29/01/20
32º/19ºLONDRINA
Polêmica

Simone Biles e Venus rebatem acusação de doping após vazamento de dados da Wada

A ginasta norte-americana Simone Biles usou sua conta oficial no Twitter para rebater a acusação de que teria competido dopada durante a Olimpíada do Rio. Na terça-feira, hackers russos invadiram um banco de dados da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) e publicaram dados médicos confidenciais da atleta. Os registros revelaram o consumo de substâncias que são proibidas pela Wada, mas liberadas desde que haja necessidade médica. A lista incluiu, além de Biles, as tenistas norte-americanas Serena e Venus Williams.

Em seu Twitter, a ginasta afirmou que usou as medicações para tratar do déficit de atenção e hiperatividade. "Eu tenho DDA (déficit de atenção e hiperatividade) e tomo medicamentos para isso desde criança. Por favor saibam, eu acredito no esporte limpo, sempre segui as regras e vou continuar, pois fair-play é decisivo para o esporte e muito importante para mim".


A USA Gymnastics, organização responsável pela ginástica norte-americana, também saiu em defesa de Biles nas redes sociais e argumentou que ela obteve a documentação necessária para o uso dos medicamentos. "Simone arquivou a documentação requerida pela agência antidoping dos EUA e Wada e não há violação. A Federação Internacional de Ginástica, o Comitê Olímpico dos EUA e a USADA (agência antidoping dos EUA) confirmam isso. Simone e todo mundo na USA Gymnastics acreditam na importância de condições iguais para todos os atletas", afirmou Steve Penny, presidente da entidade.

Quem também se posicionou sobre o vazamento dos dados da Wada foi a tenista Venus Willians. Por meio de comunicado divulgado pela WTA, a associação que comanda o tênis profissional feminino, a norte-americana se disse "desapontada" com as acusações de que teria disputado os Jogos Olímpicos do Rio, em agosto, dopada.

"Fiquei decepcionada ao saber que meus dados médicos e privados foram comprometidos por hackers e publicados sem minha permissão. Eu segui as regras estabelecidas pelo Programa Antidoping de Tênis ao pedir e receber 'exceções terapêuticas'. Os pedidos das exceções do Programa Antidoping de Tênis requerem um processo rigoroso de aprovação ao qual eu aderi quando sérias condições médicas ocorreram", explicou a tenista.

"As exceções publicadas no relatório hackeado foram analisadas por um grupo independente e anônimo de médicos, aprovadas por motivos médicos legítimos. Eu sou uma das maiores apoiadoras na manutenção do alto nível de integridade nos esportes competitivos e tenho sido altamente disciplinada ao seguir as regras estabelecidas pela Associação Mundial Antidoping (Wada), a agência antidoping dos EUA (Usada), a Federação Internacional de Tênis (ITF) e o Programa Antidoping do Tênis".
Agência Estado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Paranaense

LEC joga fora de casa contra o Toledo nesta quarta

Mercado da bola

Grêmio anuncia contratação do atacante Diego Souza

Futebol Americano

Londrina Titans faz seletiva para novos atletas

Ele fica!

Gabigol anuncia permanência no Flamengo

Veja mais e a capa do canal