02/03/21
Gravidez

Tratamentos para engravidar são diretos da mulher garantidos por lei

Existem mulheres que têm vontade de engravidar e não conseguem por meios naturais. Para boa parte destes casos, existe a possibilidade de tentar a técnica moderna da reprodução assistida, também conhecida como inseminação artificial ou fertilização in vitro (FIV). Porém, esses tratamentos não costumam ser custeados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) ou pelos planos de saúde particulares. Nesta situação, a mulher e sua família precisam arcar com despesas altas para fazer o tratamento que pode possibilitar sua gravidez.

"A questão consiste no não fornecimento de tratamento de infertilidade para as pacientes que precisam realizar tratamento médico por meio da reprodução assistida pelos planos de saúde ou pelo SUS, que possui uma fila de espera que pode durar anos", afirma a Claudia Nakano, advogada no escritório Nakano Advogados Associados.


A lei 11.935/09 alterou o art. 35-C da Lei no 9.656/98, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, os quais têm a obrigação de cobrir o planejamento familiar. No entanto, a ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar – considera apenas os casos que necessitam de laqueadura tubária, implantação de DIU e, no caso dos homens, vasectomia (ou seja, os tratamentos que evitam a gravidez), e alguns tratamentos da infertilidade, mas coloca como exceções as modernas técnicas de fertilização in vitro e de inseminação artificial.

"Ou seja, a legislação determina o tratamento médico para o planejamento familiar. Já a ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar – alega que os planos de saúde devem cobrir um rol de procedimentos e não inclui a técnica da reprodução assistida (na qual estão inseridas a fertilização in vitro (FIV) e inseminação artificial", a Claudia Nakano esclarece.

A saída para quem precisa fazer esses tratamentos de infertilidade, não tem recursos para custeá-los e não consegue ter o tratamento coberto pelo plano de saúde ou SUS é recorrer à Justiça. "Atendemos casos de pacientes que têm endometriose e que não conseguiam engravidar por terem a doença. Indicada a fertilização in vitro, o plano de saúde é obrigado a cobrir o tratamento da doença e da fertilização", afirma a Claudia Nakano.

É direito da paciente que tenta engravidar sem sucesso ter a melhor opção de tratamento custeada pelo seu plano de saúde, caso sua infertilidade seja comprovada e os possíveis benefícios do tratamento sejam atestados pelo médico. "É preciso haver um laudo médico extremamente detalhado, escrito de forma legível, indicando a situação atual da mulher, todos os procedimentos que já foram realizados, doenças e tratamentos pelas quais a paciente passou e outros dados clínicos que comprovam a situação enfrentada", a Dra. Claudia Nakano pontua.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Dois novos óbitos

Rolândia chega a 100 mortes em decorrência da Covid-19

01 MAR 2021 às 20h45
Boletim

Maringá registra mais cinco mortes pela Covid-19 e 415 casos

01 MAR 2021 às 19h52
Boletim diário

Londrina atinge 701 óbitos em decorrência da Covid-19

01 MAR 2021 às 19h52
Boletim

Mais 3.196 casos de Covid-19 são registrados no Paraná; 401 mil doses da vacina aplicadas

01 MAR 2021 às 19h52
Saiba mais

'Não errei nenhuma', diz Bolsonaro ao insistir em tratamento precoce e em críticas a isolamento

01 MAR 2021 às 15h25
Oeste

Hospital de Cascavel usará aparelhos de zoológico para tratar pacientes com Covid-19

01 MAR 2021 às 11h55
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados