12/06/21
PUBLICIDADE
Cuidados especializados

Saúde amplia monitoramento de risco para crianças de até dois anos

SESA
SESA

A Secretaria de Estado da Saúde está ampliando em todo o estado a estratificação de risco de crianças. O acompanhamento, que vinha sendo feito em crianças de até um ano de idade, foi estendido para até dois anos, como forma de dar oportunidade a cuidados mais amplos, adequados e especializados.

"Esta ampliação significa o monitoramento de todas as crianças que nascem nas maternidades e hospitais da rede pública com aumento do número de consultas entre o 1º e 24º mês de vida, além da oferta de atendimentos multiprofissionais”, afirmou o secretário de Estado da Saúde Beto Preto. "Nossas crianças precisam desse acompanhamento, pois é um período importante e sensível da primeira infância em que elas evoluem de forma muito rápida, necessitando de um olhar ampliado”.


MONITORAMENTO – A estratificação de risco começa na alta da maternidade ou na visita domiciliar e o acompanhamento é realizado pela Atenção Primária em Saúde, nas unidades básicas de forma exclusiva ou compartilhada com a Atenção Ambulatorial Especializada.

As crianças são estratificadas por três estágios: risco habitual, a que todas estão expostas; risco intermediário, quando apresentam sinais que alertam para uma assistência com maior frequência, e o alto risco, quando há doenças graves congênitas, malformações, testes de triagem alterados, desenvolvimento psicomotor insatisfatório, desnutrição ou obesidade.

"Dependendo do risco apontado na estratificação, a criança seguirá um protocolo de cuidados e a principal meta da Sesa, com esta ampliação da faixa etária atendida, é aumentarmos a oportunidade de atuação, de prevenção e de promoção de assistência. A continuidade do cuidado é um dos princípios que devem ser garantidos à criança, por isso estamos implementando a oferta neste novo modelo de estratificação”, afirmou a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

PROGRAMAÇÃO – O calendário de consultas foi ampliado em todos os grupos de risco. Crianças que apresentam alto risco terão 16 consultas programadas, oito a mais que na estratificação anterior, e contarão ainda com seis atendimentos multiprofissional especializado, dois a mais que o anterior. Crianças classificadas de risco intermediário terão 14 consultas programadas, com o acréscimo de seis consultas, e as crianças com risco habitual terão nove consultas, o que representa duas consultas a mais.

A nova metodologia de estratificação já foi pactuada pela CIB (Comissão Intergestores Bipartite) na semana passada, envolvendo assim o entendimento colegiado entre Estado e municípios sobre as mudanças.

"É uma grande mudança que vai permitir melhor acompanhamento das crianças, reconhecendo os diferentes graus de risco de cada uma. As 22 Regionais de Saúde participaram da discussão da ampliação da estratificação e agora já estão repassando as medidas para os municípios. No final deste mês faremos uma avaliação do modelo com a participação de todas as equipes envolvidas”, explicou a chefe da Divisão de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente, Jéssica Dinardi.
AEN-PR
PUBLICIDADE
Continue lendo
e 287 casos

Maringá tem morte de adolescente de 17 anos por novo coronavírus

11 JUN 2021 às 18h20
Saiba mais

Gestantes sem comorbidades são incluídas de novo na vacinação contra o novo coronavírus

11 JUN 2021 às 18h12
Instituição de idosos

Arapongas confirma 53 casos de Covid-19 no Lar São Vicente

11 JUN 2021 às 17h41
Boletim diário

Paraná vai a 1.136.736 casos confirmados e 27.762 óbitos pelo novo coronavírus

11 JUN 2021 às 17h31
Cuide-se!

Londrina atinge 1.563 óbitos e 61.886 casos positivos em decorrência do novo coronavírus

11 JUN 2021 às 17h20
Brasil

Anvisa autoriza vacina da Pfizer, Cominarty, a adolescentes de 12 a 15 anos

11 JUN 2021 às 09h50
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados