Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução/Facebook
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Fórmula 1

F-1 ignora violações de direitos humanos por seu 1º GP na Arábia Saudita

Luciano Trindade - Folhapress
02 dez 2021 às 00:02
Continua depois da publicidade

No próximo domingo (5), a F-1 terá pela primeira vez uma etapa disputada na Arábia Saudita. Será a estreia da parceria firmada pelos próximos dez anos com o governo local, que fez a categoria passar a ser alvo de uma onda de críticas por se associar a um país acusado de violar constantemente os direitos humanos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

A decisão de realizar uma corrida na nação do Oriente Médio não foi bem aceita dentro e fora do paddock da modalidade. A Anistia Internacional foi uma das primeiras a se manifestar. Alertou que a promoção do evento poderia desviar a atenção de acusações das quais o governo liderado pelo monarca Salman bin Abdulaziz Al Saud, 85, é alvo.


O príncipe Mohammed bin Salman é acusado de mandar matar o jornalista opositor Jamal Khashoggi, em 2018, dentro da embaixada saudita em Istambul.


Já a ONG Human Rights Watch defende que a realização do GP deveria estar condicionada à libertação de mulheres que desafiaram a proibição de dirigir no país. "A F1 é mais um evento esportivo de uma série crescente na Arábia Saudita que aparentemente tem como objetivo encobrir os sérios abusos contra os direitos humanos que são praticados no país", escreveu a entidade.

Continua depois da publicidade


Pilotos como o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, e o alemão Sebastian Vettel, da Aston Martin, manifestaram-se contra corridas em países que não respeitam os direitos humanos.


Nada disso, porém, foi suficiente para demover a Liberty Media, grupo americano que controla a categoria, de sua ideia de realizar a prova. O plano já estava sacramentado desde março de 2020, ocasião em que os americanos fecharam um contrato de dez anos com a Saudi Aramco, gigante estatal saudita de petróleo e gás natural.


Foi o primeiro acordo de patrocínio global assinado pela Liberty desde 2017, ano em que o grupo comprou o campeonato então sob as rédeas do inglês Bernie Ecclestone. Segundo o site SportBusiness.com, a F-1 vai receber da Saudi cerca de US$ 40 milhões (R$ 224 milhões) por temporada.


Para concluir o projeto de usar a categoria para a promoção internacional da Arábia Saudita foi necessário também a construção de um autódromo. O local escolhido foi a cidade de Jeddah, que fica às margens do Mar Vermelho. As obras foram concluídas apenas na segunda quinzena do mês passado.


A pista de rua poderá ser o local que consagrará o holandês Max Verstappen, da Red Bull, como mais novo campeão mundial, dependendo de uma combinação de resultados envolvendo o único oponente que ainda pode tirar o título dele: Lewis Hamilton, da Mercedes -a corrida será às 14h30 (de Brasília).


Levado a correr na Arábia Saudita, o heptacampeão anunciou que vai usar novamente um capacete com as cores da bandeira LGBTQIA+, a exemplo do que fez na última etapa, no GP do Qatar.


Ele afirmou, ainda, que a presença do Mundial em solo saudita tem de ser uma oportunidade para colocar luz nos problemas do país. "Conforme as competições esportivas vão para esses locais, elas têm o dever de colocar em foco esses problemas. Esses lugares precisam de escrutínio. Os direitos iguais são uma questão séria", disse.


Até 2018, a Arábia Saudita não permitia que mulheres pudessem dirigir. A liberação ocorreu depois de 30 anos de reivindicação à monarquia saudita. Antes, se uma mulher desafiasse a proibição, ela poderia ser condenada a anos de prisão, receber multas e chibatadas. O argumento para a linha dura era que, no volante, elas estariam mais expostas a assédio sexual e ao pecado.


Nesse cenário, era difícil uma jovem ter o sonho de ser piloto. Mas esse era o desejo de Reema Juffali, 29, que em 2018 se tornou a primeira mulher saudita a competir profissionalmente no automobilismo. Ela tirou a licença assim que a proibição caiu.


Em três anos, Juffali já marcou presença em categorias como MRF Challenge 2000, F-4 e F-3 britânicas. Na terceira categoria na escala que pode levar um piloto à F-1, a saudita terminou o último campeonato na 18ª colocação, tendo um quarto lugar como seu melhor resultado do ano.


Por seu pioneirismo, a principal categoria do automobilismo mundial a convidou para ser embaixadora do GP da Arábia Saudita. "Estou ansiosa para participar do fim de semana da corrida e espero que a minha história possa servir de inspiração para quem está pensando em seguir o seu sonho", afirmou Juffali.


O caminho para as mulheres sauditas poderem trilhar seus sonhos livremente ainda é longo num país em que as leis são tão restritivas. Basta lembrar que, meses antes da realização da prova, o Ministério do Esporte divulgou um "código de condutas e vestimentas" para os envolvidos na realização da corrida.


No documento, no qual havia mais orientações destinadas às mulheres do que aos homens, o governo local vetava, por exemplo, o uso de saias, shorts ou peças que terminem acima do joelho, vestidos com alças à mostra ou abertura nas costas, roupas com transparência e apertadas.


Após repercussão negativa nas equipes de F1, além de críticas da imprensa internacional, o código foi revogado. No entanto, as mulheres locais ainda precisam seguir as mesmas regras, assim como muitas outras determinações que violam as liberdades individuais na Arábia Saudita.

Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo