07/04/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
|
Novidade

Preço e tempo de espera para remédios à base de maconha devem diminuir

A decisão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de liberar a produção e a comercialização de remédios à base de maconha foi elogiada por neurologistas, médicos da principal especialidade em que o produto é utilizado. Para os especialistas, a medida facilita o acesso e pode reduzir os custos para os pacientes.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


"Hoje, o processo de importação é demorado. A Anvisa demora de 45 a 60 dias para liberar a autorização. Com a nova regulamentação, o processo será muito mais ágil", diz Saulo Nardy Nader, neurologista do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.

Ele elogiou ainda o fato de a Anvisa ter determinado critérios rígidos quanto à qualidade dos laboratórios produtores e determinar que as receitas médicas fiquem retidas no processo de venda.

Para Sonia Brucki, integrante da ABN (Academia Brasileira de Neurologia), a permissão para que parte da produção ocorra em território nacional deverá baratear o produto. "Ainda é um medicamento muito caro para o paciente. A tendência é que fique mais acessível", destaca.

Os especialistas afirmam ainda que a nova regulamentação pode fomentar mais pesquisas científicas sobre os efeitos do composto no tratamento de doenças. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Agência Estado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Entenda
Droga antiviral tem ação significativa contra coronavírus in vitro e em camundongos
07/04/2020 11:22
Boa notícia!
No Paraná, 121 pacientes já se recuperaram da Covid-19
07/04/2020 10:28
Hidroxicloroquina
Em reunião, Bolsonaro e Mandetta expõem divergências, e ministro se recusa a assinar decreto
07/04/2020 09:29
Saiba mais
Londrina registra segunda morte por Covid-19
07/04/2020 08:57
Isolamento
Brasil não está pronto para escalada de casos nas grandes cidades, diz Mandetta
07/04/2020 08:33
Veja mais e a capa do canal