09/12/19
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Mudança virou lenda

Secretaria de Educação deve seguir no aluguel em 2019

Marcos Zanutto
Marcos Zanutto - Custo da reforma do prédio do antigo prédio do Mercado Quebec passa dos R$ 3 milhões
Custo da reforma do prédio do antigo prédio do Mercado Quebec passa dos R$ 3 milhões

A Secretaria de Educação deve continuar pagando aluguel neste ano que se inicia. Isso porque a licitação da reforma do antigo Mercado Quebec deve ser retomada no próximo dia 10 de janeiro. A expectativa da Prefeitura é de que o local seja a nova casa da Secretaria. No dia 6 de novembro de 2018, a concorrência foi suspensa porque uma das empresas participantes questionou o valor total da obra dizendo que o valor não seria suficiente para a compra de certos materiais, o que fez com que o setor de engenharia da Cohab, dona do prédio, pedir à Secretaria de Obras corrigir a planilha de orçamento e interromper o edital. Os valores passaram de R$ 2.918.429,31 para R$ 3.002.640,80, uma diferença de pouco mais de R$ 84 mil. "Foi feita uma pequena adequação na planilha orçamentária e o edital será relançado na primeira semana de 2019", disse o secretário de Gestão Pública, Fábio Cavazotti.

A novela envolvendo o novo prédio da Secretaria já se arrasta desde 2017. Em janeiro daquele ano, a Educação se instalou em um prédio na Gleba Palhano, pagando aluguel de R$ 29 mil. Em maio, veio o anúncio de que a Cohab iria ceder o espaço em que funcionava o Mercado Quebec, localizado na rua Virgínia, por um período de 30 anos. O último estabelecimento a dar adeus ao prédio foi um bar e restaurante no mês de julho. A partir daí, as conversas sobre a reforma vieram à tona até que o edital foi aberto no início do mês de outubro. O NOSSODIA foi até o local e viu o perigo de que a área corria de virar mais um dos inúmeros mocós de Londrina.


Fechando as contas em dezembro de 2018, a Secretaria de Educação já passou 24 meses no prédio alugado, o que dá um valor de R$ 696 mil (R$ 348 mil por ano). Levando em conta que a licitação fica aberta por 30 dias, e somando os prazos de recursos, são mais 30 dias. Somando com o prazo de execução da obra, que é de oito meses a partir do recebimento da Ordem de Serviço, em um piscar de olhos, lá se vai o ano de 2019. "O primeiro contrato foi assinado em 2016 e renovado em agosto de 2018 para mais um ano", disse a secretária de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes.

Perguntada sobre passar mais um ano como inquilina e de como isso poderia afetar os cofres da Educação, Maria Tereza se apoiou no discurso "a longo prazo" já feito anteriormente. "Como a intenção é de ficar por 30 anos, vai acabar compensando uma coisa pela outra. Esse valor a gente já conseguiria reverter com seis ou sete anos na nova sede", justificou a secretária.

Sobre o impacto financeiro, o secretário municipal da Fazenda, João Carlos Barbosa Perez, se resumiu a dizer que o assunto seria melhor abordado pela Secretaria de Educação e "cabe à ela (Educação) executar o orçamento repassado". Os quase R$ 30 mil de aluguel, estima Maria Tereza, seriam guardados para manutenções. "Podemos destinar à qualquer setor, mas o plano é de deixar para ações preventivas". A hipótese do prédio não ser mais o lar da Educação foi descartada. "Lá será sim a sede da Secretaria", finalizou Maria Tereza de Moraes.
Edson Neves
NOSSODIA
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo

Síndico profissional

Sonhos

Pilhas

Humor

Inep vai divulgar notas do Enem

Santo do dia

Santo Antão

Veja mais e a capa do canal
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE