12/06/21
PUBLICIDADE
Câncer de pele

Especialista alerta para os cuidados com a pele

Por conta das altas temperaturas no final do ano, é preciso que os cuidados com a pele sejam dobrados para evitar os efeitos nocivos dos raios solares, fator tido como uma das causas principais do aumento nos índices de tumores de pele entre a população brasileira. Segundo o Instituto Nacional do Câncer(Inca), a estimativa é cerca de 180 mil novos casos de câncer de pele em 2016 - valor que corresponde a 30% de todos os casos de tumores malignos no Brasil.

Os melanócitos e queratócitos (células da pele) são os principais envolvidos no processo de fotoproteção e quando expostos ao sol podem aumentar em número e tamanho. O câncer de pele ocorre quando há um crescimento excessivo dessas células que compõem a pele, podendo ser distinguidas em melanoma e não melanoma.

De acordo com a Dra. Daniela Pezzutti, oncologista do Centro Paulista de Oncologia - CPO (Grupo Oncoclínicas), as pessoas tendem a relacionar o câncer de pele exclusivamente ao melanoma. Contudo, 95% dos casos de tumores cutâneos identificados no Brasil são classificados como não melanoma, um índice que está diretamente relacionado à constante exposição à radiação ultravioleta (UV) do sol.

"Geralmente, os principais sintomas de câncer não melanoma são lesões cutâneas com crescimento rápido, com sangramento, ulcerações que não cicatrizam, seguidas de coceira e algumas vezes dor aparentes em áreas muito expostas ao sol como rosto, pescoço e braços", explica a Dra. Pezzutti.

Se a exposição aos raios solares for maior, como na praia ou piscina, por exemplo, é importante abusar do protetor no corpo todo, usar chapéus e evitar horários em que a incidência solar esteja mais forte.

"Pessoas de pele clara, cabelos claros e sardas são mais propensas a desenvolver o câncer de pele. A idade é um fator que também deve ser considerado, pois quanto mais tempo de exposição da pele ao sol, mais envelhecida ela fica, aumentando também a possibilidade de surgimento do câncer não melanoma.", destaca a Dra. Daniela. É importante a avaliação frequente de um especialista (dermatologistas) para acompanhamento das lesões cutâneas.

O câncer de pele não melanoma pode ser classificado em: carcinoma basocelular, que é o tipo mais frequente, em que o crescimento normalmente é mais lento. O diagnóstico se dá usualmente por um aparecimento de uma lesão nodular rosa com aspecto peroláceo na pele exposta do rosto, pescoço e couro cabeludo e carcinoma espinocelular, mais comuns em homens, formando um nódulo que cresce rapidamente e com ulceração (ferida) de difícil cicatrização. "Tanto o carcinoma basocelular quanto o espinocelular ocorrem pela alta exposição dos raios solares e devem ser prevenidos com protetor solar e consultas frequentes com dermatologista".

O câncer de pele melanoma é o mais agressivo. São geralmente os casos que iniciam com o aparecimento de pintas escuras na pele, que apresentam modificações ao longo do tempo. As alterações a serem avaliadas como suspeitas são o "ABCD"- Assimetria, Bordas irregulares, Cor e Diâmetro. "A doença é de fácil diagnóstico quando existe uma avaliação prévia das pintas", finaliza a Dra.

É recomendável à ressecção cirúrgica destas lesões por especialista habilitado para adequada abordagem das margens ao redor da mesma. Posteriormente, dependendo do estágio da doença, pode ser necessária a realização de tratamento complementar. Quimioterapia ou radioterapia são raramente necessárias visto que, se diagnosticado precocemente, a cirurgia pode resolver na maioria dos casos.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
e 287 casos

Maringá tem morte de adolescente de 17 anos por novo coronavírus

11 JUN 2021 às 18h20
Saiba mais

Gestantes sem comorbidades são incluídas de novo na vacinação contra o novo coronavírus

11 JUN 2021 às 18h12
Instituição de idosos

Arapongas confirma 53 casos de Covid-19 no Lar São Vicente

11 JUN 2021 às 17h41
Boletim diário

Paraná vai a 1.136.736 casos confirmados e 27.762 óbitos pelo novo coronavírus

11 JUN 2021 às 17h31
Cuide-se!

Londrina atinge 1.563 óbitos e 61.886 casos positivos em decorrência do novo coronavírus

11 JUN 2021 às 17h20
Brasil

Anvisa autoriza vacina da Pfizer, Cominarty, a adolescentes de 12 a 15 anos

11 JUN 2021 às 09h50
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados