Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Servidores federais

Médicos devem paralisar atividades na próxima terça

Agência Brasil
10 jun 2012 às 11:35
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Médicos servidores públicos federais pretendem paralisar as atividades na próxima terça-feira (12) em protesto contra a Medida Provisória (MP) nº 568, de 2012, que trata da remuneração e da jornada de trabalho de profissionais de saúde.

De acordo com a Federação Nacional dos Médicos (Fenam), o texto prevê que profissionais que atualmente mantêm jornada de 20 horas semanais no serviço público, ao ingressar na carreira, tenham que cumprir 40 horas semanais e receber o mesmo valor – uma redução de 50% na remuneração.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"A medida é considerada pelo presidente da entidade, Cid Carvalhaes, como um enorme retrocesso em um país já tão castigado pela carência do Sistema Único de Saúde [SUS] e pela desvalorização dos profissionais de medicina", informou a Fenam.

Leia mais:

Imagem de destaque
Aparelhos adulterados

Análise encontra anfetamina na composição de cigarros eletrônicos em SC

Imagem de destaque
Pressão estética

Valesca Popozuda diz que fez procedimento estético que não deu certo

Imagem de destaque
Racismo estrutural

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Imagem de destaque
Qdenga

Vacina da dengue volta a ser aplicada em laboratórios particulares


Também na próxima terça-feira, a Comissão Mista do Congresso Nacional deve votar a admissibilidade da MP 568. O objetivo da categoria é, por meio da paralisação, pressionar o Parlamento e abrir caminho para a primeira greve geral de médicos servidores federais no país.

"As entidades médicas compreendem que a MP traz a determinados setores do funcionalismo avanços importantes, que devem ser mantidos e até ampliados. Entretanto, particularmente nos artigos 42 e 47, prejudica os atuais e futuros servidores médicos, dobrando jornadas sem acréscimo de vencimentos, reduzindo a remuneração em até metade e cortando valores de insalubridade e periculosidade. As perdas atingem, inclusive, aposentados (e pensionistas), que tanto já se dedicaram ao serviço público, enfrentando baixos salários e condições de trabalho adversas", concluiu a Fenam.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade