24/09/20
°/°
Fique atento!

Repelente não é suficiente para evitar picada do mosquito do zika

A principal orientação do Ministério da Saúde para evitar o contágio pelo zika vírus, transmitido pelo Aedes Aegypti, é o uso tópico do repelente industrial. O produto, no entanto, não é 100% eficaz e deve ser utilizado ao lado de outras medidas preventivas, segundo especialistas de diferentes áreas médicas consultados pelo UOL.

Coordenador dos testes pela vacina contra a dengue desenvolvida pelo Instituto Butantan, o professor de imunologia e alergia da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) Esper Kallas é taxativo: o repelente industrial é o meio de combate mais adequado ao mosquito, mas não faz 'milagres'.


Divulgação
Divulgação


De acordo com o pesquisador, produtos anti-insetos como os repelentes de tomada também auxiliam, mas têm a mesma eficácia, por exemplo, de ações caseiras de efeito passageiro como velas ou essências de citronela. "São medidas que ajudam, mas não eliminam o risco da picada".

O ideal é adotar um conjunto de medidas, iniciado pela erradicação de focos de criadouro do mosquito em sua casa. Roupas compridas, mosquiteiro em berços e até tela nas janelas podem ajudar. (Veja medidas de prevenção)

Só alguns repelentes são eficientes contra o Aedes, diz infectologista
Coordenadora da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora da Unifesp, a infectologista Nancy Bellei aponta que nem todos os repelentes industriais espantam o mosquito Aedes Aegypti.

"Os repelentes naturais agem por cerca de 20 minutos e evaporam; os repelentes industriais têm duração um pouco maior, mas apenas aqueles à base de icaridina ou picaridina funcionam realmente contra o Aedes". Os demais repelentes industriais, explicou a infectologista, ou são facilmente resistidos pelo organismo, ou têm concentrações muito baixas do produto ativo permitido no Brasil.

Anvisa lista produtos registrados
A Anvisa (Agência Nacional de Saúde) registra repelentes com três princípios ativos diferentes, o DEET (n,n-Dietil-meta-toluamida), o IR3535 e a Icaridina. A agência alerta que cada repelente tem duração e indicação diferente em relação ao número máximo de vezes que pode ser usado sem prejuízo, sobretudo no caso de grávidas e crianças.

Gestantes do primeiro ao terceiro mês de gravidez, por exemplo, podem usar com segurança repelentes à base de DEET – não recomendados, por outro lado, para uso em crianças menores de 2 anos.

Em crianças entre 2 e 12 anos, explica a agência, a concentração dever ser no máximo 10%, e a aplicação, ser restrita a três vezes ao dia. Concentrações da substância acima desse percentual são permitidas para maiores de 12 anos. Os produtos à base de DEET duram, em média, até quatro horas no corpo.

Produtos feitos com as substâncias repelentes Icaridina ou picaridina, como o Exposis, têm duração prolongada: até dez horas. Repelentes com EBAAP ou IR3535 têm duração de até quatro horas.

O registro dos produtos pode ser consultado no site da Anvisa, que disponibiliza também a lista de produtos cosméticos registrados

Pressão popular para mais pesquisas científicas
Para Kallas, o alarde em torno da existência de outro vírus transmitido pelo mesmo inseto pode ter efeito didático na população – especialmente na busca por voluntários às pesquisas científicas que desenvolvem vacinas e remédios para as doenças.

"É importante esse engajamento da sociedade - a situação está difícil demais para a gente ainda achar que o chá da vovó tem a resposta para as doenças, quando, na realidade, isso deve ser buscado por meio de respostas científicas", declarou.
(com informações do site UOL)
Redação Bonde
Continue lendo
Boletim da Sesa
Sesa registra 1.633 novos casos e 36 mortes pela covid no PR
24 SET 2020 às 20h18
Boletim
Mais três mortes por Covid-19 são registradas em Londrina; 110 novos casos
24 SET 2020 às 19h39
Pandemia
Arapongas bate a marca de 100 mortes pelo novo coronavírus
24 SET 2020 às 18h11
Transplante
Doações de órgãos caíram 40% com pandemia
24 SET 2020 às 16h49
Nenhum óbito
Maringá confirma 82 novos casos de Covid-19 nesta quinta-feira
24 SET 2020 às 16h00
Moradora da região sul
Londrina registra o primeiro caso de chikungunya de 2020
24 SET 2020 às 15h03
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados