07/07/20
26º/16ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Saiba mais

Entenda a importância do acompanhamento psicológico no processo da bariátrica

Divulgação
Divulgação


Segundo a Pesquisa de Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), divulgada em junho do ano passado, pelo Ministério da Saúde, a obesidade atinge cerca de 18,9% dos brasileiros e 54% estão com sobrepeso. Existem diversos fatores que podem levar ao aumento de peso, como o sedentarismo, genética, estresse e ansiedade. Muitas pessoas que apresentam problemas emocionais acabam descontando suas questões na comida.


"Como a gente lida com o alimento tem muito a ver como a gente lida com as coisas na nossa vida. Por exemplo, pessoas que têm dificuldades fortes com relacionamentos interpessoais e que possuem alguns traumas muitas vezes acabam compensando suas dificuldades com o processo prazeroso que o alimento proporciona e acaba gerando um ciclo vicioso negativo", esclarece a psicóloga Camila Acioly, professora da pós-graduação em Atuação psicológica em cirurgia bariátrica, da Faculdade IDE.

"A compulsão alimentar está associada a questões emocionais, as causas mais comuns são o sofrimento, o excesso, uma perda de uma pessoa querida, relação familiar desestruturada e dificuldade de se relacionar. Essas são dificuldades que todo mundo passa, só que alguns bebem, correm e outros comem para desopilar. A tendência é muito maior em descontar na comida, porque desde sempre a gente vincula a comida a coisas positivas na nossa história", exemplifica Camila.

Por isso, quando uma pessoa que está acima do peso decide passar por uma cirurgia bariátrica é importante que um psicólogo seja solicitado para conhecer os seus hábitos alimentares, relação com a comida, estilo de vida e todos os traumas e vivencias que esse paciente já teve durante a sua vida. Então, profissional conseguirá traçar caminhos que ajude a pessoa a alcançar os seus objetivos com sucesso.

"O processo de pré-operatório é a etapa que chamamos de avaliação psicológica. Nela, o psicólogo procura sondar a motivação do paciente para as mudanças, a capacidade de lidar com situações de perda e diagnosticar alguma psicopatologia. Quando é encontrado um quadro de depressão e/ou compulsão alimentar, que são mais comuns, há necessidade de encaminhar ao psiquiatra", explica a psicóloga Eliane Ximenes, coordenadora e também professora da pós-graduação em Atuação psicológica em cirurgia bariátrica, da Faculdade IDE.

Após a intervenção cirúrgica, é muito importante que o paciente continue sendo assistido por um profissional para conseguir alcançar as suas metas pessoais e os resultados clínicos desejados. "Já no pós-operatório é preciso acompanhar essas mudanças com o paciente, fortalecê-lo no sentido de alcançar seus objetivos no tratamento e tratar as possíveis causas de recaída, caso existam", comenta Eliane.

Mas antes de tomar a decisão de passar pela bariátrica, é preciso estar ciente de todo o processo, pois existem algumas dificuldades que atingem algumas pessoas que estão caminhando para a cirurgia. "Ocorrem problemas quando, apesar das doenças associadas à obesidade, o paciente ainda não aceita bem ter que mudar suas rotinas, por isso, é preciso que ele esteja plenamente convencido de que essa é a terapêutica adequada para o seu caso e assumi-la como a sua forma de estar saudável. Enquanto ele não incorpora essa ideia, é melhor esperar. Outra dificuldade é a falta de apoio familiar, pois se a família não se envolve, é mais difícil mudar hábitos", esclarece Eliane.

Além do acompanhamento psicológico, essencial para casos em que o ganho de peso está associado a problemas psíquicos, é importante que se tenha uma equipe multidisciplinar acompanhando o paciente bariátrico. "A pessoa deve ter o cuidado de manter o acompanhamento multidisciplinar. Ele terá alta de alguns especialistas, porém deve permanecer em acompanhamento clínico pelo resto da vida para manter taxas de glicose, colesterol, triglicérides, vitaminas e sais minerais dentro dos níveis adequados", comenta Eliane.

Para a professora de pós-graduação em psicologia Camila Acioly, se a pessoa for acompanhada pela equipe multiprofissional formada por cirurgião, endócrino, psicólogo e nutricionista, a probabilidade de não alcançar suas metas é quase nula. "Se o paciente for acompanhado, vai conseguir seus objetivos, até porque são dois anos para poder finalizar o processo", finaliza.
Redação Bonde com Assessoria de imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Saúde mental
Psicólogo ou psiquiatra: saiba qual o momento ideal para procurar cada profissional
Síndrome de Dumping
Após cirurgia bariátrica, ex-obesos devem ter cuidado ao consumir doces
Apoie
Emagrecimento e bariátrica: mudança que precisa de incentivo da família
Saiba mais
Emagrecimento: mitos e verdades sobre a cirurgia bariátrica
Não fique na dúvida
Cirurgia bariátrica: cinco coisas que todo paciente que quer emagrecer precisa saber
Continue lendo
20 óbitos no total
Maringá confirma mais um óbito e 67 novos casos de Covid-19
07 JUL 2020 às 20h48
Boletim
Londrina atinge 90 mortes pela Covid-19 e 1.694 casos
07 JUL 2020 às 18h30
Estudo
Regiões onde moradores dependem do transporte público têm mais covid
07 JUL 2020 às 16h21
33.939 casos no total
Sesa divulga 1.530 novas confirmações e 31 mortes pela Covid-19 no Paraná
07 JUL 2020 às 16h06
Orientação médica
Saiba como fazer o teste diagnóstico de Covid-19 pelo plano de saúde
07 JUL 2020 às 09h56
Cuide-se!
Hospital das Clínicas lança aplicativo gratuito para cuidar da saúde mental
07 JUL 2020 às 09h43
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados