Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

ATRÁS DE EXPLOSIVO - ‘Pente fino’ dura 9 horas em Ibiporã

Paulo Monteiro
NOSSODIA
17 mar 2016 às 09:01
Continua depois da publicidade

Pelo menos nove horas. Esse foi o tempo usado pela "força tarefa", que envolveu equipes de segurança da região, durante a operação "pente fino" realizada na superlotada cadeia de Ibiporã, na quarta-feira. O objetivo da ação era localizar um explosivo, porém, foram apreendidos diversos celulares, drogas, armas e outros objetos proibidos. Cada um dos 142 detentos foram revistados, mas a dinamite não foi encontrada.
De acordo com o delegado de Ibiporã, Roberto Fernandes de Lima, foram acionados policiais militares e civis, além de agentes de cadeia e penitenciários, de Londrina e Ibiporã, durante o trabalho no interior da carceragem. "O Esquadrão Antibombas realizou buscas nas celas e encontrou 61 celulares, carregadores, oito serras, quatro brocas, oito estoques (armas de metal improvisadas), e 340 gramas de maconha. Tudo em dois esconderijos, que os presos chamam de cofres", detalhou o delegado.
Lima explicou que a "força tarefa" foi organizada após um artefato explosivo ser encontrado na cadeia, no último fim de semana. O objetivo dos presos seria explodir o teto da cadeia e escapar em seguida. "Um artefato explosivo foi apreendido no sábado, mas as informações são de que eram dois. Um pode ter saído da cadeia pelo lixo. Esses explosivos podem ter sido arremessados por cima, de fora para dentro da cadeia", avalia Lima.

‘Bomba relógio’
No entanto, apesar do trabalho na última quarta, a tensão na cadeia de Ibiporã deve continuar, pois o espaço está superlotado. Uma "bomba relógio". "Hoje nossa cadeia abriga 142 presos. Desses, 131 homens e 11 mulheres. Além disso, 65 já foram condenados pela justiça e deveriam estar pagando suas penas em presídios. Não aqui", enfatiza o delegado. A cadeia de Ibiporã tem capacidade para 36 presos.
"Trabalhamos junto à administração penitenciária e o departamento de execução penal para encaminhar pelo menos 20 presos já condenados, da nossa cadeia para espaços penitenciários da região, nos próximos dias. No entanto, ainda não conseguimos confirmar as transferências", conclui Roberto Fernandes de Lima. (P.M.)


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade