24/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Crescimento

Mercado pet movimenta R$ 34,4 bi por ano

Shutterstock
Shutterstock

O varejo pet nacional movimentou R$ 34,4 bilhões em 2018, crescimento de 4,6% frente a 2017, quando o faturamento final foi de R$ 32,9 bilhões. Os dados são do IPB (Instituto Pet Brasil). De acordo com o IPB, o setor representa 0,36% do PIB, fatia grande o suficiente para superar os segmentos de utilidades domésticas e de automação industrial. Com os resultados mais recentes, o Brasil também passa a figurar como segundo principal mercado pet do mundo, com participação de 5,2%, enquanto Reino Unido e a Alemanha o acompanham de perto, com participação de 4,9% cada. Em primeiro lugar estão os Estados Unidos, com 40% do faturamento de varejo do setor.

Embora a maior fatia do mercado fique entre as gigantes do setor, o segmento possibilita oportunidades para pequenos e médios pet shops. De acordo com Reginaldo Stocco, CEO da starup VHSYS, especializada em gestão empresarial para PMEs, boa parte das vendas é feita por pequenos negócios, especialmente em regiões em que as grandes lojas ainda não chegaram. Entretanto, para não serem engolidas por megastores, os pequenos empresários precisam focar em gestão eficiente e atendimento personalizado.


"Os donos de pet shops menores precisam aprimorar a administração e a parte burocrática. Na maioria das vezes a gestão é feita de maneira manual, sem muito controle de faturamento, giro de estoque e controle de compras. Isso é um erro que pode ser fatal, especialmente quando a competitividade aumenta. Uma boa gestão deixa o empresário preparado para pensar em estratégias", aconselha.

Stocco ressalta que utilizar sistemas de ponto de venda adequados é o pulo do gato. "Um grande diferencial para um pet shop, seja físico ou online, é um sistema de PDV eficiente, que tem integração com o estoque e financeiro, pois ele vai otimizar o tempo gasto em rotinas administrativas do negócio. O sistema ainda permite a geração de relatórios precisos sobre as vendas em tempo real. É indispensável manter a organização, principalmente quando o fluxo de compras começa a aumentar", diz.

Outro ponto crucial defendido por Stocco é garantir um atendimento mais personalizado para os clientes. "A vantagem de lojas menores é que você consegue criar um vínculo com os clientes, personalizando as vendas, criando ações internas que garantam a fidelidade. Imagine o pessoal da loja enviando mensagens de texto para os donos dos pets lembrando da ração, vacinas, novas roupas, dicas de bem-estar animal. São pequenas ações que fazem a diferença para fidelização", diz.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fauna
Paraná vai ampliar atendimento a animais vindos de tráfico e maus-tratos
23 SET 2020 às 16h44
Perigo
Com a primavera, cuidado com os pets e as plantas tóxicas
23 SET 2020 às 10h21
Saiba mais
Quer saber o que há de novidade mundo pet? Confira
22 SET 2020 às 09h07
Pets
Cães são maioria em lares brasileiros, mas gatos ganham espaço
18 SET 2020 às 08h31
Filhote de gato-mourisco
GM de Londrina presta apoio no resgate de animal silvestre com risco de extinção
17 SET 2020 às 17h42
Fofura!
Hospital no DF organiza encontro para paciente e cachorro matarem a saudade
17 SET 2020 às 11h44
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados