19/02/20
34º/21ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Dia Mundial do Diabetes

Saiba mitos e verdades sobre diabetes e retinopatia diabética

Atualmente, mais de 13 milhões de pessoas vivem com diabetes no Brasil. Devido à relevância no país e no mundo, a doença tem no calendário da OMS (Organização Mundial da Saúde) uma data comemorativa, o dia 14 de novembro, em atenção aos cuidados com as consequências de sua evolução – entre elas, a retinopatia diabética, doença que pode levar à cegueira e que ainda é bastante desconhecida pela população, inclusive pelos diabéticos.

Agência Brasil
Agência Brasil


Segundo Octaviano Magalhães, médico oftalmologista, o acesso à informação é a primeira ferramenta para ajudar a esclarecer alguns mitos sobre a retinopatia diabética e promover melhores acessos ao diagnóstico e tratamento adequado. Para isso, o especialista apontou quais são os principais mitos e as principais verdades sobre as duas doenças. Confira:

O diabetes tem cura

Mito. Tanto o diabetes tipo 1 quanto o tipo 2 ainda não têm cura, porque seus mecanismos de desenvolvimento ainda não estão bem definidos. Caracterizada por uma deficiência na produção da glicose pelo pâncreas, se não for controlada, a doença evolui com o comprometimento do funcionamento de outros órgãos, levando à sua falência.

Segundo a Federação Internacional de Diabetes, esta é uma doença que deve ter atenção de todas as famílias, pois é uma das principais causas de amputação, de doença cardíaca, de doença renal e de morte prematura.

O diabetes pode causar cegueira irreversível

Verdade. Uma das complicações do diabetes para a saúde ocular é a retinopatia diabética, disfunção que afeta diretamente os pequenos vasos da retina. Esses vasos sofrem com o inchaço - o que os médicos chamam de edema - e podem extravasar, desencadeando as dificuldades visuais.

A retinopatia diabética é uma doença silenciosa

Verdade. Enquanto os vasos sanguíneos sofrem alterações, as mudanças visuais são mínimas. Mesmo com a doença já instalada, raramente o paciente irá apresentar olhos vermelhos, secreção, coceira ou qualquer outro sintoma na superfície ocular. Desta forma, de maneira súbita e indolor, é comum que o indivíduo se dê conta da existência da doença somente quando perde a visão de um dos olhos.

Não há como prevenir a cegueira causada pela retinopatia diabética

Mito. Controlar a glicemia, o sistema metabólico, a pressão arterial, as taxas de colesterol e triglicérides e realizar os exames de rotina periodicamente com o médico endocrinologista e com o médico oftalmologista podem ser efetivos para prevenção da cegueira.

A retinopatia diabética está associada à idade

Mito. A retinopatia diabética está diretamente relacionada ao diabetes, o que independe da idade, embora possamos considerar que as suas consequências evoluam junto com o envelhecimento do indivíduo.

A retinopatia diabética só pode ser diagnosticada com exames específicos

Verdade. Para identificar a presença da doença é necessária a realização de um exame chamado de mapeamento de retina, que consegue visualizar o estado geral da retina e o fluxo sanguíneo. Sua realização deve ser feita a cada seis meses, especialmente em pessoas diabéticas.

Existe tratamento para controlar a evolução da retinopatia diabética

Verdade. O tratamento compreende primeiramente o controle da doença sistêmica, ou seja, do próprio diabetes por meio do controle da glicemia com apoio de medicamentos contínuos e hábitos de vida saudáveis (alimentação e atividade física). Em paralelo, é importante a consulta regular com o médico oftalmologista para prescrição de medicações específicas de controle da retinopatia diabética, como injeções de medicações intravítreo à base de dexametazona, anti-VEGF, fotocoagulação a laser e cirurgia
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Fique ligado

Hemocentro divulga horário de atendimento no Carnaval

Ultrassonografia mamária

Câmara aprova ultrassom obrigatório para mulheres com risco de câncer

Veja mais e a capa do canal