12/04/21
PUBLICIDADE
Couve-flor gratinada

"Apetitando"



Não era fácil.

Em tempos de boiadas pesadas, a carne era abundante e a conta era de muitos bifes por cabeça.

Nos sítios e chácaras colonizados por japoneses as hortas eram enormes e variadas. Longe de serem "hortas de couve" ou de quiabos, os longos canteiros bem aprumados e adubados exibiam variedades às quais não estávamos muito acostumados.
Numa passeada pelos vãos de cascalho batido, entre hastes de bambu, coberturas de folhas, e montes de estercos podíamos nos deparar com enormes cabeças de repolho, couve-flor, acelga, brócolis, nabos, cenouras, etc.
Na Avenida Higienópolis, abaixo da Alagoas, a feira descia até a Igrejinha.
Barracas eram montadas e tudo o que era produzido no rico solo vermelho por ali era ofertado.
Tudo isto bem na porta da minha casa.
A cesta de palha trançada vinha cheia de legumes e verduras, isso fazia meu pai suar um pouco logo cedo no domingo: refeições coloridas pra toda a semana.
A molecada era muito carnívora.
O grande trabalho das nossas matriarcas era nos convencer a comer aquelas folhas, flores e frutos.
Do Divino "DOM" da culinária vinha uma sabedoria que fazia minha avó dizer: "cozinhar é ponto filhinho".
E no "timing" correto ia "Apetitando" tudo, transformando e saborizando, com texturas exatas e aparências provocantes.
E ali na mesa eu exclamava : "Que delícia, couve-flor gratinada".

Clique aqui e confira a receita!


Chef Taico
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Arroz doce

Deduzindo

04 OUT 2018 às 22h30
Dobradinha

Dia certo

27 SET 2018 às 22h30
Panqueca

Preferência mundial

20 SET 2018 às 22h30
Costelinha de porco

Bem assadinha

13 SET 2018 às 22h29
Cuscuz paulista

Paulistas

06 SET 2018 às 09h55
Bolo de fubá cremoso

Mimoso

30 AGO 2018 às 22h30
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados