11/12/19
º/º
PUBLICIDADE

PROTEÇÃO - Tempo de redobrar o cuidado com o corpo

No verão, os cuidados com a alimentação e a exposição ao sol devem ser ainda maiores para evitar as toxinfecções alimentares e doenças como o câncer

Saulo Ohara
Saulo Ohara

"Sou muito branca, tenho muitas sardas e na fase adulta passei a me preocupar com os efeitos, principalmente em relação ao câncer de pele", explica a arquiteta Kim Gisele de Souza Tosini Costa, que usa protetor solar diariamente


Besuntar o corpo com refrigerante à base de cola, manteiga e até chá de folha de figo. Anos atrás, métodos caseiros como esses eram promessas para um bronzeado acelerado e muita gente chegou a testá-los, sem considerar os danos à pele. Mas naqueles tempos, os hábitos eram bem diferentes, assim como os trabalhos de prevenção em saúde. A boa notícia é que isso mudou. O dermatologista em Londrina, Airton dos Santos Gon, afirma que as pessoas estão cada vez mais conscientes e têm procurado se cuidar melhor. "A gente não vê tantos abusos como anos atrás", afirma.

Tal mudança de comportamento se deve muito às campanhas para prevenção de doenças, como o câncer de pele, que há duas décadas tem sido o foco da Sociedade Brasileira de Dermatologia. "O principal fator ambiental relacionado ao câncer de pele é a exposição solar. Tanto a pessoa que toma um pouquinho de sol ou mesmo o mormaço no dia a dia quanto aquela que se expõe esporadicamente têm o risco aumentado para a doença", ressalta o médico. O câncer de pele é o tipo mais comum diagnosticado atualmente. Ele responde por 33% de todos os diagnósticos de câncer no País e por 180 mil novos casos a cada ano, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer). "As pessoas devem ficar atentas a uma ferida que não cicatriza ou uma pinta com comportamento diferente, isto é, que muda de cor, formato e tamanho repentinamente", alerta o especialista. Além da exposição solar, a doença também tem relação genética. Pessoas com a pele e os olhos claros ou com histórico familiar da doença são mais propensas. Sabendo dos riscos, a arquiteta que mora em Londrina, Kim Gisele de Souza Tosini Costa, 50, passou a dedicar um tempo diariamente para proteger a pele. "Sou muito branca, tenho muitas sardas e na fase adulta passei a me preocupar com os efeitos, principalmente em relação ao câncer de pele. Me previno consultando um dermatologista regularmente e usando protetor solar todos os dias", comenta.
Ela lembra que na infância sofria muito por brincar ao sol. "Tinha várias queimaduras, com formação de bolhas na pele e insolação". Hoje em dia, a arquiteta não vai à praia ou à piscina sem chapéu e evita ao máximo se expor diretamente ao sol. "Procuro ficar debaixo do guarda-sol", afirma.
Para garantir a proteção do filtro solar, Costa aplica o produto pela manhã e o reaplica na hora do almoço. "É importante lembrar que radiação ultravioleta atravessa nuvem. Então, é preciso se proteger mesmo em dias nublados", acrescenta Gon, lembrando que o protetor solar é a terceira medida de proteção indicada pelos dermatologistas. "A primeira é evitar o sol sem necessidade, principalmente nos horários em que é mais prejudicial à pele. Em segundo lugar é a proteção com roupa. O filtro só entra para proteger os locais onde a roupa não cobre".

VITAMINA D
Vale citar que os raios ultravioletas são os principais produtores de vitamina D, que traz benefícios à saúde óssea. Para absorção dessa vitamina, especialmente entre idosos, o recomendado hoje são 30 minutos de exposição ao sol com roupa, três vezes na semana.
O dermatologista explica que o UV-B (raio ultravioleta do tipo B) que faz a síntese de vitamina D tem maior incidência entre 10h e 16h. "Porém, se você tomar o sol mais saudável, isto é, aquele que tem UV-A, que é antes das 10h e após às 16h, também vai ajudar na produção da vitamina só que em menor intensidade", conclui.

Bons hábitos alimentares são essenciais
Não é só a pele que precisa de cuidados redobrados no verão. Os hábitos alimentares são essenciais para garantir que o organismo tenha uma boa defesa. "É uma época que vemos um aumento das toxinfecções alimentares", lembra a nutricionista em Londrina, Sandra Fernandes. Ela explica que a conservação dos alimentos pode ficar comprometida com a alta temperatura ambiente, principalmente nas praias. "As crianças, por exemplo, costumam apresentar quadros de diarreia e isso é fruto de baixa hidratação e sistema imunológico debilitado", comenta. Para evitar esse quadro, a dica da nutricionista é evitar o consumo de alimentos que não se conhece a procedência na areia da praia e caprichar nos hábitos que garantem um equilíbrio intestinal, pois 80% do sistema imunológico dependem do bom funcionamento do intestino. Segundo Fernandes, o importante é garantir uma adequada ingestão de líquidos e de fibras solúveis. "A forma ideal de saber a quantidade de água necessária para cada organismo é multiplicando 35 ml por quilo de peso. O resultado é o quanto deve-se tomar por dia", explica. Já as fibras solúveis estão presentes na batata doce, batata yacon, frutas de maneira geral com destaque para a maçã, brócolis, couve-flor, couve manteiga, couve kale e couve de bruxelas. "Se a gente conseguir ter no prato do dia a dia, vegetais de coloração verde escuro e roxo intenso, vamos melhorar muito nossa oferta de nutrientes", comenta.
Para ajudar no bronzeado, ela indica o consumo de alimentos nas cores amarelo e laranja, fontes de betacaroteno. "Para melhor absorção, os legumes devem ser cozidos e amassados. A melhor dica é fazer purê, mas sem adição de leite. O que pode ser feito para ganhar textura é adicionar a biomassa de banana verde, que é uma fonte de amido resistente e tem fibras prebióticas", diz. (M.O.)
Micaela Orikasa
Grupo Folha
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo

Síndico profissional

Sonhos

Pilhas

Humor

Inep vai divulgar notas do Enem

Santo do dia

Santo Antão

Veja mais e a capa do canal
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE