16/06/21
Saiba mais

Veja maneiras para cuidar do familiar portador de Alzheimer

No mês em que se celebra o Dia Mundial da Doença de Alzheimer, as informações que são disseminadas focam no tratamento e nos aspectos que auxiliam a prevenir a doença. Porém, o ambiente familiar também exerce grande influência na qualidade de vida do portador de Alzheimer. Desta forma, é vital criar e melhorar maneiras para tornar a convivência mais harmoniosa.

O Neurologista do Hospital Santa Catarina, doutor Maurício Hoshino, afirma que o Alzheimer é responsável por mais de 70% do total de pessoas com algum tipo de demência no mundo e, embora pessoas acima dos 50 anos precisem redobrar a atenção com os sintomas da doença, a faixa etária que mais sofre da doença é de 60 a 70 anos. A médica Geriatra do Hospital Santa Catarina, Márcia Kimura Oka, elenca cinco formas que auxiliam a família do paciente nesta importante missão:

Diálogo permanente
Embora pareça simples, o ato de manter com frequência o diálogo com o paciente auxilia muito no tratamento. Manter o contato visual sempre para ampliar a atenção do portador da doença e optar nas conversas por temas mais simples e não questões complexas são dicas que fazem grande diferença;

Eleja um cuidador/familiar
Que pode ser rotativo: o fato de escolher um familiar para ser o principal contato do portador da doença também traz benefícios. Vale alertar que o ato jamais deve ser confundido como uma espécie de 'folga' aos demais familiares. Isso não existe. Intensificar o diálogo e manter bastante contato, inclusive em eventuais passeios, são algumas ações que podem ser feitas;

Lidar com a doença
Compreensão mais lenta e repetição de informações/diálogos são atos que, algumas vezes, estressam as pessoas ao redor do paciente com Alzheimer. Por isso, entender suas limitações e manter a paciência, independente das situações, são aspectos muito importantes para o familiar do portador da doença;

Atividade física traz estímulo cognitivo
Caminhada diária na companhia de um familiar ou exercícios leves com acompanhamento de um profissional, e somente após orientação médica, são atos simples de serem executados em alguns casos e, além de auxiliarem no tratamento da doença, servem para que o portador da doença e seu acompanhante distraiam os pensamentos e 'fujam' momentaneamente do ambiente familiar/caseiro.

Adaptar a casa em casos especiais
Embora esse tema seja direcionado aos casos mais graves, é importante, principalmente no caso da terceira idade, evitar 'armadilhas' como tapetes e janelas desprotegidas (para evitar quedas). Outra dica valiosa é instalar corrimão de apoio no banheiro e, principalmente, nas escadas.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Vacinação no PR

Idosos passam de maioria para um quarto dos internados nas UTIs do Paraná

15 JUN 2021 às 20h10
1.599 mortes pela doença

Londrina monitora 744 casos ativos de coronavírus; 234 internados

15 JUN 2021 às 18h46
Boletim diário

Maringá registra mais 10 mortes pelo novo coronavírus nesta terça

15 JUN 2021 às 18h10
Saiba mais

Variante do coronavírus identificada no interior já circulava desde janeiro em São Paulo

15 JUN 2021 às 16h34
340 óbitos

Boletim da Saúde indica recorde de mortes por coronavírus no Paraná

15 JUN 2021 às 15h37
Entenda o projeto!

Se passar, eu veto, diz Bolsonaro sobre projeto que cria 'passaporte da vacina'

15 JUN 2021 às 14h38
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados