Pesquisar

Canais

Serviços

Montevidéu

Seleção enfrenta hoje raça e catimba uruguaia

Thiago Mossini/FOLHA - Enviado a Montevidéu
24 jun 2009 às 15:50
Publicidade
Publicidade

O técnico Dunga anda de bom humor. Distribui risadas, deixou as respostas atravessadas de lado e mostra uma paciência pouco vista anteriormente nestes seus três anos a frente da seleção brasileira. Tranquilidade e bom humor que podem mudar ao final da tarde de hoje, dependendo de como terminar a partida que o time fará a partir das 16 horas, contra o Uruguai, no Estádio Centenário, em Montevidéu. Um tropeco pode tirar o time da vice-lideranca das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa da Africa do Sul e trazer de volta os questionamentos em relação ao trabalho do treinador. Um revés pode ressucitar fantasmas que haviam sido exorcizados pelo capitão do tetra.

Dunga nunca teve tanta paz para trabalhar como agora. As sombras, que sempre se fizeram presentes na vida do ex-volante nestes três anos, deram um tempo e ele, aliado a resultados imponentes em amistosos contra equipes badaladas como as vitórias sobre Portugal e Itália, ganhou força.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Vanderlei Luxemburgo não consegue dar cara de time ao Palmeiras. Muricy Ramalho vai ficando cada vez mais com fama de amarelar em mata-matas e vê seu São Paulo deixar aos poucos de ser o time superior no Brasil para se tornar cada vez mais previsível. A sombra europeia, o pentacampeão Luiz Felipe Scolari, perdeu o apelo após a frustrada passagem pelo Chelsea. Assim, Dunga só precisa de um triunfo esta tarde para ver seu reinado ser consolidado.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

Reforma do Pacaembu cria atrito de concessionária com Museu do Futebol

Imagem de destaque
Real Madrid

Ancelotti cria novo jeito de jogar para Vini e Rodrygo e anima Dorival

Imagem de destaque
Ganhou espaço

André Silva renasce no São Paulo e cria 'dor de cabeça boa' a Zubeldía

Imagem de destaque
Série B

Morelos consegue nova chance e reforça o Santos contra o Avaí


Além da já tradicional raça uruguaia, a Celeste terá o apoio de 52 mil vozes, uma vez que todos os ingressos colocados a venda foram vendidos. É pressão dentro e fora de campo. ''É uma seleção que cresce muito jogando no seu país. Temos que fazer o resultado. Se for três pontos, melhor ainda'', analisou Dunga.

Publicidade


O treinador conhece muito bem essa garra uruguaia. No encontro entre as equipes no primeiro turno, em São Paulo, o Uruguai saiu vencendo mas cedeu a virada ao Brasil com dois gols de Luís Fabiano.


''Toda seleção que joga contra o Brasil, eu nunca vi ser nada fácil. Ainda mais aqui que a batalha será grande. O jogo é importante para os dois, mas vamos tentar somar os pontos para garantir o primeiro lugar matematicamente'', projetou o meia Elano.


Sem Maicon, que ainda está fora de forma, pois não joga desde o empate com o Equador no fim de março, quando sofreu uma lesao muscular, Daniel Alves ganha nova chance entre os titulares. Ele acaba de conquistar a Liga dos Campeões da Europa com o Barcelona e nem reclama de cansaço. ''Com uma oportunidade como essa, não há cansaço que me impeça de jogar'', comemorou o lateral, que só foi titular na vitória sobre o Peru por 3 a 0, em abril.

O Uruguai é o quinto colocado classificação das Eliminatórias, com 17 pontos. Se vencer, encosta no Brasil, o vice-líder com 21. O primeiro lugar é do Paraguai, com 24 pontos.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade