Pesquisar

Canais

Serviços

- Fiocruz
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Novo prazo não informado

Obra atrasa e nova fábrica do Butantan não é entregue na data prevista

Ana Bottallo - Folhapress
01 out 2021 às 09:03
Continua depois da publicidade

A nova fábrica de vacinas do Instituto Butantan, que será responsável pela produção da Coronavac, vai atrasar. A previsão inicial era que o local seria entregue nesta quinta (30), mas a obra ainda não foi finalizada.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O espaço de 7.885 metros quadrados e três andares que está sendo construído na zona oeste de São Paulo pretende ser um Centro Multipropósito para Produção de Vacinas (CMPV). A estrutura física para o novo prédio já existia –fica no espaço onde deveria ser uma fábrica de hemoderivados do instituto, que nunca foi adiante.

Continua depois da publicidade


Para a produção de vacinas, que são componentes chamados imunobiológicos, é preciso a construção de laboratórios de biossegurança nível 3, onde se manipula material biológico infectante, no caso vírus e bactérias. Com isso, o prédio teve que ser adaptado para a nova função.


Inicialmente, o diretor do Butantan, Dimas Covas, e o governo de João Doria (PSDB) prometeram a conclusão da construção para meados de setembro, com a previsão de iniciar a produção de vacinas em dezembro. Com o atraso, porém, não há uma nova data para início da atividade na fábrica.

Continua depois da publicidade


Questionada, a assessoria do instituto afirmou que não pode responder ao processo de construção civil da nova fábrica por questões contratuais. Isto porque o dinheiro arrecadado para a obra foi capitaneado pela Comunitas, organização civil que recebeu doações de 45 empresas privadas para a construção do centro, no valor total de R$ 189 milhões.


A promessa de entrega no dia 30 de setembro foi alardeada pelo próprio governador e pela diretora-presidente da Comunitas, Regina Esteves, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. "No dia 30 de setembro teremos uma fábrica de vacinas prontas", afirmou ela em fevereiro.


Agora, porém, a própria organização afirmou em nota que "as obras civis da fábrica estão avançadas e serão entregues no próximo mês", sem especificar uma data. O texto diz também que "a previsão de entrega está dentro do esperado para a especificidade da obra, que atende ao rigor técnico de um moderno complexo fabril de imunizantes".


Apesar da responsabilidade da construção ser da entidade privada, o maquinário para operação foi adquirido pelo instituto, que também será responsável por testá-las. Nem o Butantan nem a Comunitas responderam quanto tempo mais será necessário para concluir as obras e qual o motivo do atraso.


Para Elize Massard de Fonseca, pesquisadora da FGV (Fundação Getulio Vargas) que analisa transferências de tecnologia para incorporação ao SUS no país (como é o caso das vacinas), a complexidade da obra –que necessita de vedação especial em pisos e janelas nos laboratórios de biossegurança nível 3– pode ser um dos motivos da demora.


"Trabalhar com vírus traz um risco alto de contaminação. O Butantan já tinha um laboratório nível 3 para produção da vacina da gripe, que poderia ter sido revertido para a Coronavac, mas acredito que por não quererem parar a produção desta vacina optaram pela construção do zero de uma nova fábrica, o que toma mais tempo", explica.


Além do tempo necessário para construção e dos testes, é preciso ainda que haja a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) antes do início da atividade. "Pode ser também um processo demorado, então talvez o cronograma tenha sido otimista demais mesmo", diz.


No novo espaço serão produzidas, além da Coronavac, também outras vacinas já tradicionalmente fabricadas pelo instituto, como as contra raiva e hepatite. A expectativa é ampliar não só o portfólio de imunizantes, mas também a capacidade para, inclusive, fornecer imunobiológicos para parceiros na América Latina.


Doria deseja usar a nova fábrica como carta eleitoral em 2022. O governador confirmou na última semana sua pré-candidatura à Presidência e disse que vai concorrer às prévias do partido em novembro.

A expectativa era de iniciar a produção da Coronavac ainda em dezembro de 2021, com produção em escala a partir de janeiro de 2022.


Algumas estratégias de comunicação malsucedidas, contudo –como o anúncio de uma vacina 100% brasileira, a Butanvac, quando na verdade a tecnologia era do Hospital Mount Sinai, em Nova York, e os lotes de Coronavac interditados pela Anvisa– vêm manchando a imagem da instituição centenária.


O próprio Ministério da Saúde, segundo apurou o jornal Valor Econômico, disse que não pretende renovar o contrato para 30 milhões de doses adicionais aos 100 milhões já entregues pelo instituto paulista ao governo federal.


Assim, a produção da Coronavac nacional pode servir mais para a exportação das novas doses do que para utilização nacional, uma vez que a própria Organização Pan-Americana de Saúde (braço nas Américas da OMS) fechou um acordo com a Sinovac para oferecer vacinas contra a Covid-19 a países-membros.


De acordo com o vice-diretor da OPAS, Jarbas Barbosa, o acordo prevê a entrega de 8,5 milhões de doses ainda em 2021 e 80 milhões em 2022, segundo a agência de notícias AFP.


Para o pesquisador do Incor Jorge Kalil, ex-diretor do Butantan que esteve à frente do projeto inicial da fábrica de vacinas em 2011, há uma necessidade no Brasil por fábricas para produção nacional de vacinas. 


"O modelo do governo vigente, de transferência de tecnologia de vacinas produzidas lá fora, só beneficia as farmacêuticas que trazem os seus produtos para vender aqui. A pandemia deixou claro como precisamos investir em ciência e tecnologia", diz.


ENTENDA COMO SERÁ A FÁBRICA DE VACINAS


O que é o CMPV?


O Centro Multipropósito para Produção de Vacinas é uma nova fábrica para produção de vacinas no Instituto Butantan, na zona oeste de São Paulo. Atualmente, o instituto possui uma fábrica para produção da vacina contra gripe, uma planta para a produção da vacina contra a dengue (ainda em testes de fase 3) e um terceiro centro para envase e rotulagem de demais vacinas. A ideia do CMPV é concentrar em um único espaço a produção nacional das vacinas Coronavac, contra a raiva, hepatite A, DTPa, dentre outras.


De onde vêm os recursos para o CMPV?


A construção da nova fábrica recebeu financiamento de 45 empresas que fizeram doações por meio da Comunitas, organização civil que ficou responsável por capitanear os recursos privados para a construção em parceria com o governo estadual, por meio da InvestSP e da Fundação Butantan. Foram levantados até agora R$ 189 milhões.


Para quando estava prevista a conclusão da obra?


O governo paulista junto com a Comunitas anunciaram a entrega da nova fábrica para o dia 30 de setembro, porém o prazo não foi cumprido, sem justificativa para o motivo do atraso.


Qual a nova previsão?


Segundo a Comunitas, a nova previsão é para o próximo mês, mas uma data específica.


E para quando estava prevista o início das atividades?


O Butantan pretendia iniciar os testes para a produção da Coronavac nacional em dezembro de 2021 e o início das atividades em janeiro de 2022.


E qual a nova previsão?


O Instituto Butantan e a Comunitas não informaram o novo prazo para início de testes na produção e atividade da fábrica.

Continue lendo