04/04/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
|
Saúde

Sem cura, diabetes em cães e gatos tem tratamento

Cães e gatos também são suscetíveis ao diabetes, doença sem cura, mas que tem tratamento.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Sede excessiva, aumento da produção de urina, aumento de apetite e perda de peso são sintomas.

É mais comum em cães adultos e idosos, e as causas variam. Entre os principais fatores de risco estão obesidade, doenças hormonais e uso excessivo de corticosteroide, mas há também o fator genético.

O diabetes mellitus nos animais funciona de forma semelhante ao dos humanos: o organismo para ou produz pouca quantidade a insulina e, sem o hormônio, a glicose não entra nas células e se acumula no sangue.

Por isso, assim como acontece com os humanos, o pet precisa tomar insulina - cabe ao veterinário decidir quando e quanto o animal precisará.

"A insulinoterapia, aplicação de insulina, juntamente a um manejo adequado, com engajamento do tutor ao tratamento permite ao animal ter uma boa qualidade de vida" afirma Silvana Badra, médica veterinária e gerente de produtos pet da MSD Saúde Animal.

No Brasil, mais de 13 milhões de pessoas convivem com a doença. E a preocupação se estende aos pets. Para conscientizar pessoas sobre prevenção e cuidados, o Dia Mundial do Combate ao Diabetes é lembrado anualmente no dia 14 de novembro.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico precoce ajuda a oferecer boas condições de saúde ao animal. Para isso, o tutor deve ficar atento aos sintomas e procurar o médico se desconfiar que algo está errado.

Confirmada a doença, o pet deverá ser acompanhado pelo resto da vida. Dieta, exercícios e aplicação de insulina compõem o tratamento.

Pode parecer assustador em um primeiro momento, mas a aplicação é simples pode ser feita pelo tutor, em casa -é importante pedir orientações ao veterinário.

Complicações

Algumas raças, como poodle, beagle e schnauzer têm predisposição à doença, segundo o veterinário Antonio Marquesim, da Norte Dog. Isso não impede, no entanto, que vira-latas sejam afetados.

Um animal com a diabetes controlada pode viver bastante, apesar do risco de complicações. Entre elas estão catarata, cegueira, pancreatite, infecções e problemas renais.

A hipoglicemia é outro problema que merece atenção e intervenção rápida. Geralmente ocorre por aplicação errada de insulina ou alimentação insuficiente. A diminuição da glicemia no organismo pode provocar andar cambaleante, convulsão e até coma.

Segundo o hospital veterinário Pet Care, fêmeas devem ser castradas, já que os hormônios ovarianos podem interferir no controle da glicemia pela insulina.
Lívia Marra - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Muitos mimos
Tutor trata pet como gente e gasta mais com cachorro do que com gato, diz pesquisa
Que amizade!
Bebê acalma cachorro com medo de trovões e viraliza na internet
Retinopatia diabética
Dia Mundial da Diabetes: saiba quais cuidados ter com a visão
Continue lendo
Entenda!
Ministério da Saúde pede cadastro de veterinários para ajudar no combate ao coronavírus
03/04/2020 08:46
Prevenção
No Paraná, 15 mil animais domésticos serão castrados
02/04/2020 10:52
Veja dicas!
Saiba como cuidar de gatos durante o período de isolamento social
02/04/2020 08:31
Um fofo!
Cachorro conforta médicos que atuam na saúde contra o coronavírus
01/04/2020 11:33
Higiene já!
Saiba quais são os cuidados necessários aos pets no isolamento
01/04/2020 08:22
Veja mais e a capa do canal