Pesquisar

Canais

Serviços

iStock
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda

Só 16% das cidades têm 80% da população com 2ª dose de vacina contra Covid

23 dez 2021 às 12:01
Continua depois da publicidade

Passado quase um ano desde o início da vacinação no país, apenas 16% dos municípios brasileiros apresentam mais de 80% de sua população com o esquema vacinal completo contra a Covid-19. Essa é uma das conclusões da nota técnica divulgada nesta quarta-feira (22) pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) com base em dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde até o dia 8 de dezembro.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Segundo o levantamento feito por pesquisadores do painel MonitoraCovid-19, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), a campanha de vacinação contra a Covid-19 vem sendo marcada por desigualdades sociais.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Ainda segunda a Fiocruz, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), medido em 2010, ajuda a qualificar a desigualdade da vacinação. "Foi observado que há uma queda de quase 20% na cobertura da primeira dose, de acordo com o nível de desenvolvimento dos municípios", diz a fundação.

Na análise de aplicação da primeira dose da vacina, o levantamento mostra que o grupo de municípios com IDH muito alto apresenta percentual de imunização de cerca de 80%. Nas cidades com baixo IDH, esse percentual é de 60%.


Essa diferença também é constatada na aplicação da segunda dose. O grupo de municípios com IDH muito alto apresenta cerca de 70% da população com esquema vacinal completo. Nos de IDH baixo, é de cerca de 50%.

Continua depois da publicidade


"Ao longo do processo de vacinação esse comportamento foi constante, com maior velocidade de vacinação em municípios com IDH mais elevado em todas as categorias de análise", acrescenta.


A nota técnica da Fiocruz também destaca as diferenças regionais. Na região Sul, 30% dos municípios têm mais de 80% da população com esquema de vacinação completo. No Sudeste, esse índice é de 27,2%, no Centro-Oeste, de 11,8%, no Nordeste, de 2,7%, e na região Norte, de apenas 1,1%.


No dia 8 de dezembro, os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Roraima e Sergipe não tinham município com mais de 80% da população totalmente vacinada.


"Observa-se que 93% dos municípios do Tocantins, Roraima, Pará, Amazonas, Maranhão, Acre e Amapá apresentam coberturas vacinais inferiores a 80%, sendo os estados com as piores situações de cobertura vacinal", salienta o estudo, em alusão à primeira dose.


Até 8 de dezembro, 74,95% da população do país havia recebido a primeira dose, 64,78% estavam com esquema vacinal completo e 9,04% receberam a terceira dose do imunizante.


Para a Fiocruz, a instabilidade dos sistemas de informação do Ministério da Saúde prejudica o monitoramento da doença.


"É preciso frisar que o país, em meio ao processo epidêmico, não disponibiliza dados sobre Covid-19 desde o dia 09/12/2021, o que compromete todas as análises e a criação de subsídios para a tomada de decisão dos gestores. Devido a velocidade de propagação da doença torna-se imprescindível a disponibilização de dados atualizados para direcionar intervenções oportunas", afirma a fundação.

Segundo o documento, existem aspectos que desenham um cenário preocupante para o Brasil, principalmente ao se considerar a ocorrência da transmissão comunitária de uma nova variante.


Entre os aspectos preocupantes, a nota da Fiocruz elenca os seguintes: relaxamento das restrições sanitárias; a desmobilização da população quanto ao uso de máscaras; o retorno da realização de grandes eventos; a ocorrência de epidemias e agravos de saúde concorrentes com a Covid-19; os desastres naturais com a chegada do verão; e a ocupação dos hospitais para diminuição das filas provocadas pela pandemia.


A Fiocruz destaca ainda que, apesar do avanço da vacinação no Brasil, países da Europa com percentuais similares de imunização –como a Alemanha (63%), Itália (67%), França (65%) e Áustria (60%– registraram crescimento de casos durante as férias de verão, sendo obrigados a adotar medidas restritivas de circulação.


"Nesses países, no período citado, ainda não existia a ameaça real da nova variante ômicron, situação com a qual o Brasil terá que lidar, sobretudo se não for exigido o passaporte vacinal para viajantes", frisa a fundação.


A Fiocruz afirma ainda que chegada da Covid-19 fez emergir a importância do PNI (Programa Nacional de Imunização), "que infelizmente enfrenta um cenário no qual se disseminam desinformações sobre a importância e eficácia de vacinas, apesar de inúmeros estudos que atestam os benefícios do imunizante".


"O funcionamento do PNI é baseado nas estruturas de atendimento do SUS que nos anos mais recentes têm apresentado déficits estruturais e descontinuidades de programas essenciais nas equipes de saúde básica, e sobretudo em locais mais carentes. As consequências dessa situação se destacam nesse momento em que se busca mais celeridade no processo de vacinação", afirma.

Continue lendo