Pesquisar

Canais

Serviços

Aatleta brasileira, Ana Marcela Cunha, durante a prova - Alaor Filho/Divulgação/COB
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Maratona aquática

Ana Marcela faz melhor tempo do Brasil mas termina em 5º

COB
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

A nadadora Ana Marcela Cunha, de apenas 16 anos, igualou nesta quarta-feira, 20 de agosto, o melhor resultado da natação feminina do Brasil em Jogos Olímpicos. Com o quinto lugar na maratona aquática de Pequim 2008, no Parque Olímpico de Shunyi, nos arredores de Pequim, ela repetiu a colocação obtida por Joana Maranhão nos 400m medley de Atenas-2004 e por Piedade Coutinho nos 400m livre de Berlim-1936.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

"Estou muito feliz. Tenho apenas 16 anos e já consegui um quinto lugar na minha primeira participação olímpica e na estréia da modalidade em Jogos Olímpicos", afirmou a baiana Ana Marcela, que terminou a prova com o tempo de 1h59m36s.

Continua depois da publicidade


A outra brasileira na disputa, Poliana Okimoto, chegou na sétima posição, um segundo atrás da compatriota. Apenas dois países tiveram duas competidoras na maratona aquática feminina: Brasil e Grã-Bretanha. A russa Larisa Ilchenko (1h59m27s) levou a medalha de ouro, enquanto as britânicas completaram o pódio: Keri-anne Payne, com 1h59m29s e Cassandra Patten, com 1h59m31s.


Desde o início, as duas brasileiras procuraram ficar no pelotão da frente, liderado pelas britânicas e pela russa, com Poliana Okimoto à frente da companheira a maior parte do tempo. Na reta final, Ana Marcela chegou a ocupar a terceira colocação, mas, quando tentou ultrapassar as atletas da Grã-bretanha, que lideravam graças a um trabalho de equipe, acabou tomando uma pernada e perdeu força, caindo para a quarta posição, pouco à frente de Poliana, que vinha em quinto.

Continua depois da publicidade

A estratégia das brasileiras foi então sair do vácuo e tentar a ultrapassagem pelo lado direito das adversárias, o que acabou prejudicando as duas. "Elas decidiram desviar das britânicas e acabaram perdendo força. Se elas tivessem adotado a mesma tática da russa, que ficou no vácuo e só deu o sprint nos 400m finais, pelo menos uma delas teria ganho uma medalha", lamentou o técnico de Ana Marcela, Marcio Latuf.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade