Pesquisar

Canais

Serviços

Influenza

Após surto em vários estados, ministério libera vacinação antecipada contra H1N1

- Reprodução
Agência Estado
28 mar 2016 às 21:51
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Diante da antecipação do surto de gripe H1N1 identificada em São Paulo, o Ministério da Saúde vai permitir a antecipação da vacinação contra a doença. Ao contrário do que ocorria em outros anos, Estados interessados poderão começar a imunizar grupos considerados mais vulneráveis antes da campanha nacional, que terá início em 30 de abril.

Continua depois da publicidade

Assim que o imunizante começar a chegar nos Estados, a vacinação já poderá ser feita, a critério de cada governo. Em São Paulo, o primeiro lote está previsto para ser liberado nesta sexta-feira - nos demais Estados, a partir de segunda.


Cada administração deverá divulgar o calendário que adotará. A estratégia em parte atende a um pedido feito nesta segunda-feira (28) pelo governo de São Paulo. Nos primeiros três meses deste ano, o número de casos registrados de H1N1 já superou o que foi relatado em todo o País entre janeiro e dezembro de 2015. Do começo do ano até o dia 19, foram registrados 305 casos e 46 mortes no Brasil. Em todo o ano passado, houve 141 casos e 36 óbitos. "Foi uma surpresa o surto nesta dimensão. E sobretudo o período", afirmou o coordenador do Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos.


Na semana passada, com o aumento do número de casos, o Estado solicitou ao Ministério da Saúde o envio de doses da vacina usadas durante a campanha de 2015. Elas foram aplicadas, em caráter emergencial, na cidade de São José do Rio Preto, onde a situação era considerada mais grave. Essa ação teve como objetivo proteger apenas contra o H1N1. Mas os pacientes que receberam o imunizante deverão ainda, em data a ser definida pelo governo, receber o produto mais atual.


Publicidade

Continua depois da publicidade


O imunizante contra a gripe tem sua composição alterada todos os anos. Ele é feito com base em uma combinação de cepas do vírus da gripe que mais circularam durante o inverno no Hemisfério Norte. Comparando com 2015, duas outras cepas do vírus influenza foram modificadas. "Isso significa que protege contra H1N1, mas não tem a mesma eficácia em relação às outras cepas", disse Boulos.


Efeito colateral


A antecipação traz um efeito colateral: os efeitos do imunizante se estendem pelo período de um ano. Isso significa que, quanto mais cedo a vacina for usada, mais cedo a pessoa se tornará suscetível. "Temos consciência disso. Mas temos uma fogueira queimando. O incêndio tem de ser apagado agora", disse Boulos.


A vacina contra a gripe é produzida pelo Instituto Butantã, em São Paulo. De acordo com o Ministério da Saúde, essa é a razão para o governo paulista receber o imunizante antes de outros Estados. No caso do restante do País, o produto é enviado para Brasília, que se encarrega de fazer a distribuição.


Boulos afirmou que a prioridade na vacinação será dada para grupos de risco na Grande São Paulo - ou seja, para idosos, pessoas com doenças pulmonares ou problemas cardíacos e gestantes.


Cronograma


A mudança da estratégia para vacinação deste ano para H1N1, no entanto, é feita com uma condição. Os Estados deverão reservar pelo menos 30% do total do imunizante para usar no Dia D (30 de abril). O Ministério da Saúde julga indispensável manter a campanha, que todos os anos tem potencial para atingir grande parcela do público-alvo.


Ao todo, serão seis remessas do imunizante. As primeiras três deverão ser feitas entre os dias 1º e 15 de abril. Nesse período, serão distribuídos 25 milhões de doses, o equivalente a 48% de toda a demanda. São Paulo vai receber neste período 5,7 milhões.


A região Sul do Brasil receberá 3.535.280 doses da vacina. Região Norte receberá 4.174.000; 6.028.965 foram enviadas para a região Nordeste; 9.987.620 para o Sudeste; e 1.828.900 para o Centro-Oeste.


Casos


A Região Sudeste concentra a maior parte dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por H1N1 do País, com 266 registros. Desses, 260 estão no Estado de São Paulo, que relata 38 dos 46 óbitos.


Santa Catarina está em segundo lugar entre os Estados com mais casos, totalizando 14. Na sequência, vem a Bahia com 10 registros. Além de São Paulo, outros cinco Estados tiveram óbitos: Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Ceará.


Santa Catarina


Dois pacientes diagnosticados com o vírus H1N1 morreram em Santa Catarina, no último sábado (26). As vítimas são uma mulher com 48 anos de idade e um homem com 43. Ambos estavam internados há cerca de três semanas em hospitais de Blumenau, município do Vale do Itajaí.


Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, neste ano foram registrados oito casos confirmados de gripe H1N1, incluindo os dois pacientes que morreram no fim de semana. Outros oito casos suspeitos dependem de resultados laboratoriais. Três dos pacientes confirmados e cinco dos pacientes com suspeita estão internados em unidades de tratamento intensivo.


No ano passado, Blumenau registrou um único caso positivo de H1N1. A última morte causada pela doença na cidade havia sido registrada em 2014.

Atitudes para prevenir o contágio estão sendo reforçadas para a população. As principais delas são: tossir na parte interna do cotovelo (em vez de nas mãos), evitar locais fechados e com grande concentração de pessoas, e lavar as mãos com frequência. (Com informações da Agência Brasil)


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade