26/11/20
Exercite a sua

Por que perdemos a memória? Especialista responde

Hoje em dia as queixas referentes aos problemas de memória têm crescido muito. Mas as pessoas precisam ficar atentas para a diferença entre falta de atenção e a perda de memória. A falta de atenção ocorre quando a informação não é armazenada, não "entra na memória". Já a perda de memória acontece quando a informação é "perdida", como o esquecimento do nome de parentes, por exemplo. O estresse e a depressão são fatores que influenciam muitas vezes na falta de atenção. A alimentação e a prática de exercícios também são importantes para manter a memória em dia.

E se a perda de memória ocorrer por causa de um trauma? Como um acidente de carro. Acidentes de trânsito podem causar perda de memória e nada garante que, com o passar do tempo, a vítima irá se recordar ou ter alguma lembrança do que aconteceu.


Esse tipo de perda de memória se chama amnésia traumática e é ocasionada pela desaceleração no momento da colisão que faz com que o cérebro seja jogado violentamente para frente e para trás e se choque com a parte óssea da cabeça. Quando isso acontece, a pessoa pode sofrer alterações na coordenação motora, na fala e até no nível de consciência.

Além disso, tem o efeito psicoemocional, no qual o cérebro, por meio de um mecanismo de defesa, bloqueia as lembranças relacionadas ao trauma.

A hipertensão, o colesterol alto, o tabagismo e o álcool também são fatores de risco para a perda da memória, pois todos começam a acelerar o processo de envelhecimento das artérias. O processo começa com a obstrução nas micro artérias, ocasionando perda de sangue em regiões do cérebro, causando pequenas isquemias e assim os neurônios ficam sem nutrientes e morrem. Por isso é importante praticar atividade física que ajuda a diminuir os fatores de risco, promove maior vascularização cerebral e assim aumentar a ação dos neurotransmissores.
Um fator muito importante é a qualidade do sono. Ter um sono completo com todas as fases ajuda a memória. A fase REM aumenta a atividade cerebral, o que é essencial para a codificação de informações úteis. O sono é um recuperador de energias. Ele ajuda a levar mais energia para os neurônios, promovendo as sinapses.

O cérebro tem proteínas que se ligam aos neurônios e quando acontece a diminuição das sinapses (que é a ligação entre os neurônios), acontece a perda de memória, que é uma limitação na comunicação entre os neurônios. A falta de sinapse faz com que os neurônios fiquem sem energia e comecem a morrer.

Não existe remédio para reverter à perda de memória. Hoje os medicamentos servem para tentar evitar a piora da morte dos neurônios. As medicações estimulam os neurotransmissores no cérebro. E ao contrário do que muita gente pensa, o café não prejudica a memória. Estudos comprovaram que a cafeína tem eficácia na "fixação" da memória. Agora os estudos estão voltados para interpretar como a cafeína atua em cada parte da memória, uma delas é o hipocampo.

Uma atividade que ajuda a memória são os jogos que além de exercitar o cérebro, proporciona divertimento e descontração. Eles ajudam na melhora da coordenação motora, no relaxamento, na agilidade, no raciocínio lógico e até em um melhor convívio social.

O quebra-cabeça, por exemplo, junta em um só jogo cor, forma, lugar e objeto. Os jogos de tabuleiro são uma ginástica para o cérebro já que é preciso coordenar diversas informações ao jogar. Já os jogos em equipe melhoram a coordenação motora e a agilidade e não podemos esquecer das palavras cruzadas, que exercitam a memória e a atenção.

Em resumo, a perda de memória/amnésia pode ocorrer por: trauma - quando ocorre uma lesão direta em uma região chamada lobos temporais; alcoolismo - causa amnésia por lesão direta do álcool e por carência de vitamina B1; amnésia global transitória – doença de causa desconhecida, quando o paciente para de fixar novas memórias; doenças degenerativas como o Alzheimer e causas psicológicas – após estresse intenso o paciente pode esquecer parte de suas memórias ou mesmo todas elas. Mas geralmente é um quadro transitório.

O melhor a fazer para manter a memória em dia é praticar atividade física, ter uma alimentação saudável, dormir bem e o principal, exercitar a memória. E se observar qualquer alteração procurar um médico. (*Por André Gustavo Lima, neurologista, especialista em prevenção de AVC , membro da Academia Brasileira de Neurologia e diretor da clínica NeuroVida Cuidados Médicos).
Redação Bonde*
Continue lendo
Boletim da Sesa

Paraná tem mais 1.823 pessoas diagnosticadas com Covid-19

26 NOV 2020 às 00h04
Novas normativas

Após alteração de matriz de risco, novo decreto é publicado em Maringá

25 NOV 2020 às 23h57
Boletim diário

Londrina registra 238 novos diagnósticos de Covid-19

25 NOV 2020 às 20h00
Informe da Sesa

Paraná registra três mortes de macacos por febre amarela

25 NOV 2020 às 15h15
Solidariedade

Saúde ressalta importância da doação de sangue

25 NOV 2020 às 11h00
Dia do Doador de Sangue

Hemocentros se unem em campanha para doação de sangue

25 NOV 2020 às 10h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados