Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
CRIANÇAS SÃO MAIS AFETADAS

Catapora: descubra quais são os principais sintomas e cuidados com a doença

Redação Bonde com Assessoria
14 fev 2024 às 16:13
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Algumas regiões do Brasil, sofre com a falta de vacina contra a catapora, doença infecciosa causada pelo vírus Varicela-Zoster, que afeta principalmente crianças, mas também pode afetar adultos. Portanto é importante que pais e responsáveis estejam atentos aos principais sintomas da doença e tomem os devidos cuidados para evitar a transmissão.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

A catapora é altamente contagiosa, podendo ser transmitida por contato direto com as lesões da pele, secreções respiratórias ou gotículas de saliva de pessoas infectadas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Seja um doador!

Hemocentro do HU da UEL precisa de doações de sangue tipo O- e O+

Imagem de destaque
Oleosidade

Sabonetes enzimáticos auxiliam no controle de filamentos sebáceos na pele

Imagem de destaque
Análise

Atendimentos por telemedicina no Brasil crescem 172% em 2023 após lei que regulamenta saúde digital

Imagem de destaque
Dia do beijo

De herpes à surdez, saiba quais são os riscos do beijo


Sintomas da doença

Publicidade


Segundo Andrea Dambroski, médica do Departamento de Saúde Escolar dos colégios da rede Positivo, os sintomas da catapora aparecem após o contato com o vírus e começam com manchas vermelhas, evoluindo para vesículas, pústulas e crostas na pele. “Os pais devem ficar atentos aos principais sintomas, que incluem febre, mal-estar, dor de cabeça, perda de apetite e lesões na pele. As feridas são predominantes na face, couro cabeludo e tronco, evoluindo para outras partes do corpo”, alerta a pediatra.


Isolamento é importante para diminuir a propagação da doença

Publicidade


Se a criança apresentar sintomas de catapora, é importante que fique em casa, isolada de outras pessoas, por pelo menos 7 a 10 dias, ou até que as lesões estejam bem secas. “Durante o período de isolamento, alguns cuidados são essenciais, como lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou álcool em gel, manter as unhas da criança curtas para evitar que ela coce as lesões e cause infecção secundária, evitar que o infectado compartilhe objetos pessoais, como toalhas, roupas e brinquedos, e cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas.”


Publicidade

Tratamento


Não existe um medicamento específico para tratar a catapora. O tratamento visa aliviar os sintomas, como febre, coceira e dor. Geralmente, a catapora tem uma evolução benigna, mas é importante estar atento a possíveis complicações, como otite (infecção de ouvido), infecção secundária das lesões de pele, pneumonia e encefalite. A médica faz um alerta: “caso a criança apresente algum sintoma grave, como febre alta persistente, falta de ar, convulsões, alterações neurológicas ou persistência dos sintomas após 10 dias, é importante buscar atendimento médico imediatamente.” 

Publicidade


Vacinação


A vacina contra a catapora é a melhor forma de prevenir a doença. É segura e eficaz, podendo ser aplicada em crianças a partir de 12 meses de idade. Em caso de falta de vacina na rede pública, ela também está disponível na rede privada. No Brasil, a vacina auxilia a conter a propagação da doença. “Ela não está erradicada, acredita-se que a vacinação possa diminuir consideravelmente os casos, porém uma pequena porcentagem dos indivíduos vacinados pode desenvolver a doença (geralmente de forma leve). Assim, não é possível prever se há chance da catapora ser erradicada”, finaliza.

Publicidade


Alguns estados do país sofre com desabastecimento de vacina


O Ministério da Saúde explica que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu o fornecimento da vacina da catapora em março de 2023 para avaliar a nova composição do imunizante. A decisão foi tomada em conjunto com a agência europeia de medicamentos. Após análise, a vacina foi liberada em julho do mesmo ano, mas a interrupção causou atrasos no abastecimento global, levando ao desabastecimento em alguns estados. O Ministério da Saúde recebeu 1 milhão de doses em dezembro de 2023 e planeja distribuir 554 mil doses até o final de janeiro.


LEIA TAMBÉM:


Imagem
Anvisa alerta sobre repelentes adequados para evitar o mosquito da dengue
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou orientações sobre os tipos de repelentes adequados para evitar o Aedes aegypti, que transmite a dengue, zika e chikungunya.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade