25/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Em Curitiba

Projeto propõe regulamentação do alvará para acupunturistas

Começou a tramitar, nesta terça-feira (27), projeto de lei do vereador Jorge Bernardi (PDT) que regulamenta em Curitiba a liberação de alvará para os profissionais de acupuntura. Segundo a proposição, para receber a autorização de trabalho pelo Município, bastaria ao interessado apresentar diploma de curso superior na área (nacional ou estrangeiro, desde que validado pelo MEC).

"Existem cerca de 500 profissionais trabalhando com a prática terapêutica da acupuntura em Curitiba, mas alguns alvarás têm sido negados pelo Município por conta de uma interpretação da lei federal 12.842/2013, a 'Lei do Ato Médico'", explica Jorge Bernardi. Segundo o parlamentar, essa norma diz que "são privativas do médico atividades como indicação e execução de intervenção cirúrgica, sedação profunda e procedimentos invasivos como acessos vasculares profundos".


Contudo, Bernardi diz que a interpretação ao "pé da letra" desse trecho está desconsiderando que a presidente Dilma, ao sancionar a "Lei do Ato Médico", vetou o artigo 4°, onde dizia que a acupuntura seria atividade exclusiva dos médicos. "A presidente entendeu", avalia o parlamentar, "que a Acupuntura não é exclusiva dos médicos porque há 5 mil anos a atividade é praticada na medicina chinesa por terapeutas". "Aliás a medicina tradicional do Ocidente não domina essa ciência oriental, responsável por curas e recuperação que os remédios vendidos por laboratórios não alcançam. Há portanto enormes interesses em jogo", completa

Regras para alvará
O projeto de lei prevê que será concedido o alvará para a pessoa que comprovar possuir um diploma de graduação em nível superior em acupuntura, expedido por instituição de ensino oficialmente reconhecida no Brasil, ou em curso superior similar ou equivalente no exterior (com carga horária mínima de 360 horas-aula, após a devida validação e registro nos órgãos competentes).

A norma também libera o alvará para a pessoa, que mesmo sem essa documentação, ateste o exercício dessa atividade profissional "de forma comprovada e ininterruptamente há pelo menos cinco anos, contando da data de publicação desta lei". Nessa linha de argumentação, Jorge Bernardi defende que a Constituição Federal "deixa claro que um dos fundamentos da República é a proteção dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa".

Sobre o argumento que a atividade dos acupunturistas não está regulamentada nacionalmente, o vereador cita no projeto de lei a existência do Sindicato dos Profissionais em Acupuntura e Terapias Orientais do Estado Paraná (como entidade de fiscalização) e publicação, em 2006, de uma portaria do Ministério da Saúde incluindo a prática na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde (SUS). "Podendo ser usada de maneira isolada ou integrada com outros recursos terapêuticos para promoção de saúde, recuperação ou prevenção de doenças", reitera.
Redação Bonde com Prefeitura de Curitiba
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Veja mais e a capa do canal