-
 -
28/07/2017 - 00:58
Imprimir Comunicar erro mais opções


Sabe aquele tipo de filme assumidamente B? Kong: A Ilha da Caveira é desse tipo. Além disso, se inspira na estrutura dos filmes da Marvel, ou seja, faz parte de um universo maior, coeso e interligado. O que isso significa? Teremos mais filmes explorando esse mundo cheio de monstros gigantescos. Com direção do quase estreante Jordan Vogt-Roberts, estamos diante de uma obra feita pura e simplesmente para divertir. A partir de uma história criada por John Gatins, o roteiro de Dan Gilroy, Max Borenstein e Derek Connolly se apropria do famoso King Kong, visto anteriormente em pelo menos cinco filmes. Porém, aqui ele não só maior como o contexto é outro. A ação se passa no início da década de 1970 e nos apresenta um grupo formado por cientistas, soldados, aventureiros e uma fotógrafa que se deslocam até uma ilha desconhecida do Pacífico onde vivem criaturas pré-históricas. Todos os clichês possíveis de tramas similares estão presente em Kong: A Ilha da Caveira. O mais legal é que eles funcionam muito bem e após os créditos finais temos um aperitivo do que virá no futuro. E esses filmes futuros prometem diversões colossais.

KONG: A ILHA DA CAVEIRA (Kong: Skull Island - EUA 2017). Direção: Jordan Vogt-Roberts. Elenco: Tom Hiddleston, Brie Larson, Samuel L. Jackson, John Goodman, John C. Reilley, Jing Tian, Corey Hawkins e Toby Kebbell. Duração: 118 minutos. Distribuição: Warner.
27/07/2017 - 00:20
Imprimir Comunicar erro mais opções


A combinação parecia perfeita quando teve início a produção de O Homem Bicentenário. A direção seria de Chris Columbus, que vinha de três grandes sucessos seguidos. À frente do elenco, Robin Williams com todo seu carisma. E o roteiro, adaptado por Nicholas Kazan a partir de um conto de Isaac Asimov, era a "cereja do bolo". O que poderia dar errado? No caso, pelo menos na opinião de Williams, os cortes de orçamento que o estúdio produtor impôs ao filme foram responsáveis pelo fracasso nas bilheterias. Além disso, foi "vendido" como uma comédia, quando na verdade, trata-se de um drama filosófico que discute a condição humana. Para piorar, a crítica recebeu muito mal a obra e isso terminou por afetar drasticamente o faturamento esperado. É curioso observar, no entanto, que o tempo se encarregou de corrigir algumas avaliações precipitadas. O Homem Bicentenário merecia um novo lançamento. Acompanhamos aqui a história de Andrew Martin (Williams, contido e perfeito), um robô fabricado para realizar tarefas domésticas. Ele desenvolve sentimentos e com isso, passa a nutrir o desejo de se tornar humano. A ação se desenvolve ao longo de exatos 200 anos, de 03 de abril de 2005 até 03 de abril de 2205, e ao longo desse período, o filme se encarrega de nos mostrar a maneira como Andrew interage com as pessoas ao seu redor. Columbus conta sua história de forma correta, nunca brilhante. Mas a interpretação de Williams compensa os descompassos da direção.

O HOMEM BICENTENÁRIO (Bicentennial Man – EUA 1999). Direção: Chris Columbus. Elenco: Robin Williams, Embeth Davidtz, Sam Neill, Wendy Crewson, Oliver Platt, Kiersten Warren, Bradley Whitford e John Michael Higgins. Duração: 130 minutos. Distribuição: Buena Vista.
26/07/2017 - 00:41
Imprimir Comunicar erro mais opções


Desde Mary Poppins, filmes de babás costumam funcionar muito bem. Se não tiver magia envolvida, uma questão pessoal forte aliada a uma boa maquiagem pode fazer a diferença. Se à frente do elenco estiver um talentoso ator, como é o caso de Robin Williams, não tem erro. Uma Babá Quase Perfeita, dirigido em 1993 por Chris Columbus, reúne todos esses elementos. O roteiro de Randi Mayem Singer e Leslie Dixon tem por base o livro de Anne Fine e nos conta a história de Daniel Hillard (Williams), um pai impedido pela ex-esposa, Miranda (Sally Field), de passar mais tempo com os filhos. Para contornar o obstáculo, ele decide se vestir de mulher (não por acaso o filme ganhou o Oscar de melhor maquiagem) e se candidatar à vaga de babá das crianças. A maneira como Columbus, auxiliado pela versatilidade e carisma de Williams, lida com elementos cômicos e dramáticos da trama fazem de Uma Babá Quase Perfeita aquele tipo de filme que diverte e emociona. Ideal para ser visto com toda a família.

UMA BABÁ QUASE PERFEITA (Mrs. Doubtfire - EUA 1993). Direção: Chris Columbus. Elenco: Robin Williams, Sally Field, Pierce Brosnan, Harvey Fierstein, Polly Holliday, Lisa Jakub, Matthew Lawrence, Mara Wilson e Robert Prosky. Duração: 126 minutos. Distribuição: Fox.
25/07/2017 - 00:45
Imprimir Comunicar erro mais opções


Após o sucesso inesperado de Esqueceram de Mim, em 1990, rapidamente a Fox encomendou ao roteirista e produtor John Hughes que preparasse uma continuação. Chris Columbus assumiu novamente a direção e dois anos depois saiu Esqueceram de Mim 2: Perdido em Nova York. Mais uma vez, a ação se passa na semana do Natal e repete muitas das situações do filme anterior, inclusive, com a volta dos mesmos ladrões (Joe Pesci e Daniel Stern). A diferença se dá pelo novo cenário. Desta feita, Kevin (Macaulay Culkin) não é esquecido pelos pais. Estão todos no aeroporto para embarcar para a Flórida e, por causa de uma confusão, o caçula dos McCallister termina entrando no avião errado e vai parar em Nova York. Hospedado no Plaza Hotel, ao lado do Central Park, ele descobre por acaso o plano dos "bandidos molhados" e decide impedi-los. Não espere por novidades aqui. Tudo o que funcionou no primeiro filme é utilizado novamente. E funciona muito bem outra vez. Em tempo: Donald Trump faz uma ponta dando uma orientação ao pequeno Kevin.

ESQUECERAM DE MIM 2: PERDIDO EM NOVA YORK (Home Alone 2: Lost in New York - EUA 1992). Direção: Chris Columbus. Elenco: Macaulay Culkin, Joe Pesci, Daniel Stern, Catherine O'Hara, John Heard, Tim Curry e Brenda Fricker. Duração: 120 minutos. Distribuição: Fox.
24/07/2017 - 00:24
Imprimir Comunicar erro mais opções


Em novembro de 1990, dois filmes estrearam no mesmo dia nos Estados Unidos. A aposta da indústria era alta na volta de Rocky Balboa, de Sylvester Stallone, em Rocky V, que contou com uma grande campanha publicitária. Já o outro, Esqueceram de Mim, escrito e produzido por John Hughes e dirigido por Chris Columbus, uma comédia familiar de Natal, entrou em cartaz sem alarde algum e nocauteou o maior lutador de boxe do Cinema. A trama, bem simples, se concentra basicamente na personagem de Kevin McCallister, papel que consagrou o pequeno e carismático Macaulay Culkin. Na semana das festas natalinas, sua família viaja para a Europa e o esquecem sozinho em casa. E, como toda criança, quando percebe o que aconteceu, procura tirar proveito daquela situação inusitada. Mas isso não bastaria para que a história seguisse. Dois ladrões (Joe Pesci e Daniel Stern), decidem roubar o lar dos McCallister, sem saber da presença de Kevin no lugar. Esqueceram de Mim tem um humor pastelão na melhor tradição da comédia americana clássica. Além disso, é aquele tipo de entretenimento que agrada a família toda, ou seja, talvez esteja aí a razão do enorme sucesso alcançado pelo filme nos cinemas quando de seu lançamento. O boca a boca funcionou muito bem.

ESQUECERAM DE MIM (Home Alone - EUA 1990). Direção: Chris Columbus. Elenco: Macaulay Culkin, Joe Pesci, Daniel Stern, Catherine O'Hara, John Heard, Roberts Blossom, Angela Goethals, Devin Ratray, Gerry Bamman e John Candy. Duração: 103 minutos. Distribuição: Fox.
Marden Machado
 
Escrevo, todos os dias, sobre um filme, complementando minha participação nos programas Light News (na rádio Transamérica Light FM - 95,1), na rádio CBN Curitiba (90,1 FM), no programa Caldo de Cultura (UFPR TV - canais 15 da NET, 71 da TVA ou via web no http://www.tv.ufpr.br/), e no canal http://www.youtube.com/cinemarden.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
 
Hospedado pela: