Pesquisar

Canais

Serviços

Sesa
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Saiba mais

Saúde investiga exposição indevida de dados de mais de 200 milhões

Folhapress
02 dez 2020 às 16:07
Continua depois da publicidade

O Ministério da Saúde informou que está investigando a exposição indevida de dados pessoais de mais de 200 milhões de brasileiros, por pelo menos seis meses, após uma possível falha no sistema de notificações da Covid-19. A pasta disse que o problema já foi corrigido.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A falha permitiu que informações pessoais, como nome, endereço, telefone e CPF, de todas as pessoas cadastradas no SUS (Sistema Único de Saúde) ou que tenham aderido a um plano de saúde ficassem livres para consultas, de acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.
A exposição indevida teria atingido até mesmo autoridades da República, como o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O jornal afirma que o problema foi causado pela exposição indevida de login e senha de acesso ao sistema que armazena os dados cadastrais dos brasileiros no Ministério da Saúde, pasta comandada por Eduardo Pazuello.


Por meio de nota, o Ministério da Saúde afirmou que possui protocolos de segurança e proteção de dados, que são constantemente avaliados e aprimorados a fim de mitigar exposições.


"Os incidentes reportados estão sendo investigados para apurar a responsabilidade da exposição da base cadastral do MS [Ministério da Saúde]", afirma o texto.

Continua depois da publicidade


"Vale lembrar que o conteúdo ofensivo identificado já foi corrigido. Ações de segurança estão sendo tomadas para impedir novos incidentes, assim como ações administrativas para apurar o ocorrido, completa o texto."



Falhas de segurança


Em novembro deste ano, o Ministério da Saúde confirmou que havia indícios de ataque cibernético ao seu sistema, a exemplo do que ocorreu no STJ (Superior Tribunal de Justiça). O ataque teria causado falhas no sistema de acompanhamento dos casos da Covid-19.


Desde o início do mês, quando o ataque no STJ veio à tona, havia relatos de possível ataque também no Ministério da Saúde. A pasta, no entanto, só confirmou o caso oficialmente no dia 13.

O governo Jair Bolsonaro afirmou na época que todos os sistemas haviam sido restabelecidos, mas que ainda poderia haver intermitência, já que o departamento de informática do SUS (Sistema Único de Saúde) continua trabalhando nos dispositivos de segurança.


Continue lendo