20/09/20
°/°
Saiba mais

Mulheres com mamas densas têm até mais chances de ter câncer de mama

Histórico de câncer de mama na família é um fator de risco muito importante quando o assunto é prevenção. Mas quem tem mamas densas também se encaixa no grupo de risco e deve ser acompanhada de perto por seu médico ginecologista. Apesar das campanhas internacionais, o câncer de mama ainda está aumentando, em parte por causa da maior expectativa de vida das pacientes, em parte por causa do sedentarismo, da obesidade, do consumo elevado de álcool e até mesmo porque a maternidade está sendo adiada para depois dos 40 anos.

De acordo com Vivian Schivartche, médica radiologista do CDB Premium, em São Paulo, acrescentar informações sobre a densidade mamária nos laudos das mamografias acaba resultando num melhor modelo de prevenção, já que mulheres com mamas densas têm até cinco vezes mais chances de desenvolver câncer de mama em relação àquelas com baixa densidade mamária. A especialista em diagnóstico da mama afirma que um dos grandes desafios da mamografia é que mamas densas (principalmente nos níveis três e quatro) podem dificultar a interpretação das imagens.


Outro ponto que gera dúvidas de interpretação são as calcificações. Elas fazem parte de muitos processos da mama. Algumas são malignas, outras não. Por isso, muitas vezes é necessário realizar imagens adicionais na mamografia ou ainda uma biópsia para chegar a um diagnóstico definitivo.

"Entre 5% e 15% das pacientes costumam receber uma chamada para imagens adicionais. Não significa que têm câncer de mama, mas que por algum motivo as imagens não estão bem claras. Estudos apontam que pacientes entre 40 e 49 anos têm 30% de chance de ter um resultado falso-positivo num período de dez anos – ou seja, serem chamadas para fazer imagens adicionais sem ter câncer."

Vivian Schivartche orienta quem vai fazer mamografia:
1. "Observe a reação do seu corpo durante o ciclo menstrual e evite agendar a mamografia naqueles dias em que as mamas estão mais sensíveis e doloridas".

2. "Se puder escolher, dê preferência às clínicas que investem em novas tecnologias, já que os novos mamógrafos tornam o exame mais rápido e menos incômodo às pacientes. Outro ponto importante é a clínica contar com um radiologista especializado em imagem da mama para orientar a realização do exame".

3. "Durante o exame, procure seguir a orientação do profissional que está no comando, evitando movimentos que possam comprometer o resultado final. Tenha em mente de que se trata de um exame rápido, realizado somente uma vez ao ano, e que pode salvar a sua vida".

4. Se for chamada para uma repetição, não tenha medo e procure agendar o quanto antes. Na hora do exame, tente relaxar, permitindo a compressão necessária para a melhor imagem possível. Oito em cada dez nódulos encontrados não têm nada a ver com câncer".
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Estatísticas
Covid-19: Londrina tem três novos óbitos e chega a 231 mortes
19 SET 2020 às 17h16
No Paraná
Sesa confirma mais 26 mortes pelo novo coronavírus
19 SET 2020 às 17h01
Investimentos
Após seis meses, PR mantém enfrentamento ao coronavírus
19 SET 2020 às 14h14
Levantamento
Covid-19 responde por 97,5% dos casos de SRAG reportados no Brasil
19 SET 2020 às 08h45
Boletim da Sesa
Paraná ultrapassa 160 mil confirmações e 4 mil óbitos pela Covid-19
18 SET 2020 às 19h03
Boletim
Londrina tem mais quatro mortes pela Covid-19 e 132 novos casos
18 SET 2020 às 18h48
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados