26/11/20
PUBLICIDADE
Avanço tecnológico

Inteligência artificial deixa ressonância magnética mais rápida

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Usando IA (inteligência artificial), um grupo de pesquisadores criou um mecanismo que promete acelerar exames de ressonância magnética em até quatro vezes. Os resultados foram divulgados nesta terça-feira (18) e constam em artigo ainda não publicado, mas já aceito para publicação, pelo "American Journal of Roentgenology".


A nova técnica é fruto de uma iniciativa batizada de "FastMRI" ("ressonância magnética rápida", em tradução livre). Ela une especialistas do Facebook e do NYU Langone Medical Center, hospital universitário ligado à Universidade de Nova York.

Segundo os pesquisadores, a ressonância mais rápida pode aumentar a capacidade de atendimento dos hospitais e, com isso, baratear o procedimento.

Ela também torna a experiência menos desconfortável para os pacientes, que precisam ficar menos tempo dentro do tubo que faz os exames -a depender da complexidade, pode ser necessário que a pessoa fique imóvel por até uma hora dentro da máquina.

Além disso, a modalidade pode ampliar o leque de aplicações da ressonância magnética, possibilitando o uso em emergências, por exemplo.

"Se alguém está tendo um derrame, normalmente fazemos uma tomografia. Uma ressonância traria imagens mais detalhadas, mas demora demais. Se conseguirmos fazê-la em cinco minutos, no entanto, abrimos uma nova área para a qual podemos usar a ressonância magnética", diz Michael Recht, chefe do departamento de radiologia do NYU Langone Medical Center.

A pesquisa analisou os joelhos de 108 pacientes de diferentes gêneros e faixas etárias. Cada um deles foi examinado tanto pelo sistema tradicional quanto pelo método acelerado por IA.

Seis radiologistas compararam os exames, sem saber qual era qual, e registraram seus diagnósticos. Para evitar que os especialistas se lembrassem de algo que tinham visto na análise anterior, as imagens tradicionais e as geradas por IA foram exibidas para eles separadas por um intervalo de um mês.

Todos os seis acharam melhores as imagens geradas pela inteligência artificial, e cinco não sabiam diferenciar qual era qual. Comparados, os diagnósticos tiveram discrepâncias em 4% dos casos, valor considerado irrelevante pelos pesquisadores.
Para montar o sistema, os cientistas usaram "deep learning" ("aprendizagem profunda"), uma técnica de IA que se popularizou na última década, com diferentes aplicações pipocando particularmente na medicina.

A diferença é que os usos na área da saúde normalmente atuam em outra parte do processo: o diagnóstico em si. No começo deste ano, por exemplo, houve grande repercussão e polêmica no setor após um sistema feito por pesquisadores do Google e da universidade Imperial College London, da Inglaterra, conseguir resultados melhores do que médicos para detectar câncer de mama em imagens de raios-X.

No caso da FastMRI, a inteligência artificial é empregada para criar imagens em alta resolução a partir dos dados coletados pelas máquinas de ressonância magnética. O diagnóstico fica por conta do médico.

Funciona assim: antes de gerar as imagens, as máquinas de ressonância primeiro usam magnetismo para coletar dados da localização dos átomos da região examinada. Essa informação é depois repassada para um segundo sistema, para só então ser a convertida em pixels, os pontinhos coloridos que formam o conteúdo das telas de computador e celular.

A IA entra no meio desse caminho. Com dados parciais, vindos de toda a área a ser examinada, ela consegue gerar uma imagem completa. Por precisar de menos informação - aproximadamente 25% do que é usado normalmente -, o processo é mais rápido.

Segundo Recht, o estudo agora se volta para ampliar a análise para imagens em parceria com outros hospitais, nos EUA e no exterior, e de outras partes do corpo, começando por cabeça abdômen.

"Já temos tido bons resultados. No cérebro, acreditamos que pode ser até 10 vezes mais rápido que o tradicional", afirma.

O sistema criado pelo grupo é distribuído gratuitamente e funciona com diferentes tipos de máquinas. Agora, aponta Recht, é uma questão de tempo para que ganhe a confiança da comunidade médica, passe por regulação e seja implementado pelas fabricantes dos equipamentos. Tudo deve levar cerca de dois anos, prevê o especialista.
Raphael Hernandes - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Saiba mais

Saúde abre inscrições para teste seletivo nesta quinta

26 NOV 2020 às 17h24
Levantamento

Covid-19: pesquisa aponta queda nos serviços de radioterapia no país

26 NOV 2020 às 14h11
Entenda!

Apagão de dados prejudica medir exatamente quanto a Covid-19 acelerou em São Paulo

26 NOV 2020 às 10h29
Previna-se!

Crianças precisam ser vacinadas contra a pólio e as demais doenças graves

26 NOV 2020 às 10h22
Respeite o período!

Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue após 30 dias

26 NOV 2020 às 10h11
Coronavírus

Mundo registra 12.785 mortes por Covid-19 em um único dia

26 NOV 2020 às 09h50
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados