17/12/17
33º/21ºLONDRINA
 -
 -
17/12/2017 - 00:24
Imprimir Comunicar erro mais opções


O roteirista e diretor francês Laurent Cantet é dono de uma filmografia forte e engajada, onde se destacam filmes como Recursos Humanos, A Agenda, Em Direção ao Sul e Entre os Muros da Escola. Em 2014, a partir de um roteiro escrito em parceria com Leonardo Padura Fuentes, ele dirigiu Retorno a Ítaca. O título do filme, inspirado na famosa viagem de Ulisses, personagem da Odisseia, de Homero, conta a história de Amadeo (Néstor Jiménez), exilado cubano que após 16 anos vivendo na Espanha volta à sua Cuba natal. Lá, ele se reúne com os amigos Tania (Isabel Santos), Eddy (Jorge Perrugoria), Rafa (Fernando Hechavarria) e Aldo (Pedro Julio Diaz Ferran). Toda a ação se passa no terraço de um prédio com vista para Havana. Como esperado, os amigos relembram a juventude idealista em contraste com a realidade atual. Retorno a Ítaca é seco e amargo, às vezes, cruel e também engraçado. Assim como a vida. Cantet já havia rodado em Cuba antes, quando dirigiu um dos segmentos do longa 7 Dias em Havana, em 2012.

RETORNO A ÍTACA (Retour à Ithaque – França 2014). Direção: Laurent Cantet. Elenco: Isabel Santos, Jorge Perugorria, Fernando Hechavarria, Néstor Jiménez, Pedro Julio Diaz Ferran e Carmen Solar. Duração: 92 minutos. Distribuição: Imovision.
16/12/2017 - 00:30
Imprimir Comunicar erro mais opções


O carioca Roberto Bomtempo é mais conhecido por seu trabalho como ator de cinema, teatro e televisão. Carreira que teve início em 1985. Vinte anos depois ele decidiu estrear como diretor e realizou Depois Daquele Baile, seu primeiro longa-metragem atrás das câmeras. O roteiro, escrito por Susana Schild, tem por inspiração a peça de Rogério Falabella. A história gira em torno de Dóris (Irene Ravache), uma viúva que mora em Belo Horizonte e cuida da pensão que tinha com o marido. Sua sobrinha Bete (Ingrid Guimarães) a auxilia nas tarefas diárias e seus clientes mais frequentes, Freitas (Lima Duarte) e Otávio (Marcos Caruso), disputam sua atenção. Dóris é uma pessoa que adora a vida e aprecia bastante a companhia dos amigos. Freitas e Otávio, por sua vez, fazem uma aposta que envolve a viúva por quem ambos estão interessados. Depois Daquele Baile não tem pretensão alguma. É aquele tipo de filme que te conquista pela história singela, bons personagens e atores melhores ainda. O diretor estreante não quis reinventar a roda e se valeu do roteiro e do elenco que tinha em mãos e se limitou a ligar a câmara e gritar roda e corta. E pronto. Não precisava de mais nada. Além disso, se você conhece Minas Gerais e gosta da música do pessoal do Clube da Esquina, o filme vai te pegar bonito.

DEPOIS DAQUELE BAILE (Brasil 2005). Direção: Roberto Bomtempo. Elenco: Irene Ravache, Lima Duarte, Ingrid Guimarães, Marcos Caruso, Manoelita Lustosa, Alexandre Cioletti e Chico Pelúcio. Duração: 108 minutos. Distribuição: VideoFilmes.
15/12/2017 - 00:25
Imprimir Comunicar erro mais opções


A cineasta americana Courtney Hunt estreou em 2008 com o impactante Rio Congelado. Depois, dirigiu episódios de séries de TV até realizar seu segundo longa, este Versões de Um Crime, de 2016. Se você gosta daqueles filmes de tribunal onde nada é o que parece ser, então este filme foi feito sob medida para você. O roteiro de Nicholas Kazan, que por alguma razão assinou com o pseudônimo de Rafael Jackson, nos apresenta o advogado Ramsey (Keanu Reeves), que é contratado por Loretta (Renée Zellweger) para defender seu filho, Mike (Gabriel Basso), acusado de ter matado o próprio pai, Boone (James Belushi). Como eu já disse, nada é o que parece ser, e Versões de Um Crime vai tirando proveito de reviravolta atrás de reviravolta até a revelação de "toda a verdade", por sinal, tradução mais correta do título original.

VERSÕES DE UM CRIME (The Whole Truth - EUA 2016). Direção: Courtney Hunt. Elenco: Keanu Reeves, Renée Zellweger, Gugu Mbatha-Raw, James Belushi, Gabriel Basso, Ritchie Montgomery, Christopher Berry e Jim Klock. Duração: 94 minutos. Distribuição: PlayArte/Netflix.
14/12/2017 - 00:11
Imprimir Comunicar erro mais opções


O roteirista e diretor californiano Gregg Araki costuma lidar com rituais de passagem em sua filmografia. Seus trabalhos anteriores: Estrada Para Lugar Nenhum, Mistérios da Carne e Kaboom, sem contar a série 13 Reasons Why, produzida pela Netflix, são exemplos desse tema recorrente em sua carreira. Em Pássaro Branco na Nevasca, que ele escreveu, a partir do livro de Laura Kasischke, e dirigiu em 2014, a questão da transição da adolescência para a idade adulta se faz presente outra vez. Tudo começa quando Eve (Eva Green) abandona o marido Brock (Christopher Meloni) e a filha Katrina (Shailene Woodley). Os dois tentam recolocar a vida nos trilhos. No entanto, a garota passa a ter sonhos cada vez mais perturbadores. Sem contar que existe um segredo envolvendo tudo aquilo que está acontecendo com a família Connors. Araki sabe construir seus dramas com sensibilidade e aqui acrescenta o frio e uma dose de suspense como elementos complementares. Isso faz de Pássaro Branco na Nevasca uma pequena joia que merece ser descoberta.

PÁSSARO BRANCO NA NEVASCA (White Bird in a Blizzard - EUA 2014). Direção: Gregg Araki. Elenco: Shailene Whoodley, Eva Green, Christopher Meloni, Shiloh Fernandez, Gabourey Sidibe, Thomas Jane, Sheryl Lee e Angela Bassett. Duração: 91 minutos. Distribuição: Imovision.
13/12/2017 - 00:14
Imprimir Comunicar erro mais opções


No dia 28 de junho de 1914, o arquiduque do Império Austro-Húngaro, Franz Ferdinand, estava em Sarajevo, capital da Bósnia, com sua esposa Sophie dentro de um carro percorrendo a cidade quando sofreu um atentado que o vitimou. A história registra isso como o estopim da Primeira Guerra Mundial. 100 anos depois, o cineasta austríaco Andreas Prochaska, a partir de um roteiro escrito por Martin Ambrosch, resgata esse momento histórico em Sarajevo. A trama é contata por Leo Pfeffer (Florian Teichtmeister), inspetor encarregado das investigações. A suspeita cai sobre os sérvios e um grupo deles, da facção terrorista Mão Negra, é capturado. Todos muitos jovens, o que chama a atenção de Pfeffer que, à medida que avança em sua investigação, descobre haver muitos interessados em iniciar rapidamente aquela guerra. Há em Sarajevo uma esmerada reconstituição de época e Prochaska tira proveito disso para nos envolver por inteiro em sua narrativa. Mesmo passado pouco mais de um século, é possível perceber que as motivações bélicas de muitos dirigentes e seus apoiadores continuam, infelizmente, as mesmas.

SARAJEVO (Das Attentat: Sarajevo 1914 - Áustria/República Tcheca 2014). Direção: Andreas Prochaska. Elenco: Florian Teichtmeister, Melika Foroutan, Heino Ferch, Friedrich von Thun, Edin Hasanovic, Kasem Hoxha e Eugen Knecht. Duração: 98 minutos. Distribuição: Netflix.
Marden Machado
 
Escrevo, todos os dias, sobre um filme, complementando minha participação nos programas Light News (na rádio Transamérica Light FM - 95,1), na rádio CBN Curitiba (90,1 FM), no programa Caldo de Cultura (UFPR TV - canais 15 da NET, 71 da TVA ou via web no http://www.tv.ufpr.br/), e no canal http://www.youtube.com/cinemarden.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE