25/02/21
Essencial na cozinha oriental

Glutamato monossódico faz mal à saúde?

O mal estar vinha de repente e era conhecido como a "síndrome do restaurante chinês": dores de cabeça, náuseas e um estranho formigamento que algumas pessoas sentiam depois de fazer uma refeição tipicamente oriental. O vilão era sempre o mesmo: o tempero chamado de glutamato monossódico (glutamato de sódio ou GMS).

A substância ficou famosa em 1968, quando o médico Robert Ho Man Kwok escreveu para a revista New England Journal of Medicine refletindo sobre as possíveis causas de uma síndrome que ele sentia toda vez que comia em restaurantes chineses nos Estados Unidos.


Kowk especulava se a causa não seria o molho de soja, mas ressaltou que usava o ingrediente em casa sem sentir os mesmos efeitos. Até que veio uma ideia: talvez fosse o glutamato de sódio usado como tempero nesses restaurantes.

Divulgação
Divulgação


A tese acabou se espalhando no meio acadêmico, dando origem a inúmeros estudos científicos, livros sobre "a verdade do GMS", receitas "anti-GMS" e até a anúncios por parte dos restaurantes dizendo que não usavam o tempero em sua comida.

Até no leite materno
O glutamato monossódico é o sal sódico do ácido glutâmico. Como foi descoberto pelo químico japonês Kikunae Ikeda, em 1908, trata-se do sal mais estável formado a partir do ácido glutâmico e um dos melhores para provocar a sensação de paladar conhecida como "umami" – algo associado ao sabor da carne, mas que é diferente dos gostos salgado, azedo ou amargo típicos de outros alimentos.

O glutamato é o ingrediente mágico do GMS. É um aminoácido comum em uma ampla variedade de alimentos, incluindo tomate, queijo parmesão, cogumelos secos, molho de soja e leite materno.

Ikeda conseguiu isolar o componente a partir da alga kombu seca que sua mulher usava para fazer o caldo dashi, onipresente na culinária japonesa. Acrescentar sódio, um dos dois elementos do sal comum, permite que o glutamato seja estabilizado em forma de pó e adicionado à comida.

O condimento à base de GMS criado por Ikeda, batizado de Ajinomoto ("essência do sabor", em japonês) e hoje encontrado em todo o mundo, fez do cientista um milionário.

Enxurrada de estudos
Depois da carta de Kwok, uma enxurrada de experimentos foi realizada em animais e humanos, que foram submetidos a grandes doses de glutamato de sódio tanto por via oral quanto por via intravenal.

De início, tudo indicava que Kwok teria razão. O pesquisador John W. Olney, da Universidade de Washington, descobriu que injetar enormes quantidades da substância sob a pele de ratos recém-nascidos levava ao surgimento de faixas de tecido morto no cérebro. Ao se tornarem adultos, os animais eram atrofiados, obesos e, por vezes, estéreis.

Outro estudo, realizado na Austrália, ofereceu doses cada vez maiores de GMS em cápsulas a 71 voluntários saudáveis – tratando alguns deles com um placebo. Os pesquisadores perceberam que os sintomas desagradáveis ocorriam com a mesma incidência, independentemente da substância ingerida.

(com informações do site BBC)
Redação Bonde
Continue lendo
Boletim da pandemia

Londrina: mais três mortes e 302 casos de coronavírus

24 FEV 2021 às 18h46
Boletim

Maringá registra mais duas mortes e 222 casos de Covid-19

24 FEV 2021 às 18h02
Boletim

Paraná registra mais 65 mortes e 4.449 casos de Covid-19; imunizados já são mais de 380 mil

24 FEV 2021 às 16h51
Covid-19

Maringá inicia estudos para compra de vacinas

24 FEV 2021 às 16h16
Boletim

Ibiporã registra mais duas mortes e 30 casos de Covid-19

24 FEV 2021 às 15h58
Saiba mais

Vacina da Johnson & Johnson é segura e eficaz, informa agência

24 FEV 2021 às 15h20
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados