15/12/19
34º/21ºLONDRINA
PUBLICIDADE

Nossa crônica

O mar

Era noite.
A água estava tranquila.
Eu, revolto oceano, perdida naquela mansidão.

Fechei os olhos.

Deixei o som sereno levar meu pensamento para longe.
De mãos vazias, nada podia oferecer.
Ainda assim, pedi.
Desejos tantos que fossem levados para sempre.
Dores insistentes que ao por-do-sol saíssem do meu peito.
O tiritar do coração que fosse por novidades.
O sal do rosto que fosse de alegria.
Decidi caminhar na areia.
Antes, ainda que só, tua presença era tão certa para mim.
Em outro inverno, sentia teu calor e me via em teus olhos como poesia renovada a cada amanhecer.
Na primavera passada, fui tua flor, com perfume de jasmim.
No verão, esteve a acentuar o calor de meu corpo com tuas ousadias.
E hoje, pálida flor, à beira-mar, orquídea sem dono, rosa com espinhos, componho esta prece sem ladainha.
Somente um sussurro, débil, que se oculta ao som doce do vento, é meu cúmplice.
Levanto os olhos para o infinito.
A vida é tão grande; os dias são tantos; as horas, lentas; o sorriso, tão breve.
Agora, passos firmes.
Despeço-me do mar.
A areia instável será cambiada por outro solo.
Se do Sol me privo é porque musa não sou dele, tampouco poesia a rondar-lhe a pena.
Despeço-me em silêncio.
Coadjuvante ao sair de cena.
Caminho lenta, destino incerto, lugares outros, vontade nenhuma...
Por Cláudia Bergamini
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo

Síndico profissional

Sonhos

Pilhas

Humor

Inep vai divulgar notas do Enem

Santo do dia

Santo Antão

Veja mais e a capa do canal
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE