11/08/20
29º/14ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Transmissão comunitária

Pandemia de coronavírus na Europa está longe de terminar, diz agência de controle

A pandemia de coronavírus na Europa "está longe de terminar", afirmou nesta quinta (2) a diretora da ECDC (agência europeia para o controle de doenças), Andrea Ammon.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


A agência, que atualizou sua avaliação de risco no continente, ressaltou que ainda há transmissão comunitária na maioria dos países e alguns passam por "grandes surtos localizados". Com a abertura de fronteiras externas a partir desse mês, há preocupação de que a transmissão saia de controle.

"Os virologistas não estão encantados com a abertura das fronteiras européias. É um perigo. A situação pode mudar da noite para o dia em qualquer país", disse à mídia belga o principal virologista do país, Marc Van Ranst, nesta semana.

De acordo com os números publicados pela ECDC, nos 14 dias encerrados no dia 1º de julho o número de novos casos por 100 mil habitantes cresceu em 16 países da União Europeia, quando comparado com as duas semanas anteriores.

A taxa é crescente na Alemanha, Áustria, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, França, Grécia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Romênia.

Desses, cinco países tiveram também um número de casos acima da média da UE na quinzena: Bulgária, Luxemburgo, Romênia, Portugal e Suécia. Os dois últimos estão entre os países com transmissão ativa acompanhados pelo Imperial College e a taxa de contágio calculada para esta semana ficou acima de 1, o que significa que a transmissão está se acelerando.

Segundo a ECDC, alguns aumentos não revelam necessariamente problemas, como os causados pela forma de apuração (por exemplo, aumento de testes, mudanças de metodologia), na definição de casos, ou os de países de população pequena, em que poucos novos casos podem ter peso maior.

A agência vê risco moderado para a população em geral nos países em que os casos crescem por causa da retomada de atividade com relaxamento das medidas de precaução, ou por importação de casos (com a abertura de fronteiras). Segundo a ECDC, há "probabilidade muito alta de infecção e baixo impacto da doença", o que resulta no risco moderado.

Já para populações vulneráveis o risco foi considerado elevado: probabilidade muito alta de infecção e impacto muito alto da doença.

A diretora da agência diz que os países devem fortalecer seus sistemas de monitoramento, com testes amplos, rastreamento de contatos e isolamento.

"Uma forte estratégia de comunicação de risco deve lembrar aos cidadãos que a pandemia não terminou", afirmou a ECDC.
"É um sistema que deve ser seguido diariamente. . Devemos perceber que o vírus ainda está aqui. Você não vai me encontrar em um avião neste verão. Acho que o risco é grande demais. Meu ponto de vista pessoal? Fique em casa", afirmou Van Ranst.
Ana Estela de Sousa Pinto
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Não vai ser o fim
Vacinas poderão controlar a Covid-19, diz diretor do Butantan
Dados do Ministério da Saúde
No Brasil, Covid-19 mata mais homens pardos com mais de 60 anos e comorbidades
Entenda os dados
Só 9% dos infectados por coronavírus se dizem assintomáticos, diz estudo
Continue lendo
Boletim
Sesa informa 93.139 confirmações e 2.370 óbitos pela Covid-19 no PR
10 AGO 2020 às 23h20
Boletim
Mais três mortes por Covid-19 são registradas em Londrina
10 AGO 2020 às 19h48
Em Londrina
Mais de 5 mil pessoas são vacinadas contra o sarampo no último sábado
10 AGO 2020 às 17h41
On-line e gratuito
Serviço voluntário de suporte psicológico ganha canal exclusivo
10 AGO 2020 às 17h33
Boletim
Maringá registra mais três mortes por Covid-19 e 106 casos confirmados
10 AGO 2020 às 17h09
Na pandemia
Estresse da quarentena causa aumento em casos de dente quebrado
10 AGO 2020 às 10h29
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados