05/08/20
25º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE

PESADELO - O dia em que a Série A escapou pelos dedos

Há 20 anos, o Londrina sofria uma das derrotas mais importantes de seu história



Nos últimos três anos, o Londrina ficou perto do acesso para a Série A. Se a torcida lamenta que o Tubarão tenha batido na trave em 2016, 2017 e 2018, a lamentação é muito maior quando volta à memória um jogo que aconteceu há 20 anos e que até hoje nutre muitas dúvidas e desconfianças no imaginário do torcedor alviceleste.

No dia 20 de dezembro de 1998, o Londrina perdia para o Gama por 3 a 0 em um estádio Mané Garrincha lotado e desperdiçava a oportunidade mais clara de retornar a elite do futebol nacional desde que jogou a Série A pela última vez em 1982.

A Série B naquele ano tinha um formato diferente da atual. A competição era decidida em um quadrangular final com os dois primeiros subindo para a elite. Em 1998, Gama, Londrina, Botafogo de Ribeirão Preto e Desportiva (ES) chegaram a última rodada com chances de acesso. Em quarto lugar, com cinco pontos, o LEC precisava de uma simples vitória sobre o time brasiliense, que era o líder, com sete, para subir. Botafogo e Desportiva somavam seis pontos.
Em campo, o LEC foi facilmente dominado pelo Gama, que contou com o apoio de 44 mil torcedores – até então o maior público de uma equipe do Distrito Federal – que comemorou o título e a vaga na Série A.
"Naquele dia deu tudo certo para eles e para nós não funcionou. Tomamos um gol logo no começo e tivemos que sair. Nos contra golpes tomamos os outros gols. Infelizmente não teve jeito", lembra o técnico Varlei de Carvalho.
O Gama fez 1 a 0 logo aos sete minutos, gol de cabeça do atacante Renato Martins. Chegou ao segundo através do veloz William, aos 29, e fechou o placar no segundo tempo com gol de Nei Bala, em falha do goleiro Renato.
O Londrina foi para Brasília com alguns desfalques importantes naquele jogo – o lateral-esquerdo Arnaldo, por exemplo, estava machucado, outro que não jogou foi o experiente volante China – e Varlei de Carvalho improvisou escalando três zagueiros e o zagueiro Carlos Alberto na lateral. "Estávamos sem quatro titulares e alguns que entraram não corresponderam. Pela campanha que fizemos tínhamos tudo para subir", afirmou o ex-treinador, que mora em Bauru (SP), e que trabalhou pela última vez em 2016 no Comercial de Ribeirão Preto.
Coordenador de futebol naquele Brasileiro, Célio Guergoletto relatou que o time foi montado em um único dia, através de telefonemas. "Eram todos jogadores que estavam na Série A2 do Paulista. A nossa folha de pagamento era de R$ 80 mil. Era um time de alguns jogadores rebeldes, mas que em campo resolvia", apontou.
Entre os destaques daquele time, estavam o goleiro Renato, o zagueiro Ivanildo, o lateral Marquinhos Capixaba e os atacantes Mauro, artilheiro da equipe, com 11 gols, e Alaor.
"Por ser um jogador formado no clube, foi muito mais dolorido para mim. Chorei muito no vestiário após aquela derrota", relembra o centroavante Alaor, autor de quatro gols naquele Nacional.
Atualmente morando em Jaraguá do Sul (SC), o atacante contou que logo depois de sofrer o primeiro gol, ele teve a chance do empate ao cabecear uma bola na trave. "Podia até ter mudado o rumo do jogo. Mas depois que tomamos o gol logo no início, nos perdemos. E não seria exagero dizer que eles poderiam de ganho de quatro ou cinco". Lucio Flávio Cruz/Grupo Folha)
PUBLICIDADE
Continue lendo
Notícias
Síndico profissional
17 JAN 2019 às 00h00
Notícias
Sonhos
17 JAN 2019 às 00h00
Notícias
Humor
17 JAN 2019 às 00h00
Notícias
Inep vai divulgar notas do Enem
17 JAN 2019 às 00h00
Notícias
Santo do dia
17 JAN 2019 às 00h00
Notícias
SAÚDE DIVULGA NÚMEROS DA DENGUE EM LONDRINA
17 JAN 2019 às 00h00
Veja mais e a capa do canal
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados