30/05/20
24º/LONDRINA
|
Saiba mais

Exames de rotina devem ser feitos para evitar procedimentos desnecessários

É comum as pessoas consultarem médicos periodicamente e realizarem baterias de exames de rotina para checar se há algum problema de saúde a ser diagnosticado. Existes diversos tipos de exames mas menos exames e procedimentos invasivos podem ser as melhores opções.

As pessoas devem se sentir à vontade para procurar um médico se estiverem preocupadas com a saúde ou eventuais doenças. O problema é tentar convencer pessoas saudáveis de que elas devem frequentar médicos periodicamente para detectar doenças assintomáticas.


"Uma parte da população usa o check-up como uma oportunidade de colocar algum assunto que a preocupa – como medo de ter contraído HIV ou uma dor que ela teme ser câncer. Essas pessoas, podem acabar fazendo exames desnecessários, que provavelmente não terão a ver com o problema que tinham", explica Antônio Modesto, médico de família e comunidade, membro da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC).

Boa parte desses check-ups consiste em pacotes pré-definidos de acordo com sexo e faixa etária. Nesse contexto, inúmeros exames são pedidos desnecessariamente, além disso, Modesto, explica que cada especialidade quer destaque para uma prevenção particular: os dermatologistas com o câncer de pele, os endocrinologistas com o câncer de tireoide, os cardiologistas com a hipertensão arterial, os cirurgiões cardíacos com o aneurisma de aorta. A pessoa passaria o ano indo a consultas mensais se atendesse a todos esses apelos.

Os exames de rotina a serem realizados devem ser avaliados e indicados pelo médico a partir de histórico do paciente, de acordo com a avaliação e acompanhamento periódico. "Exames mais universais incluem medida de pressão arterial anualmente a partir dos 18 anos; sorologia para HIV, sífilis e hepatites em pessoas que já tiveram relações desprotegidas; Papanicolaou a cada três anos a partir de 25 anos; mamografia a cada dois anos a partir dos 50 anos – aliás, mesmo a indicação da mamografia tem sido progressivamente questionada.

A indicação viável é sempre a conversa com o médico de confiança e discutir a necessidade da realização de exames ou caso haja indicação, o questionar sobre por que está realizando aquele procedimento e quais são as indicações científicas para tal e entender por que os exames estão sendo solicitados, como podem ajudá-lo e se há riscos envolvidos, inclusive de falsos-positivos. A boa relação médico-paciente é imprescindível para que todas as decisões sejam tomadas de comum acordo e evite ansiedade desnecessária, assim como custos efetivos sobre exames que poderiam ser evitados.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Mais de 27 mil mortes
Brasil supera Espanha e se torna o 5º país com mais mortes por coronavírus
29/05/2020 20:00
Queda de casos
Londrina registra redução de notificações de dengue nas últimas semanas
29/05/2020 17:13
Cuide de sua saúde
Entenda por que as dores de cabeça estão mais frequentes na pandemia e saiba como tratar
29/05/2020 11:50
Projeções
'Se Brasil parar por duas semanas, é possível evitar as 125 mil mortes', diz especialista
29/05/2020 10:11
Medidas de prevenção
Hospital Evangélico reabre pronto-socorro nesta sexta-feira
29/05/2020 09:39
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados