25/02/21
PUBLICIDADE
Número de casos dobrou

Programa Acessa SUS pode diminuir processos judiciais e facilitar trâmites para pacientes

Na última segunda-feira (13), o governo de São Paulo lançou o projeto Acessa SUS, que havia sido firmado entre o TJSP, a Secretaria Estadual da Saúde, o Ministério Público e a Defensoria Pública no fim do ano passado. A partir de agora, pacientes da Capital e Grande São Paulo terão um local para solicitar medicamentos e resolver pendências antes de qualquer liminar judicial.

O acordo prevê que uma comissão técnica fique responsável por avaliar individualmente o caso daqueles que buscarem a Defensoria Pública, o Ministério Público ou o Judiciário para reivindicar o custeio de tratamentos médicos. Esses postos de atendimento tratarão da demanda antes da tomada de qualquer decisão da Justiça.


Para a Dra. Claudia Nakano, advogada no Nakano Advogados Associados, e especializada no Direito à Saúde, a medida, se bem aplicada, vem para beneficiar os pacientes. "A expectativa é que os pacientes tenham suas pendências avaliadas em tempo mais hábil. Além disso, diminuir os processos judiciais faz com que o Estado deixe de realizar gastos com tantos processos, que hoje são levados adiante legitimamente, por conta da urgência e necessidade dos pacientes", comenta.

Segundo dados apresentados pelo governo do Estado, o número de condenações judiciais que obrigam a Secretaria da Saúde a custear determinados remédios e materiais dobrou nos últimos cinco anos. Somente em 2016, o gasto foi de R$ 1,2 bilhão.

O projeto
O Acessa SUS funcionará da seguinte forma: pacientes que procurarem a Defensoria Pública, Ministério Público, Poder Judiciário ou os postos de atendimento da secretaria com suas receitas serão encaminhados para a comissão para serem avaliadas. Se o medicamento prescrito fizer parte da lista de itens que são fornecidos gratuitamente pelo SUS, o paciente será inserido nos programas de assistência farmacêutica já existentes, evitando assim uma ação judicial.

Caso o remédio necessário não esteja na lista, a comissão indicará as alternativas existentes no SUS e o médico do paciente deverá fornecer uma nova receita. Caso o médico avalie que a alternativa apresentada não é ideal, uma Solicitação Administrativa será aberta e analisada também pela comissão, que atestará a eficácia do item e a necessidade de incluí-lo na lista do SUS.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Boletim diário

Londrina registra mais oito mortes pela Covid-19 e 314 novos casos

25 FEV 2021 às 20h28
Imunização

Saúde abre agendamento para vacinar idosos de 80 a 84 anos contra a Covid-19 em Londrina

25 FEV 2021 às 18h30
Saiba mais

Paraná garante vacina para 90% dos trabalhadores da saúde

25 FEV 2021 às 16h11
Boletim

Paraná registra mais 110 mortes e 5.622 casos de Covid-19; imunizados já são mais de 293 mil

25 FEV 2021 às 15h48
Saiba mais

Hospital Municipal de Maringá chega a 100% de ocupação; leitos estão sendo transferidos

25 FEV 2021 às 15h23
Pandemia ON

Prefeitura de Londrina solicita ativação de mais leitos de UTI Covid no Hospital do Coração

25 FEV 2021 às 10h48
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados