Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Descubra

Quanto a mulher pode engordar na gravidez?

Sua Saúde - Folha de Londrina
17 jun 2013 às 15:18
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O rápido desenvolvimento e amadurecimento da criança durante a gravidez suscita grandes modificações no metabolismo de energia e acúmulo de gordura no organismo da mãe. A deposição de gordura ocorre principalmente durante a 1 metade da gestação, e alcança o máximo com 30 semanas.

Representa quatro quilos de acréscimo no peso da grávida quando o ganho total é de 13 kg. O aumento de peso total durante a gravidez, em mulher sem restrição alimentar, é de 12-13 kg.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O aumento de peso durante a gravidez se deve principalmente ao ganho cumulativo que ocorre com o feto em seu desenvolvimento, crescimento da placenta, aumento gradativo do líquido amniótico, crescimento e hipertrofia do útero, desenvolvimento das mamas, aumento do volume sanguíneo e finalmente aumento do líquido extracelular.

Leia mais:

Imagem de destaque
Confira!

Febre, calafrios e dores são principais efeitos colaterais da vacina da AstraZeneca

Imagem de destaque
Previna-se!

Esclareça suas dúvidas sobre Terçol

Imagem de destaque
Dia Mundial da Osteoporose

Conheça os mitos e verdades sobre a osteoporose

Imagem de destaque
Saiba mais

Quais os desafios de fazer uma vacina chegar à população?


O padrão é característico: acréscimo mínimo no primeiro trimestre, de cerca de 1 kg, depois um aumento de peso de 300 a 400 gramas por semana, no segundo trimestre, dos quais 60% ocorrem no compartimento materno, e no terceiro trimestre elevação idêntica, conquanto 60% no compartimento fetal. No final, observa-se quatro quilos de gordura armazenada com fonte potencial de energia.

Publicidade


A restrição alimentar excessiva pode estar associada a efeitos sobre o desenvolvimento fetal, como o nascimento de crianças de baixo-peso e aumento da mortalidade perinatal. Deve ser combatido o uso de moderadores do apetite, dietas hipocalóricas e dietas hipossódicas.


O aumento de peso excessivo tem sido associado à maior incidência de complicações obstétricas, hipertensão arterial, pré-eclâmpsia leve, diabete gestacional e macrossomia fetal.


Não é aconselhável o tratamento do excesso de peso durante o período gestacional. Este deve ser postergado para depois do parto. A redução calórica abaixo de 1.500 kcal pode levar a danos ao desenvolvimento intelectual da criança.

Osmar Henriques, médico especialista em reprodução humana


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade