03/04/20
32º/19ºLONDRINA
|
Cuidado com a saúde

No dia Mundial da Hemofilia, conheça alguns mitos e verdades

Em 17 de abril, Dia Mundial da Hemofilia, a Federação Brasileira de Hemofilia (FBH) desvenda alguns mitos e verdades sobre o transtorno genético que afeta a coagulação do sangue que, se não tratado preventivamente causa hemorragias internas, externas e hermatroses, que são sangramentos nas articulações, podendo causar deficiência física grave e até invalidez.

A coagulopatia é muito grave em todas as pessoas. Mito. A hemofilia é caracterizada pela falta de produção de um dos 13 fatores de coagulação do sangue e pode ser caracterizada como grave, moderada ou leve.


Existem dois tipos de hemofilia. Verdade. A hemofilia é classificada em dois tipos: a hemofilia A, ocorre pela falta ou diminuição da produção do Fator VIII de coagulação, atinge um a cada 10.000 meninos nascidos vivos, já a hemofilia B, é diagnosticada pela ausência ou baixa produção do Fator IX e é mais rara. Atinge um a cada 35.000 meninos.

O Brasil é o terceiro maior país do mundo em pessoas com coagulopatias: Verdade. O país está atrás apenas de Estados Unidos e Índia e tem 6,3% da população mundial com hemofilia A.

A hemofilia é transmitida de mãe para filho: Verdade. A coagulapatia é transmitida de mãe para filho ou filha, e também de pai para filha, pois o gene da hemofilia fica no cromossomo sexual X. A portabilidade da mãe pode ser diagnosticada por meio de exames genéticos que desde janeiro de 2014 passaram a ser cobertos por planos de saúde, segundo norma da Agência Nacional de Saúde, a ANS.

A mulher pode ser portadora do gene da hemofilia. Verdade. Uma mulher portadora do gene da hemofilia não a manifesta e pode conceber um filho com 50% de chance de ter hemofilia e caso o bebê seja menina, a mesma tem 50% de chance de ser portadora do gene, assim como a mãe.

Não é transmitida por transfusão de sangue. Verdade. Além disso, não é contagiosa, não se transmite pelo ar ou por ter contato com o sangue de uma pessoa com a coagulopatia.

A hemofilia pode ser hereditária ou por mutações genéticas. Verdade. 2/3 são casos genéticos por hereditariedade e 1/3 por mutação genética. Existem mais de 1000 tipos de mutações genéticas para a hemofilia.

Animais também podem ter hemofilia. Verdade.

Sem a profilaxia, a pessoa corre risco de sequelas graves e até a morte. Verdade. Caso a pessoa ou criança com hemofilia esteja sem o Fator de coagulação no organismo preventivamente e sofrer alguma queda, batida ou corte, deve ser encaminhada imediatamente ao hemocentro mais próximo. Se não tiver atendimento adequado, dependendo do local e da gravidade do sangramento, pode correr risco de vida.

Com o tratamento preventivo, a pessoa com hemofilia tem vida normal. Verdade. Hoje, uma pessoa com hemofilia pode ter uma vida normal e exercer seu papel na sociedade ao frequentar escolas, universidades e ter uma rotina de trabalho diária, fazendo atividades físicas e esportes. Basta fazer o tratamento preventivo, a profilaxia, que está disponível em todos os Centros de Tratamento de Hemofilia do Brasil, gratuitamente. Ela proporciona aumento de 80% da qualidade de vida.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Isolamento domiciliar
Lacen confirma primeiro caso de coronavírus em Rolândia
02/04/2020 21:15
304 descartados
Londrina está com 34 casos confirmados do novo coronavírus; 65 suspeitos
02/04/2020 19:45
638 em investigação
Paraná confirma mais 29 casos de Covid-19; 258 no total
02/04/2020 16:57
Senhor de 72 anos
Quarta morte por Covid-19 é registrada no Paraná
02/04/2020 15:54
Agende o horário
Londrina recebe 20 mil doses de vacina contra a gripe
02/04/2020 13:58
Veja mais e a capa do canal