Pesquisar

Canais

Serviços

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Ministro da Saúde

Variante ômicron é de 'preocupação, mas não de desespero', segundo Queiroga

29 nov 2021 às 14:00
Continua depois da publicidade

O ministro da Saúde, Marcelo Querioga, disse nesta segunda-feira (29) que a ômicron, nova variante do coronavírus, "é de preocupação, mas não desespero". A afirmação foi feita durante evento, em Salvador, para assinatura de contrato com a Pfizer para compra de 100 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O ministro citou o esquema de vacinação no país ao falar da nova cepa. "Temos a tranquilidade de enfrentar a imprevisibilidade de um inimigo perigoso, que é o novo coronavírus", afirmou.


"Há três dias, foi anunciada uma nova variante, que foi inicialmente descrita na África do Sul, a variante ômicron. E eu falei: 'é uma variante de preocupação, mas não é de desespero'", disse. "Não é uma variante de desespero porque temos autoridades sanitárias comprometidas com assistência de qualidade."


No fim de semana, Queriga disse que os cuidados que a população deve tomar em relação à variante ômicron, inicialmente identificada na África do Sul, são os mesmos aplicados a outras cepas da Covid que já circulam pelo mundo.

Continua depois da publicidade


"Gostaria de tranquilizar todos os brasileiros porque cuidados com essa variante são os mesmos cuidados com as outras variantes. A principal arma que nós temos para enfrentar essa situação é a nossa campanha de imunização", destacou em uma live nas redes sociais.


O secretário de Vigilância da Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, ressaltou que, além da imunização, as pessoas precisam continuar adotando as medidas não farmacológicas e até evitar viagens para lugares em que a nova cepa esteja circulando para evitar a contaminação.


"Dadas as mutações que poderiam conferir a capacidade de escapar de uma resposta imune, e dar-lhe uma vantagem em termos de transmissibilidade, a probabilidade de que a ômicron se propague pelo mundo é elevada", afirmou a OMS nesta segunda. Até o momento, não houve registro de morte associada à variante.


Sobre a compra de vacinas, Queiroga disse no evento em Salvador, que o ministério tem um remanescente de 134 milhões de vacina de 2021 para uso no ano que vem, mais 100 milhões de doses da Pfizer, com a chance de expansão para compra de mais 50 milhões, e 120 milhões da AstraZeneca, totalizando ao menos 354 milhões de doses. A Coronavac, produzida no país pelo Instituto Butantan, não faz parte da lista citada pelo governo.


Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo mostrou que o Ministério da Saúde prevê a compra de 220 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para a campanha de imunização de 2022. O investimento projetado é de R$ 11 bilhões. A pasta estima que serão necessários 340 milhões de vacinas para o ano que vem.


Segundo o ministro, foi preciso uma integração entre vários ministérios para a assinatura do contrato desta segunda. "Foi feita realocação [do Ministério da Cidadania] de verba de R$ 7 bilhões para adquirir esse reforço para o Programa Nacional de Vacinação", afirmou.


O Ministério da Saúde pediu à equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) o aumento de R$ 1,4 bilhão no orçamento de 2021 para garantir a compra de 100 milhões de vacinas da Pfizer para a campanha de 2022.
O recurso extra, que deve ficar dentro do teto de gastos –regra que limita o aumento das despesas públicas–, seria usado para pagar antecipadamente 20% do contrato de R$ 7 bilhões com a Pfizer, uma imposição da farmacêutica na negociação pelas doses.


A Pfizer disse, em nota, que não comenta detalhes das negociações que mantém com o governo.
"É a reafirmação do governo para o fim da pandemia", afirmou o ministro, que estava ao lado de João Roma, titular da pasta da Cidadania.


Queiroga negou que houve atraso atrasou na compra de vacinas e criticou o que ele chamou de "falsas narrativas" sobre a demora na imunização contra a Covid-19 no país.

Continue lendo