29/09/20
°/°
Entenda

Governo prepara MP para pagar 100 milhões de doses da vacina de Oxford

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


O Ministério da Saúde prepara uma medida provisória para viabilizar as 100 milhões doses da vacina de Oxford contra a Covid-19 no Brasil. A proposta prevê um credito orçamentário extraordinário de R$ 1,9 bilhão.


Será R$ 1,3 bilhão para pagamentos à AstraZeneca, a serem previstos no contrato de encomenda tecnológica.

Outros R$ 522,1 milhões serão para despesas necessárias ao processamento final da vacina por Bio-Manguinhos/Fiocruz e mais R$ 95,6 milhões destinados a investimentos para absorção da tecnologia de produção pela Fiocruz.

"A medida provisória já se encontra em estudo no Ministério da Economia", disse nesta segunda-feira (3) Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde.

A Fiocruz e a AstraZeneca assinaram na sexta-feira (31) o documento que dará base para o acordo entre os laboratórios para a transferência de tecnologia e produção de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19, caso se comprovem a eficácia e a segurança.

Segundo o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, as primeiras pessoas a serem imunizadas no país estarão no grupo prioritário. Fazem parte da lista os idosos, profissionais de saúde, professores, profissionais de segurança, motorista de transporte público e pessoas privadas de liberdade.

"Os públicos são definidos de acordo com cada doença e característica. Existe um público alvo para Covid-19, mas pode haver variação, serão definidos os prioritários para serem imunizados", disse.

Além da vacina, o Ministério da Saúde lançou nesta segunda o ConecteSUS Profissional. O objetivo é promover o acesso a informações de pacientes entre os profissionais de diferentes pontos da rede de atenção à saúde, permitindo a transição e continuidade do cuidado nos setores público e privado.

Jacson Venâncio de Barros, diretor de Departamento de Informática do SUS, espera que ele já esteja pronto para o uso do profissional de saúde entre 30 a 40 dias.

"Estamos fazendo um teste com dez municípios, a conexão é feita através do gov.br, uma plataforma do governo conectada ao registro civil do cidadão. Estamos em alinhamento com o CFM [Conselho Federal de Medicina] para ampliar o uso, espero que de 30 a 40 [dias] esteja disponível para acesso aos profissionais", disse.

O governo federal já havia lançado o ConecteSUS Cidadão que permite o acesso do cidadão às informações de saúde conforme registros de atendimento no SUS e unidades particulares, como exames, atendimentos, vacinas e medicamentos retirados.

O cidadão que fizer o exame para detectar Covid-19 já terá acesso ao resultado pelo aplicativo.

"Já é possível ter acesso à carteira de vacinação. Ela pode ser impressa, carregada, encaminhada para qualquer pessoa e terá o código de barra que garante a sua veracidade", disse.
Raquel Lopes - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
29 de setembro
Dia Mundial do Coração reforça importância da prevenção
29 SET 2020 às 09h38
Entenda
Ministério da Saúde agora quer 'dia D' com 'aula virtual' a médicos sobre cloroquina
29 SET 2020 às 09h33
Preocupante
Mundo chega a 1.000.000 de mortes pelo coronavírus
29 SET 2020 às 09h09
Vírus
Silencioso, Covid-19 seguiu por rotas aéreas para se tornar pandemia
29 SET 2020 às 09h04
Pandemia
Brasil chega a 142 mil mortes pela Covid-19, mostra consórcio de imprensa
29 SET 2020 às 09h00
Boletim
Arapongas confirma 102º óbito por Covid-19; 4.275 casos
28 SET 2020 às 21h18
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados