Pesquisar

Canais

Serviços

Copa da Confederações

Torcida sul-africana pode apoiar 'azarões' americanos

BBC Brasil
28 jun 2009 às 11:33
Publicidade
Publicidade

Os Estados Unidos podem contar com outro aliado quando entrarem em campo neste domingo contra o Brasil para a final da Copa das Confederações, a torcida sul-africana. "Vou torcer para os Estados Unidos, gostei muito quando eles venceram a Espanha", diz o jovem Dingane.

De fato, durante a histórica e inesperada vitória americana por 2x0 na última quarta-feira, boa parte da torcida em Bloemfontein passou a apoiar os americanos. Comentaristas locais sugerem que os motivos que levaram à repentina simpatia para com o time dos Estados Unidos podem variar desde o tradicional apreço pelo mais fraco, até o "fator Obama". Eles dizem que seria difícil imaginar tal apoio se os americanos fossem liderados ainda por George W. Bush e Dick Cheney.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Retrospecto

Leia mais:

Imagem de destaque
Luciano Rodríguez

Agentes querem usar Palmeiras para turbinar carreira de 'novo Suárez'

Imagem de destaque
Velhos conhecidos

Flamengo agoniza antes de Tite rever Corinthians em papéis invertidos

Imagem de destaque
Solidariedade

Palmeiras doará para o Rio Grande do Sul renda de jogo contra o Athletico-PR

Imagem de destaque

Ávila fala de evolução no Londrina EC, mas se preocupa com campanha


Mas o maior astro do time americano, Landon Donovan, reconhece que vencer a seleção de Dunga não será fácil. "Nunca venci o Brasil em nenhuma categoria do futebol, mas seria sensacional conseguir isso", disse o atacante, que esteve no time sub-23 que perdeu do Brasil por 7x0 em 1999. O treinador do time, Bob Bradley, disse que a partida será um acontecimento histórico para o futebol americano. "Esta é a primeira vez que disputaremos uma final internacional e jogar contra o Brasil é mais especial ainda", disse ele. Das 14 vezes que os Estados Unidos jogaram contra o Brasil, o país venceu apenas uma vez, em 1998. Apesar do retrospecto favorável ao Brasil, o técnico Dunga prometeu respeito e diz esperar um jogo aberto.

Publicidade


Importância histórica


Independente do resultado neste domingo, que pode significar terceira Copa das Confederações para o Brasil e a confirmação do rótulo de favorito para o Mundial 2010, a seleção americana sai da competição bem mais fortalecida do que quando entrou.

Publicidade


Na verdade, bem mais prestigiada do que estava até a segunda rodada da primeira fase, quando perdeu de 3x1 da Itália e 3x0 do Brasil. A sorte dos americanos começou a mudar quando bateram o Egito por 3x0 e conquistaram uma improvável classificação para a fase seguinte. Mas a épica vitória contra os favoritíssimos espanhóis selou a nova fase e imagem da equipe.


A manchete do jornal The New York Times foi "vitória americana foi milagre na grama". O repórter George Vecsey escreveu que o time de Bradley "por 90 minutos foi melhor do que os espanhóis, bravos, inteligentes e também sortudos. E eles sempre terão este resultado, como os americanos que derrotaram os ingleses na Copa de 1950."

Em vários cruzamentos de Johanesburgo, é possível ver bandeiras americanas sendo vendidas lado a lado com as brasileiras. Vendedores ouvidos pela reportagem dizem que existe um equilíbrio no número de bandeiras vendidas de cada lado. Brasil e EUA fazem a final da Copa das Confederações neste domingo às 15h30 de Brasília.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade