Pesquisar

Canais

Serviços

- Comitê Olímpico Brasileiro
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Representou

Brasileira Rebeca Andrade termina solo das Olimpíadas em quinto lugar

Demétrio Vecchioli/Folhapress
02 ago 2021 às 10:11
Continua depois da publicidade

Grande nome do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, Rebeca Andrade escreveu seu capítulo final na competição. Depois de ganhar a prata no individual geral e o ouro no salto, a ginasta natural de Guarulhos (SP) e atleta do Flamengo competiu no solo e não teve o mesmo desempenho dos dias anteriores, desperdiçando a oportunidade de levar sua terceira medalha nos Jogos e ficando em quinto lugar. Jade Carey, dos Estados Unidos, ficou com ouro, Vanessa Ferrari, da Itália, com a prata, e Mai Murakami, do Japão, e Angelina Melnikova, do Comitê Olímpico Russo, dividiram o bronze.

Continua depois da publicidade


Sem Simone Biles, que só participou até agora do início da final por equipes e saiu tanto da final do individual geral quanto das três primeiras finais por aparelhos -ela ainda é dúvida na trave-, o solo perdeu sua principal estrela, candidatíssima ao ouro. E a disputa ficou aberta.

Continua depois da publicidade


Em uma competição de alto nível, onde a grande maioria das atletas acertaram seus movimentos, Rebeca novamente agitou o público presente com seu "Baile de Favela", mas acabou pisando fora da demarcação após o primeiro salto, o que comprometeu sua pontuação final, somando 14.033 na nota dos jurados. Carey obteve 14.366, Ferrari, 14.200, enquanto Murakami e Melnikova tiveram 14.166.


Jessica Gadirova, da Grã-Bretanha, foi sexta com 14.000. Sua irmã britânica, Jennifer Gadirova, ficou na sétima colocação com 13.233, e a russa Victoriia Listunova, que sofreu uma queda, foi a oitava com 12.400.

Continua depois da publicidade

A italiana Vanessa Ferrari, que ficou com a prata, atingiu marca histórica com a conquista. Ferrari é a atleta mais experiente a conquistar uma medalha em Tóquio e a segunda dos últimos 50 anos da ginástica artística das Olimpíadas a ser medalhista na casa dos 30 anos de idade.


Continue lendo