Pesquisar

Canais

Serviços

Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Diz especialista

Pacientes oncológicos não devem se vacinar contra febre amarela

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
09 jan 2019 às 15:44
Continua depois da publicidade

Com a chegada do verão, o país entra em alerta para a Febre Amarela, doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. A Vacinação contra a doença é a principal forma de combate, mas apesar disso é muito comum que a população tenha dúvidas sobre a vacina.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A vacina contra a febre amarela é segura, no entanto, há restrições em casos de gestantes, idosos, crianças com menos de nove meses e pessoas que apresentem imunodeficiência. No caso específico de pacientes com câncer, a recomendação é que a vacina não seja tomada durante o período de tratamento.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


De acordo com o oncologista do CPO (Centro Paulista de Oncologia), Andrey Soares, o paciente oncológico que está recebendo quimioterapia, por estar com a imunidade fragilizada e com uma capacidade menor de produzir anticorpos, ao receber o vírus da febre amarela vivo atenuado, corre mais riscos de apresentar efeitos colaterais. "Nesses casos, a vacinação só pode ocorrer três meses após a finalização do tratamento quimioterápico", comenta.

Já em casos de pessoas que estão recebendo a imunoterapia e radioterapia, é recomendado aguardar a conclusão do tratamento para receberem a imunização. "Vale ressaltar que não há motivo para pânico. Cada situação é avaliada de acordo com a saúde do paciente e a região onde reside, é possível indicar outros mecanismos de proteção contra a doença. A transmissão da febre amarela se dá por meio da picada do mosquito contaminado. Por isso, pacientes em tratamento de câncer, assim como outros de grupos que não tenham recomendação de imunização, devem utilizar roupas adequadas que cubram maior parte da pele, repelente e considerar o uso de mosquiteiros na janela e/ou sobre a cama", finaliza especialista.


Continue lendo