23/06/21
PUBLICIDADE
Coronavírus

Vamos descobrir junto com o vírus qual o perfil da 3ª onda, diz diretor-presidente do Oswaldo Cruz

Pixabay
Pixabay



Uma terceira onda da pandemia está no radar dos gestores de saúde, mas o impacto da vacinação nos grupos prioritários traz a esperança de que o pior já tenha ficado para trás.


É o que pensa o médico especializado em administração José Marcelo de Oliveira, 54, conhecido por Jota, o novo diretor-presidente do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, que inicia nesta semana a fase de transição e assume oficialmente o cargo a partir de 1º de junho.

"A terceira onda terá um outro perfil. Tem o perfil do comportamento social dos jovens, o das novas variantes e o perfil da vacinação. A gente está descobrindo junto com o vírus qual será esse novo perfil", diz ele, quem encerrou na última sexta (30) uma gestão de seis anos no A.C. Camargo Cancer Center.

Jota assume a direção do Oswaldo Cruz em um momento de expansão. Em receita, o hospital passou de R$ 493 milhões para R$ 852 milhões, entre 2013 e 2020. No mesmo período, saiu de 327 leitos para 538. Neste primeiro trimestre, foram contratados 400 novos funcionários, quase 10% da força de trabalho da instituição.

Pergunta - A Prefeitura de São Paulo já trabalha com a possibilidade de uma terceira onda em junho? O hospital está se preparando para isso?

José Marcelo de Oliveira - Essa possibilidade está na cabeça de todo mundo, e a instituição está preparada para isso. Mas a gente ainda não tem um sinal concreto dessa situação [novo repique]. Por enquanto, estamos numa descendente.
O fato de a cidade de São Paulo ter conseguido vacinar bastante gente, especialmente dos grupos de maior risco, mudou o jogo. Um lugar que a gente mede muito é na nossa população de colaboradores. A gente já vacinou mais de 95% deles, e a incidência de internação por Covid é praticamente zero.

Acho que essa dinâmica vai se refletir na sociedade. A gente já começa a ver a redução de mortalidade nos idosos. Quando a gente olha a primeira e a segunda ondas, fica clara a mudança de perfil. E a terceira onda terá outro perfil. Tem o perfil do comportamento social dos jovens, das novas variantes e o perfil da vacinação. A gente está descobrindo junto com o vírus qual o perfil.

O pior já passou?

JMO - Penso que sim. A gente já conhece minimamente a condição clínica da Covid, a doença, mecanismo de transmissão. E já tem uma forma de prevenção efetiva, que é a vacinação. Os médicos já sabem tratar com mais efetividade as complicações. Por isso, o índice de mortalidade está estável, caindo. Entre os desafios estão manter um suprimento de vacina para ter a cobertura necessária e rápida e o enfrentamento do impacto econômico provocado pela pandemia.

Há um cansaço coletivo do distanciamento social, de uso de máscara...

JMO - Sim, há um cansaço do comportamento preventivo, que é máscara, álcool, higiene, distanciamento, mas, por outro lado, tem uma certeza de várias pessoas de que isso funciona.

Estamos há mais de um ano assim e, independentemente das informações truncadas, essa é uma certeza, funciona muito. Acho que vamos ficar nesse abre e fecha setorizado. É difícil pensar em terceira onda no Brasil como um todo. O país é muito diverso.

E as demandas não Covid? As pessoas estão perdendo o medo e retomando tratamentos?

JMO - Felizmente, sim. As pessoas estão se cuidando mais, está diminuindo o número de adiamentos e postergações. Não só aqui, mas o mercado como um todo sente isso.

O tratamento eletivo pode até ter uma data combinada, mas precisa ser logo, principalmente no contexto oncológico. O fluxo no Oswaldo Cruz e nas outras instituições que se prepararam é muito seguro; pacientes com andares dedicados à Covid, as coisas não se cruzam. Então, tendo necessidade, é seguro estar em ambiente hospitalar.

Uma publicação da Anaph (Associação Nacional de Hospitais Privados) prevê uma série de mudanças da forma de cuidar no pós-pandemia, especialmente o uso da telemedicina. Como será isso no hospital?

JMO - Aceleramos muito a telemedicina no contexto das consultas para avaliação de sintomas, queixas mais simples relacionadas à Covid ou não, ferramentas de triagem para identificar casos de maior gravidade.

Também estamos com o programa Hospital Alemão Oswaldo Cruz em casa, que é a possibilidade de realizar exames e consultas no domicílio. E também de reabilitação por meio remoto.

É uma evolução do modelo de cuidado. O hospital fisicamente é um centro de alta complexidade, mas precisa ter uma continuidade de suporte de cuidados para o paciente reabilitar. Essas ferramentas [digitais] se tornaram muito poderosas para isso. Têm baixo custo, o paciente pode fazer num momento de maior flexibilidade para ele. Tendo essa interação, o indivíduo se engaja mais no tratamento, e a chave da recuperação plena é o indivíduo fazer a parte dele.

Assim como o Oswaldo Cruz, muitos hospitais implantaram pronto atendimentos virtuais durante a pandemia. Isso veio para ficar?

JMO - Sim, é uma forma de triar pacientes que precisam vir ao pronto-socorro e aqueles que não precisam. É uma ferramenta que deve abarcar outras condições clínicas, não só a Covid. É um potencial enorme de melhora do cuidado para o país.

Hoje há uma demanda enorme por atendimentos de saúde mental e o Oswaldo Cruz recentemente lançou um programa que atua nas empresas. Como funciona isso?

É uma plataforma de saúde mental que treina profissionais dentro de empresas para identificar casos de problemas mentais entre os colaboradores. É o primeiro curso no Brasil voltado para a formação de socorristas de saúde mental nas empresas.

O hospital tem adotado um novo modelo de remuneração na unidade Vergueiro. Como está isso hoje?

JMO - Em 2017, o Oswaldo Cruz adotou no antigo Hospital Santa Helena, um espaço com mais de 200 leitos, o conceito de remuneração com previsibilidade. Todo custo do procedimento está dentro dele.

Hoje são mais de 1.200 bundles [pacotes] de todas as especialidades [exceto pediatria e obstetrícia] adotados na Vergueiro.
Se aquele paciente consumiu mais ou menos, o custo do serviço já está contratado e combinado. Se o hospital for além do custo, ele tem que assumir parte dele. Se for mais eficiente, ele tem uma margem um pouco maior. Um risco compensa o outro e, num volume grande, tem benefício para os dois stakeholders [partes interessadas, no caso, plano de saúde e hospital].

É uma demanda do mercado devido ao custo crescente da saúde, e isso aumentou muito no ano passado, com a pandemia. Economicamente, o país ficou mais pobre, houve um downgrade [rebaixamento] dos planos de saúde e ter soluções com uma relação custo e efetividade maior é importante.

Falava-se em um risco de que as instituições pudessem optar por uma assistência mais barata para economizar. Isso já foi superado?

JMO - Sim, os indicadores de qualidade e segurança são acompanhados na lupa. Não se não abre mão de qualidade e segurança e há indicadores para isso, como os de satisfação do paciente e taxa de infecção. O painel de indicadores é muito duro, não dá para escapar.

RAIO-X
José Marcelo de Oliveira, 54

Formado em medicina, com doutorado em radiologia clínica pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e MBA em administração de empresas pela FIA (Fundação Instituto de Administração), Oliveira ocupava o cargo de diretor-geral do A.C.Camargo Cancer Center desde 2015. Antes, havia atuado por 22 anos no Grupo Fleury em diversas posições executivas.
Cláudia Collucci - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Percentuais

UTI Adulto para Covid-19 está 106% ocupada no HU de Londrina; Unidade pediátrica segue com 0% de uso

23 JUN 2021 às 11h47
Saiba mais

Entenda a polêmica do 'apagão' da vacina contra a Covid em SP

23 JUN 2021 às 11h02
Três grupos

Público geral com 50 anos ou mais vacina-se contra Covid nesta quarta-feira, em Rolândia

23 JUN 2021 às 10h40
Entenda

Procuradoria vê indícios de crime e risco temerário em compra da Covaxin pela gestão Bolsonaro

23 JUN 2021 às 09h51
Ginásio esportivo

Cambé ganha novo ponto de vacinação anti Covid para pedestres

23 JUN 2021 às 09h30
Pandemia

Brasil registra 2.080 mortes por Covid em 24 h e ultrapassa 18 milhões de pessoas infectadas

23 JUN 2021 às 08h53
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados