14/05/21
PUBLICIDADE
Fofinho ou obeso?

Entenda os riscos do excesso de peso em felinos

Pixabay
Pixabay


Sucesso nas redes sociais, gatos gordinhos preocupam veterinários na vida real. A obesidade em felinos pode causar doenças como diabetes, problemas digestivos, urinários e até dermatológicos, devido à dificuldade que o gatinho muito gordo tem para fazer a própria higiene.


Confinados em casas e apartamentos -o que, de fato, é mais seguro para os animais do que ter acesso à rua-, eles são impedidos de pôr em prática o instinto caçador e abater pequenas presas, como pássaros e ratos, além de subir em árvores e telhados.

A falta de atividade física e os potes de ração sempre cheios são fatores que podem levar ao ganho de peso. Mas se você está pensando que a solução é diminuir a quantidade de ração e fazer o gatinho se movimentar, saiba que não é tão fácil assim.

"O gato obeso não pode perder peso muito rápido, porque corre o risco de entrar em lipidose, que é uma hepatopatia grave e precisa de internação. Tem que fazer um cálculo de perda de peso bem gradativo", explica a veterinária especialista em felinos Lia Nasi.

O ideal é levar o bichano ao veterinário, que irá examiná-lo, fazer exames e indicar uma dieta adequada.

Acertar a alimentação também não é uma tarefa simples. "A ração seca tem muito carboidrato, que ele não precisa. O gato é uma espécie estritamente carnívora, é a única que produz o carboidrato a partir da proteína", afirma Lia.

No entanto, a ração tem complexos vitamínicos e minerais que são essenciais para a saúde do felino.

"A alimentação natural é uma opção muito legal, mas é muito difícil balanceá-la para o gato. Porque o felino, por conta desse metabolismo diferente, tem deficiência de algumas enzimas hepáticas, e essa complementação que ele precisa está presente na ração", observa.

Para a alimentação natural suprir as necessidades do gato, ela precisa ser elaborada por um especialista em nutrição felina. "Tem que ter vitaminas e nível proteico adequado. Você pode oferecer uma carne, um frango, um peixe, mas isso não substitui a ração", diz.

A veterinária afirma que o melhor alimento para gatos é a dieta úmida, como sachês e ração em pasta -que é vendida em latinha.

"A alimentação úmida costuma ter cerca de 80% de água e é a que mais se parece com a alimentação do gato na natureza, como se ele caçasse um passarinho. Ela tem um nível de carboidrato bem menor do que o da ração seca e tem mais proteína."

Sobre a quantidade de ração diária, Natália Lopes, veterinária e gerente de comunicação científica da Royal Canin, diz que o ideal é seguir a recomendação do veterinário ou a quantidade diária indicada nas embalagens dos produtos.

"Os gatos costumam fazer cerca de 18 pequenas refeições ao dia", revela Natália. Mas a quantidade pode ser servida conforme a disponibilidade do tutor.

Por exemplo, se o recomendado para o seu bichano for ingerir 60 gramas diariamente, é possível servir porções de 20 gramas três vezes ao dia.

Além de cuidar da alimentação, outra estratégia importante para fazer o gato emagrecer é aumentar a atividade física dele.

Brincar ao menos dez minutos diariamente, mesmo que esse tempo seja dividido ao longo do dia, já é um primeiro passo, diz Natália.

O enriquecimento ambiental, com arranhadores e prateleiras, para que o felino possa subir e se exercitar também é importante.

Também há no mercado comedouros especiais que dificultam o acesso do gato à ração, de modo que ele tenha que brincar com a comida ou "caçá-la" com as patinhas para que consiga comer. Essa é uma estratégica que serve tanto para aumentar a atividade física como evitar a gula por compulsão.

Para saber se o seu gatinho está acima do peso, mais uma vez, o ideal é levá-lo a uma consulta veterinária. Na clínica, o profissional irá pesá-los e fazer os exames necessários.

Mas é possível ter uma ideia apenas observando e apalpando o corpinho dele. "Se, ao observar o gato de cima, ele não tiver cintura aparente, já é um sinal de sobrepeso. Se, ao apalpá-lo, não conseguir sentir as costelas, ele está obeso", diz Natália.

No entanto, é preciso levar em conta o biotipo do animal e a raça do animal. "Estar um pouco gordinho não significa que ele não esteja saudável. É preciso avaliar para saber", ressalta Lia.
Sílvia Haidar - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
168 cães operando

Apreensão de drogas com uso de cães da PM aumenta em quase 1.000% no Paraná

13 MAI 2021 às 14h30
Descubra

Mito ou verdade: Gatos podem tomar leite?

13 MAI 2021 às 13h00
Cuidados

3 dicas essenciais para cuidar da pele e pelagem de cães e gatos

12 MAI 2021 às 10h22
Ameaçado de extinção

Registro raro de tubarão-martelo deve contribuir para a criação de políticas públicas de conservação

11 MAI 2021 às 14h30
Veja o vídeo

Funcionário de balsa pula no mar para resgatar cachorro em SP

10 MAI 2021 às 14h50
Hora do passeio

Ferroviário aposentado constrói trenzinho para cães

07 MAI 2021 às 16h12
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados