Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Instituto Adolfo Lutz

Pesquisadores isolam e identificam vírus da gripe A

Agência Brasil
25 jun 2009 às 19:12
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Instituto Adolfo Lutz anunciou nesta terça-feira (16) que isolou e sequenciou o vírus H1N1, também conhecido como gripe suína. Segundo a coordenadora de Controle de Doença da Secretaria do Estado de São Paulo, Clelia Aranda, a descoberta é importante para monitorar o comportamento do vírus e contribuir para a criação de uma vacina.

"Esse vírus tem uma alta capacidade de mutação e é um pouco diferente do que foi identificado na Califórnia, nos Estados Unidos. Mas, mesmo com todas as mudanças, a matriz é a mesma e uma vacina seria eficaz para qualquer tipo de vírus, seja no Brasil ou em outro país", disse Clelia.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Ela explicou que o vírus A, além de mutante, também é imprevisível. "Não sabemos como será o vírus amanhã", completou. Graças à identificação feita pelo Instituto Adolfo Lutz, a comparação entre os diferentes tipos de vírus A deve ajudar no desenvolvimento de uma vacina. "Ainda são necessários mais estudos para selecionar e escolher as melhores matrizes para fazer a vacina", ressaltou. Se a mudança ocorresse na matriz do vírus – o que não foi o caso –, a vacina para gripe anunciada por um laboratório suíço e outras que estão em processo de estudos seriam menos eficazes.

Leia mais:

Imagem de destaque
Dia D

Saúde promove campanha de multivacinação neste sábado em Cambé

Imagem de destaque
No limite

Com superlotação no PAI, Saúde busca alternativa para ‘desafogar’ atendimentos em Londrina

Imagem de destaque
Regulamentação dos preços

Veja se seu medicamento terá isenção ou redução de imposto

Imagem de destaque
Uso intenso do celular

Protetor solar contra luz azul evita danos de raios solares, mas não da luz de telas


Mutação do vírus

Publicidade


A mutação do vírus da gripe suína encontra-se na proteína da hemaglutina. Os resultados anunciados hoje pelo instituto são importantes porque permitem comparar um vírus com o outro. Segundo a diretora de laboratórios regionais do Adolfo Lutz, Regina Gomes de Almeida, todos os países estão trabalhando em conjunto. "Há uma cooperação internacional para chegar a um acordo comum sobre essa pandemia", garantiu.


Cerca de 20 pesquisadores do Lutz identificaram o vírus e conseguiram fazer uma imagem dele graças a uma máquina que ampliou 200 mil vezes seu tamanho. O vírus foi isolado e depois inserido em células durante cerca de 20 dias para esperar a adaptação e o crescimento. O vírus foi retirado do primeiro paciente que teve seu caso de gripe suína confirmado, em abril.

Clelia Aranda explicou ainda que os três centros de nacionais – o Adolfo Lutz, a Fundação Fiocruz e o Instituto Evando Chagas – estão empenhados em pesquisar as modalidades do vírus influenza. "Usamos toda a estrutura do Lutz, tivemos que esperar apenas pela chegada de reagentes importados para começar o trabalho", enfatizou. "O Brasil pode e irá contribuir muito com a vacina", complementou.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade