15/07/20
24º/16ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Confira!

Brasil ainda não chegou ao pior da pandemia, diz OMS

O pior da pandemia ainda não chegou para o Brasil, afirmou nesta segunda (1ª) o diretor-executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde), Michael Ryan.

Gilson Abreu/AEN
Gilson Abreu/AEN


Segundo ele, o Brasil -entre outros países da América Central e do Sul- está entre os que têm registrado os maiores aumentos diários de casos da doença, com transmissão ainda fora de controle.

"Claramente a situação em alguns países sul-americanos está longe da estabilidade. Houve um crescimento rápido dos casos e os sistemas de saúde estão sob pressão", disse Ryan.

Segundo ele, o pico do contágio ainda não chegou, "e no momento não é possível prever quando chegará".

Até domingo (31), o Brasil tinha 514.849 casos confirmados de coronavírus e 29.314 mortes, com 480 novos óbitos nas 24 horas anteriores. É o segundo país com maior número de casos no mundo, depois dos EUA, e o quarto em número de mortes, atrás de EUA, Reino Unido e Itália.

Em relação à população, o Brasil era no domingo o 13º no mundo, com 13,8 mortes por 100 mil habitantes. Nos cálculos semanais feitos pelo Imperial College de Londres, a taxa de contágio brasileira está há pelo menos cinco semanas acima de 1 -o que significa que a transmissão está se acelerando.

O diretor-executivo da OMS afirmou que a densidade urbana e o grande número de pessoas mais pobres na cidade são fatores que dificultam o risco da doença, mas que políticas públicas implantadas no sul da Ásia e na África conseguiram estabilizar a gravidade da doença, enquanto no Brasil e em outros países latino-americanos ela ainda cresce com velocidade progressiva e ameaça os sistemas de saúde.

Segundo ele, nas Américas, "houve respostas diferentes entre os países, e há bons exemplos de governos que adotaram abordagens científicas, enquanto em outros países vemos uma ausência ou uma fraqueza nisso".

"O que precisamos agora é mostrar nossa solidariedade e trabalhar com esses países para que eles consigam controlar a epidemia", disse Ryan.
Os especialistas da OMS voltaram a dizer que decisões de desconfinamento devem ser acompanhadas de um sistema para testar casos suspeitos, rastrear contatos, tratar doentes e isolar os que possam ter o coronavírus para impedir que contagiem outras pessoas.
Ana Estela de Sousa Pinto - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Evolução da Covid-19
Londrina atinge 413 casos de Covid-19 neste domingo
Mais de 29 mil mortes
Brasil ultrapassa meio milhão de casos de Covid-19
Entenda
Saiba como a quarentena pode mudar percepção da passagem do tempo
Continue lendo
Boletim
Maringá registra mais uma morte e 75 novos casos de Covid-19
14 JUL 2020 às 19h28
Boletim da prefeitura
Londrina atinge 97 óbitos pela Covid-19 e passa de 2 mil casos
14 JUL 2020 às 19h15
Boletim da Sesa
Paraná confirma mais 1.775 casos e 57 mortes pela Covid-19
14 JUL 2020 às 17h04
Rede pública
Saiba qual unidade de saúde procurar caso precise de atendimento médico em Maringá
14 JUL 2020 às 16h58
12 meses
Paraná finaliza mais um período de monitoramento da dengue
14 JUL 2020 às 14h46
Menos efeitos colaterais
Fiocruz fecha parceria para produção de medicamentos contra o HIV
14 JUL 2020 às 11h49
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados