 17h42
Saiba mais
Programação esportiva desta quinta-feira
08 JUL 2020 às 16h50
Basquete
Ameaçada, NBA chega à Disney com desafios para completar temporada
08 JUL 2020 às 16h15
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados